Cofundador da Rolling Stone é expulso do Rock and Roll Hall of Fame

Jann Wenner excluiu pessoas pretas e mulheres de livro sobre ícones do estilo e concedeu declarações preconceituosas ao explicar o porquê

Jann Wenner, cofundador do Rock and Roll Hall of Fame e da revista Rolling Stone, foi expulso da primeira após comentários preconceituosos publicados recentemente.

Em conversa com o The New York Times, o jornalista foi questionado pelo fato de nenhuma artista feminina ou de cor da pele preta aparecer em seu novo livro, “Masters”, que apresenta entrevistas com “músicos extraordinários que dominaram o rock ‘n’ roll”.

“A seleção não foi deliberada. Foi meio intuitivo ao longo dos anos, simplesmente aconteceu dessa maneira. As pessoas tinham que atender a alguns critérios, mas era apenas meu interesse pessoal e amor por elas. No que diz respeito às mulheres, nenhuma delas era tão articulada o suficiente neste nível intelectual.”

- Advertisement -

Ao receber a oportunidade de reformular as suas observações, Wenner reafirmou a opinião.

“Não é que elas não sejam gênios criativos. Não é que sejam inarticuladas, mas tenha uma conversa profunda com Grace Slick ou Janis Joplin. Por favor, fique à vontade. Você sabe, Joni Mitchell não era uma filósofa do rock ‘n’ roll. Ela não passou, na minha opinião, nesse teste. Nem pelo trabalho dela, nem pelas outras entrevistas que deu. As pessoas que entrevistei eram o tipo de filósofos do rock.”

Quanto à exclusão de artistas pretos, responsáveis pelo nascimento do rock and roll, Jann argumentou:

“Dos artistas negros – você sabe, Stevie Wonder é um gênio, certo? Suponho que quando você usa uma palavra tão ampla como ‘mestres’, o erro é usar essa palavra. Talvez Marvin Gaye ou Curtis Mayfield? Quero dizer, eles simplesmente não se articularam nesse nível. Você sabe, apenas por uma questão de relações públicas, talvez eu devesse ter ido e encontrado uma artista negra e uma mulher para incluir aqui, mesmo que não correspondesse ao padrão histórico, apenas para evitar esse tipo de crítica. Eu tive a chance de fazer isso. Talvez eu seja antiquado e não dê a mínima ou algo assim. Gostaria, em retrospectiva, de ter entrevistado Marvin Gaye. Talvez ele fosse o cara. Talvez Otis Redding, se estivesse vivo, teria sido o cara.”

Após a óbvia repercussão negativa, um representante do Rock and Roll Hall of Fame enviou nota à imprensa anunciado a destituição de seu idealizador em caráter irrevogável.

Leia também:  Olivia Rodrigo doará parte da renda de turnê a ONG de direitos reprodutivos

Segundo o Consequence, o único membro da diretoria a votar contra seu desligamento foi Jon Landau, empresário de Bruce Springsteen e um dos colaboradores originais da Rolling Stone.

Sobre Jann Wenner

Nascido e criado em San Francisco, Califórnia, Jann Wenner cofundou a Rolling Stone em 1967 junto do crítico musical Ralph J. Gleason. A publicação se tornou uma das revistas de música mais populares da história, ajudando a lançar muitos artistas ao estrelato, ao mesmo tempo que proporcionou uma plataforma para escritores aclamados.

No ano de 1983, junto a uma equipe de executivos veteranos, criou a Rock and Roll Hall of Fame Foundation. A organização começou a induzir artistas e figuras célebres da indústria três anos depois. Em 1995, o museu Rock and Roll Hall of Fame foi inaugurado oficialmente em Cleveland. Em 2004, o próprio se homenageou na cerimônia oficial.

Leia também:  Sebastian Bach rebate fala de Rachel Bolan sobre autoria de 1º álbum do Skid Row

Apesar de ser uma das figuras mais importantes da história da imprensa musical, Wenner colecionou polêmicas ao longo dos anos. Em uma biografia sobre ele chamada “The Life and Times of Jann Wenner and Rolling Stone Magazine”, lançada em 2017, o autor Joe Hagan fez diversas acusações de alpinismo social e troca de favores na forma de críticas positivas para artistas do qual ele era ou queria ser amigo.

Em um trecho (via The Ringer), Hagan escreve algo sobre a Rolling Stone que acabou sendo uma prévia da entrevista ao New York Times:

“Era uma revista de homens, apesar de mulheres lerem; era uma revista branca, apesar que afroamericanos tinham fetiche nela; era uma revista de esquerda, apesar de ser temperada pela devoção de Wenner ao establishment.”

*Texto por João Renato Alves e Pedro Hollanda

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasCofundador da Rolling Stone é expulso do Rock and Roll Hall of...

1 COMENTÁRIO

  1. Aquele lance, ninguém quer saber tua opinião. Querem saber se tuas palavras cabem no manual dos “certinhos”. Pra que liberdade de expressão? Mentiras existem porque quase ninguém tolera a verdade. Formalidade existe porque ninguém suporta opinião sincera, ainda que seja ácida, egoísta e/ou contraditória.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades