A música mais “pura” do Pink Floyd, segundo David Gilmour

Composição foi dividida em 2 faixas e contava com 9 partes em seu formato de publicação original

O guitarrista, vocalista e membro fundador Syd Barrett nunca deixou de fazer parte do Pink Floyd enquanto inspiração. Embora tenha sido afastado poucos anos após o início dos trabalhos, sua aura permaneceu com os colegas. Em alguns momentos, as lembranças atormentavam, em outros ajudavam a afagar a banda em meio às pressões sofridas após o estouro comercial.

Em “Wish You Were Here”, o amigo foi lembrado duas vezes. Primeiro na faixa-título, um de seus maiores sucessos midiáticos. Porém, o momento mais ousado se deu em “Shine on You Crazy Diamond”. Dividida em 2 faixas e com 9 partes, a composição fica a 3 segundos de totalizar 26 minutos em seu registro original.

- Advertisement -

Em depoimento à revista Uncut, publicado em 2015, o guitarrista e vocalista David Gilmour não se furtou em colocar a obra como um dos grandes momentos da carreira de todos os envolvidos. Ele disse, conforme resgate do site Far Out Magazine:

“É a música mais pura do Pink Floyd, o auge daquela fase específica do nosso desenvolvimento… as ideias eram todas tão boas que queríamos espaço para elas respirarem. E é por isso que a versão completa tem cerca de 26 minutos de duração e precisou ser dividida em duas, já que não cabia completa em um dos lados do LP.”

A sombra de Syd Barrett

Vale recordar que Syd Barrett chegou a visitar a banda em estúdio durante as gravações. Os antigos colegas não o reconheceram de cara, graças à aparência física totalmente distinta.

Leia também:  Steve Harris revela o curioso segredo físico para seu som de baixo

A parte comunicacional também havia sido claramente afetada após anos de experiências químicas. O reencontro deixou todos muito abalados.

O falecido tecladista Richard Wright lembrou o momento em depoimento compilado pelo fansite Pink Floyd Fan:

“Roger (Waters, baixista e vocalista) estava sentado à mesa de controle no estúdio. Eu entrei e vi um cara atrás dele, enorme, careca e gordo. Pensei: ‘ele parece um pouco… estranho…’ De qualquer forma, juntei-me a Roger e trabalhamos por cerca de dez minutos. Esse cara continuava se levantando, escovando os dentes e depois sentando novamente – fazendo coisas realmente estranhas, mas quieto.

Até que perguntei a Roger: ‘quem é ele?’ e Roger disse: ‘não sei’. E eu disse: ‘bem, presumi que fosse seu amigo’, e ele respondeu: ‘não, não sei quem ele é’. De qualquer forma, demorei muito e de repente percebi que era Syd, depois de talvez 45 minutos.”

Curiosamente, o ocorrido se deu justamente quando a homenagem estava sendo registrada.

Leia também:  Tradição e vanguarda dão o tom do Pearl Jam em “Dark Matter”

“Syd apareceu enquanto estávamos fazendo os vocais de ‘Shine On You Crazy Diamond’, que era basicamente sobre ele. Simplesmente, por alguma razão incrível, escolheu o mesmo dia em que estávamos fazendo uma música que era sobre ele. E não o víamos, creio, há dois anos. Isso é o que há de tão incrivelmente… estranho nesse cara. E um pouco perturbador também, quero dizer, principalmente quando não conseguimos reconhecê-lo. Escolheu justamente aquele dia para aparecer. Muito estranho.”

Pink Floyd e “Wish You Were Here”

“Wish You Were Here” foi lançado no dia 12 de setembro de 1975. Nono disco de inéditas, é o segundo conceitual da carreira do Pink Floyd, trazendo uma crítica à objetificação da arte pela indústria.

Chegou ao primeiro lugar das paradas norte-americana e britânica, tendo vendido mais de 13 milhões de cópias em todo o mundo. Apesar de todas as dificuldades enfrentadas nas sessões, David Gilmour e Richard Wright já o classificaram como o melhor disco da banda.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA música mais “pura” do Pink Floyd, segundo David Gilmour
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

1 COMENTÁRIO

  1. É do meu álbum favorito da banda (Wish You Were Here, 1975), e foi muito acertada a decisão do PF em dividir “Shine on You Crazy Diamond” em duas seções: a primeira para começar e a segunda para terminar o disco de uma forma coesa e cíclica.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades