Quando Slash profetizou como queria que o Guns N’ Roses fosse visto no futuro

Durante entrevista concedida no fim dos anos 1980, guitarrista criticou a indústria da época e revelou desejo de ser lembrado por fazer o diferente

Com o estouro de seu álbum de estreia “Appetite for Destruction” (1987), o Guns N’ Roses passou a experienciar a fama. Naquela época, o guitarrista Slash acreditava que, para construir uma carreira de sucesso, era necessário amar o trabalho e não fazê-lo apenas por obrigação. 

Sendo assim, durante uma entrevista dos anos 1980 ao jornalista Mike Greenblatt, resgatada no Reddit, o músico descreveu como queria que a banda fosse vista no futuro. Curiosamente, a declaração acabou mostrando-se verdade, visto que o grupo continua sendo referência até hoje. 

- Advertisement -

Primeiramente, ele criticou a indústria dos anos 1980 e destacou o posicionamento distinto do Guns perante ao cenário do período, além de projetar a imagem futura do grupo.

“Espero que daqui a cinco anos o Guns N’ Roses não seja considerado outro Poison ou Kingdom Come. Espero que sejamos lembrados como sendo diferentes. Quero dizer, estamos em um momento ruim para o rock ‘n’ roll. Agora, no final dos anos 80, as pessoas simplesmente não fazem nada por amor. Virou uma indústria baseada em negócios e dinheiro. Espero que estejamos um pouco longe disso no que diz respeito à música.”

Em seguida, citou a maneira como ele e os colegas seguiam as próprias opiniões na tomada de decisões:

“Não se esqueça de que não precisamos de nenhuma artimanha para ter um contrato. Assinamos nosso contrato com nossas próprias regras e fizemos as coisas do nosso próprio jeito. Dissemos às pessoas que faríamos exatamente o que dissemos que faríamos e essa era a única maneira de assinarmos um contrato. E nós nos apegamos a isso.” 

Longevidade do Guns N’ Roses

Por fim, fez uma reflexão a respeito da longevidade. Mais uma vez, Slash opinou sobre a importância de trilhar um caminho na música por paixão à arte e não por qualquer outro motivo. 

Leia também:  O terrível show do The Doors que inspirou Iggy Pop e toda uma geração

“A longevidade não é um problema para nós. A longevidade é algo que todo mundo pensa, não a gente. Vamos continuar fazendo isso até que não seja mais divertido. Eu sei que é quase um clichê, mas é verdade. Quando não for mais animador, iremos desistir. Não vamos ser uma daquelas bandas que dizem ‘bem, temos que continuar mesmo que a gente odeie cada minuto disso’.”

Slash e Poison

Na década de 80, Slash fez um teste para entrar no Poison. Contudo, não conseguiu a vaga. Conversando com Leslie West (frontman do Mountain) em 2017, o guitarrista do Guns N’ Roses destacou que não tem qualquer afinidade com a banda que o rejeitou, nem com a cena hair metal de Hollywood, consagrada naqueles tempos.

Leia também:  A reação de Patti Smith após ser citada em álbum de Taylor Swift

“Sempre estava começando bandas e buscando pessoas para compor junto, mas nunca achava um cantor. Em certo ponto, esse cara, Matt (Smith), era o guitarrista original do Poison, uma banda com a qual eu não tinha a menor afinidade, me ligou e disse que estava saindo e voltaria para Pensilvânia. Precisavam de um substituto. Ao menos, eu estaria fazendo shows – eram a maior banda da Sunset Strip na época. Aprendi quatro músicas deles e saí para tocar com eles. Tínhamos uma grande diferença de opinião sobre tudo – imagem, roupas. Eu sabia que não funcionaria.”

Na opinião do guitarrista, o foco principal da cena glam metal de Hollywood não era “integridade musical”. Por isso, não conseguiu criar apreço pelo estilo.

“Eles só queriam saber das roupas e da imagem. É isso que eu odiava em West Hollywood. O Guns N’ Roses foi o resultado direto de nós odiando essa cena. Fomos atraídos por isso. Gostávamos dos Dolls, Bowie, Aerosmith e Stones da década de 1970. Não curtíamos delineador e roupas.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesQuando Slash profetizou como queria que o Guns N’ Roses fosse visto...
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades