10 álbuns que definiram o djent, segundo a revista Revolver

Subgênero do prog metal se vale do uso de padrões de ritmo complexos e fortemente sincopados

Surgido entre a Europa e América do Norte no final do século passado, o djent é um subgênero do metal progressivo caracterizado pelo uso de padrões de ritmo complexos e fortemente sincopados. Seu som distinto é o de cordas de alto ganho, distorcidas, afinadas para baixo e tendo os toques abafados pela palma da mão. O nome “djent” é uma onomatopeia deste som.

A revista Revolver elaborou um ranking com 10 discos que definiram a proposta. Eles podem ser conferidos abaixo, com os devidos comentários do staff da publicação destacados.

- Advertisement -

10 álbuns que definiram o djent, segundo a Revolver

After the Burial – “Wolves Within”: “De todas as bandas desta lista – exceto seus ídolos, Meshuggah –, o After the Burial tem o som em cascata mais intenso e esmagador. Seu álbum de 2008, ‘Rareform’, é um clássico pioneiro do djent, e seu sucessor de 2010, ‘In Dreams’, foi uma transformação soberba em composições mais brilhantes, mais melódicas e ainda mais dizimadoras. No entanto, ‘Wolves Within’ (2013) foi quando eles aperfeiçoaram o que buscavam, cultivando ondas gigantes de riffs que podem reduzir o som a pó em faixas como ‘Pennyweight’ e ‘Anti-pattern’. Os tons de guitarra são impecáveis e há um número surpreendente de solos de thrash violentos aqui, mas os vocais penetrantes do vocalista Anthony Natarmaso improvavelmente se soobressaem e, sem dúvida, roubam o show inteiro.”

Animals As Leaders – “Joy of Motion”: “Embora o Animals As Leaders esteja há muito tempo na vanguarda do movimento djent, eles também sempre criaram seu próprio caminho. O trio faz música instrumental que é tão geneticamente semelhante ao ambient e ao jazz progressivo quanto ao metal tradicional. Embora seu álbum de estreia homônimo, de 2009, tenha sido formativo durante a explosão inicial do gênero, sua produção e criatividade composicional empalidecem em comparação com o som que eles alcançaram no estelar ‘Joy of Motion’ de 2014. Neste, o guitarrista e mentor Tosin Abasi alcançou um equilíbrio beatífico entre licks limpos e vítreos com soluços de djent poderosos e estrondosos. A abertura ‘Kascade’ é uma demonstração impressionante de como esta banda aprendeu a levar o djent em direções abstratas e deslumbrantes – tudo isso sem pronunciar uma única palavra.”

Born of Osiris – “The Discovery”: “Entre sua estreia no deathcore da era Myspace, ‘The New Reign’ (2007), e seu sucessor ‘A Higher Place’ (2009), o Born of Osiris passou de bandidos primitivos para trapezistas ansiosos pela morte tecnológica. Em ‘The Discovery’ de 2011, eles adicionaram o djent. Embora ainda parcial à força contundente do deathcore, a banda de Chicago realmente se beneficiou do impacto extra que um tom djent dá a um groove saltitante, e o virtuoso guitarrista Jason Richardson – que só gravou este álbum antes de sair – aumentou seu talento técnico. A faixa de abertura ‘Follow the Signs’ é uma verdadeira joia de sua época – um banger alegre, progressivo e dançante que abriu a porta para mais bandas incorporarem teclados misteriosos ao kit de ferramentas do djent.”

Meshuggah – “obZen”: “O Meshuggah inventou o som djent muito antes de ‘obZen’, mas seu álbum de 2008 inaugurou o movimento djent. Depois de passar alguns discos experimentando novos estilos de composição, a banda sueca retornou à forma destrutiva que aperfeiçoou em ‘Chaosphere’ (1998), ao mesmo tempo em que acionou melodia, fornecendo assim uma porta de entrada acessível em seu catálogo para toda uma nova geração de ouvintes. Canções gloriosas como ‘Bleed’ e ‘Dancers to a Discordant System’ tinham toda a força de canhão e magia técnica do clássico Meshuggah, mas a cativante sutileza dos solos e progressões de acordes foi altamente instrutiva para toda uma nova safra de músicos, que dariam um passo adiante e adicionariam vocais limpos, teclados brilhantes e muito mais – criando o gênero djent fluido e amigavelmente experimental que conhecemos hoje.”

Leia também:  Mick Mars faz jus ao título em 1º álbum solo, “The Other Side of Mars”

Northlane – “Singularity”: “A música atual do Northlane certamente tem qualidades djenty, mas seu segundo álbum, ‘Singularity’ (2013), foi um grande ponto de virada na trajetória do gênero. O vocalista fundador Adrian Fitipaldes (que saiu após este álbum) tinha um estilo vocal único e irregular, que estava mais próximo de uma abordagem hardcore melódico do que de um deathcore, o que imediatamente destacou o Northlane na cena daquela época. Além disso, a instrumentação em músicas como ‘Windbreaker’ e ‘Worldeater’ aninha a bateria urgente, conduzindo acordes poderosos e muita melodia com os grooves djent e piruetas do prog, essencialmente dividindo a diferença entre uma banda como Counterparts e um grupo como Volumes. Junto com suas letras extremamente inspiradoras – especialmente na peça central ‘Quantum Flux’ –, ‘Singularity’ deu ao djent uma reformulação tonal e, assim, abriu-o para um público totalmente novo.”

Periphery – “Periphery II: This Time It’s Personal”: “Embora o Meshuggah seja uma banda ‘progressista’ no sentido de que sua música literalmente impulsionou o metal, eles não são uma banda de prog metal intermediário. O Periphery, por outro lado, é, se não o primeiro, então indiscutivelmente o melhor e mais popular grupo a incorporar o djent nas composições de prog metal direto. Musicalidade acrobática, estruturas compostas, melodias altíssimas e uma tendência para virar à esquerda excêntrica sempre que você pensa que a música está prestes a dar certo. Qualquer um de seus discos é um bom ponto de partida para os não iniciados, mas ‘Periphery II’ de 2012 teve o maior impacto na cena djent, estabelecendo o padrão de como um disco deveria soar em termos de produção e representando um desafio para qualquer banda que pensasse que poderia se basear em riffs reciclados do Meshuggah.”

Sleep Token – “Sundowning”: “O Sleep Token está para o djent como o Ghost está para o heavy metal. A misteriosa banda do Reino Unido opera como um coletivo anônimo que se apresenta com máscaras e capuzes pretos, e embora sua música não soe como o doom-pop satânico de Tobias Forge, o metal representa apenas uma fração da paleta de gêneros do Sleep Token. A maior parte de ‘Levitate’ – uma música de sua ousada estreia em 2019, ‘Sundowning’ – é uma balada de piano esparsa com vocais comoventes que não soa nem um pouco pesado até o minuto final, quando o clímax irrompe em gloriosas cachoeiras de guitarras djent e batendo tambores. Outras faixas como ‘The Offer’ e ‘Higher’ exercem a mesma restrição, usando explosões ocasionais de afinação baixa para enfatizar os riscos emocionais em vez de sufocar indefinidamente.”

Leia também:  A opinião de Rob Halford (Judas Priest) sobre o Sleep Token

Spiritbox – “Spiritbox”: “O Spiritbox foi muito além do djent em sua estreia de 2021, ‘Eternal Blue’, mas seu EP de 2017 certamente existe neste meio. A banda – liderada pelos ex-membros do iwrestledabearonce Courtney LaPlante e Mike Stringer – revigorou o som djent em seu majestoso trabalho autointitulado, desfrutando da terra de ninguém entre o progressivo estudioso, o pós-metal montanhoso, o metalcore de arrepiar os ossos e o alt- metal. Os giros elásticos do djent em ‘Aphids’ e ‘Everything’s Eventual’ estão lá para acentuar os vocais impressionantes de LaPlante, que variam de rosnados escabrosos a cintos brilhantes. Não há nenhum vocalista no mundo do djent que possa cantar como LaPlante faz em ‘The Mara Effect, Pt. 2’, mas justamente quando você pensa que se acostumou com seu canto ondulante, Stringer solta uma detonação de djent pesada que incendeia tudo.”

TesseracT – “Altered State”: “‘Altered State’ do TesseracT é o raro álbum de djent que você pode simplesmente ouvir e relaxar. Para seu segundo disco, a banda britânica – que é tão fundamental para a onda inicial do gênero quanto grupos como After the Burial e Animals as Leaders – eliminou todos os vocais impuros presentes em sua estreia em 2011 e abraçou totalmente o estilo esbelto do novo vocalista Ashe O’Hara. Qualquer peso que esteja faltando é extremamente compensado pelas composições progressivas melodiosas e eficientes, que flutuam perfeitamente entre piscinas brilhantes de instrumentação etérea e guitarra djent ondulante. Todo o álbum se deleita com o belo potencial progressivo do gênero, deixando até mesmo um saxofone elegante deslizar pela névoa djenty em ‘Of Reality – Calabi-Yau’ e ‘Of Energy – Embers’.”

Veil of Maya – “Matriarch”: “Junto com After the Burial e Born of Osiris, Veil of Maya é outra banda que deu o salto do deathcore para o djent na virada do século. O terceiro e quarto álbuns da banda de Chicago, ‘[id]’ (2010) e ‘Eclipse’ (2012), este último co-escrito e produzido por Misha Mansoor do Periphery, estavam cheios de grandes ideias que brilharam durante seus shows ao vivo, mas ‘Matriarch’ (2015) foi quando eles realmente mostraram seu próprio registro. O som do Veil of Maya depende de síncopes tensas e nervosas, pontilhadas com efeitos problemáticos, sintetizadores arpejantes e cordas dramáticas. Mas por mais técnica que seja sua musicalidade – e apesar dos vocais limpos em uma música como ‘Ellie’ – ‘Matriarch’ ainda possui muitos colapsos desagradáveis ​​que podem facilmente servir como um poço de deathcore.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioListas10 álbuns que definiram o djent, segundo a revista Revolver
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades