Dee Snider apoia militares de Israel usarem “We’re Not Gonna Take It”

Vocalista do Twisted Sister diz ter composto canção lançada em 1984 para que "qualquer pessoa pudesse usá-la em qualquer situação"

“We’re Not Gonna Take It” é uma das músicas mais emblemáticas do Twisted Sister. Lançada em 1984, a faixa, de acordo com o vocalista e compositor Dee Snider, fala sobre “rebelião” e “lutar contra o sistema”. Por isso, o cantor não fica incomodado de ver o clássico sendo utilizado de forma política e até apoia que os militares de Israel a usem neste momento.

Ao TMZ, o artista explicou que, desde o início, o intuito da composição era dar voz a diferentes grupos. Em suas próprias palavras, não importa quem entoe “We’re Not Gonna Take It”, desde que seja “para algo bom”. Conforme transcrição do site, ele afirmou:

“Compus essa música há 40 anos e não tinha ideia de que se tornaria essa música folclórica e atemporal. Compus para que qualquer pessoa pudesse usá-la em qualquer situação. Nunca impedi pessoas de usá-la, pois é censura. Nos anos 80, ela foi composta para ser o grito de guerra delas. A esquerda usa, a direita usa, crianças usam, isso é belo. […] Use a música para algo bom, para algo certo, não use para mentiras, pois já temos muito disso.”

- Advertisement -

Em seguida, o vocalista mencionou que aprecia quando, especificamente, militares e professores se apropriam da faixa.

“Quem eu mais gosto que use ‘We’re Not Gonna Take It’ são os militares. E professores. Sou abençoado por poder fazer meu sonho se tornar realidade. Voluntários em vários países usam e quando vejo isso, sei que estão usando do jeito certo.”

Então, entrou na questão de Israel. Quando perguntado pelo repórter do tablóide se ele aprova o uso de “We’re Not Gonna Take It” pelo FDI (Forças de Defesa de Israel), Snider respondeu positivamente. Ainda, opinou sobre o conflito entre o país e Hamas e defendeu o direito de revidar um ataque.

“As pessoas estão ignorando aspectos importantes com os ataques aos israelenses. As pessoas estão dizendo que a resposta de Israel [ao ataque do grupo Hamas] está sendo muito intensa. Bem, vocês não podem decidir sobre a resposta quando isso envolve coisas hediondas a civis. Você não pode dizer ‘ah, já chega de retaliação’. Não, não funciona assim. Quando você cruza essa linha, você está queimando pessoas, massacrando pessoas, estuprando pessoas, matando pessoas e foi isso que aconteceu naquele festival [Supernova Sukkot Gathering]. Você não pode dizer ‘ok, sua vingança pode ir até certo nível’.”

Recusa a Donald Trump

Apesar de Dee Snider afirmar que qualquer pessoa pode usar “We’re Not Gonna Take It”, o Twisted Sister, em conjunto, negou a reprodução da faixa durante eventos políticos do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. À época, o guitarrista Jay Jay French explicou ao site Forward que o empresário havia utilizado a canção sem permissão da banda.

Leia também:  “Wind of Change”, cinebiografia do Scorpions, é anunciada

Em determinado momento, segundo Jay Jay, Dee Snider autorizou o uso da música, por Trump ser alguém que “se opõe ao sistema”. Então, em seu modo, representava “rebelião” – a mensagem que a banda transmitia.

“O que Dee tentou fazer foi expressar sua própria opinião e andar em uma linha tênue entre apoiar e repudiar a retórica inflamada de Trump. Mas isso faz grandes manchetes, então, tornou-se ‘Twisted Sister apoia Trump’.”

O músico destacou que não ganharia nem um centavo (na verdade, o compositor, que é Dee Snider, ganharia US$ 0,003 a cada vez que a canção fosse tocada). E, politicamente, o Twisted Sister não necessariamente apoiava Donald Trump, mas Dee havia sido ajudado por Trump em uma aparição no “Celebrity Apprentice”. O magnata havia auxiliado o cantor a conseguir bastante dinheiro para sua instituição de caridade, St. Jude’s Children’s Hospital.

No fim das contas, Dee Snider pediu, de forma privada, que a música não fosse mais tocada por Donald Trump.

“Nós, uma das bandas mais barulhentas das últimas décadas, escolhemos a forma menos barulhenta, menos sexy, para evitar isto. Escolhemos apenas o modo necessário.”

Twisted Sister e “We’re Not Gonna Take It”

Maior hit do Twisted Sister, “We’re Not Gonna Take It” faz parte do álbum “Stay Hungry”, lançado em 1984. O terceiro disco de estúdio da banda foi o mais bem-sucedido de sua carreira, vendendo 3 milhões de cópias só nos Estados Unidos e chegando ao top 15 em 5 paradas internacionais.

No ano passado, em postagens nas redes sociais, Dee Snider incentivou que os ucranianos usassem “We’re Not Gonna Take It” como trilha para resistir contra a invasão russa. O cantor citou as raízes familiares ao declarar apoio.

“Meu avô era ucraniano antes de o país ser engolido pela União Soviética após a Segunda Guerra Mundial. Isso não pode acontecer novamente! #F#CKRUSSIA”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasDee Snider apoia militares de Israel usarem “We’re Not Gonna Take It”
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades