Como Alice Cooper conheceu o Kiss e reagiu às maquiagens 

"Tia Alice" sempre listou os mascarados como uma de suas "crianças desobedientes", ao lado de tantos outros

Não é segredo para ninguém – exceto, talvez, para o Ney Matogrosso – o quanto Alice Cooper exerceu influência sobre o Kiss em seus primórdios.

O cantor e sua banda criaram o fenômeno que ficou conhecido como shock rock, se valendo de teatralidade e levando o horror aos palcos, despertando o furor em jovens e preocupando pais mais conservadores. Nada mais óbvio que Gene Simmons e Paul Stanley, sedentos por buscar um diferencial que garantisse seus lugares nos holofotes, bebessem dessa fonte. 

- Advertisement -

Em entrevista à série Audible’s Words+Music, transcrita pelo Ultimate Classic Rock, Vincent Furnier (sim, este é o nome do homem por trás da persona) destacou suas primeiras impressões sobre a banda de Nova York.

Leia também:  Exclusivo: Marko Hietala fala sobre saída do Nightwish, saúde mental e Tarja

“Conhecíamos eles antes de ser o Kiss. Não foi algo que surpreendeu. Nós dissemos onde deveriam comprar a maquiagem (risos). Mas eles se baseavam no Kabuki, formato do teatro japonês, não éramos iguais”. 

Alice Cooper, o pioneiro

Quanto a ser o pioneiro no formato, Alice não se faz de rogado e credita a si e seus colegas o protagonismo.

“Quando começamos a coisa toda teatral, eu esperava quebrar barreiras e dizer que bandas nesse estilo poderiam fazer discos de sucesso. Nós fizemos isso. Então veio o Kiss, David Bowie e todos que queriam podiam ser teatrais e ainda emplacar hits. Essa foi uma das poucas coisas que fizemos antes de qualquer outra pessoa”. 

Kiss, Alice Cooper e “Dreamin'”

Musicalmente, a influência também se fez presente até bem tarde na carreira do Kiss. A faixa “Dreamin’”, do álbum “Psycho Circus” (1998), rendeu uma disputa judicial por sua semelhança com “I’m Eighteen”. O assunto foi resolvido fora dos tribunais em um acordo financeiro.

Leia também:  Andreas Kisser está aberto a chamar ex-integrantes do Sepultura para show final

À época, Alice – que não se envolveu diretamente na questão – apenas se declarou surpreso por ninguém ter avisado os amigos das similaridades ainda durante as gravações.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesComo Alice Cooper conheceu o Kiss e reagiu às maquiagens 
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

1 COMENTÁRIO

  1. Talvez por ‘marketing’ , Tia Alice diga que foi ‘pioneiro’ em seu pais, os EUA, nessa parada de pintar o rosto como faz o Kiss e kabuki japonês, os Secos & Molhados.
    Porém, não seria surpresa se ele tenha se inspirado mesmo no roqueiro inglês Arthur Brown, que desde a década 60s era conhecido pela pintura facial extrema (embora a pintura facial/corporal seja tradicional em muitas culturas tribais, indígenas, há séculos), um capacete em chamas em performances extravagantes e ‘teatrais’. E com um ecletismo musical misturado a sua potente e abrangente voz operistica de gritos agudos.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades