Como Robert Fripp passou a admirar Dave Mustaine após covers na cozinha

Guitarrista do King Crimson estimou que precisaria praticar por três meses para aprender na íntegra "Holy Wars", música do Megadeth

Robert Fripp se transformou em uma figura notória na história do rock por ser cabeçudo e carrancudo na mesma medida. O líder do King Crimson tinha uma imagem de superioridade intelectual sobre tudo, mas a pandemia serviu para suavizar isso.

Mais especificamente, os covers que o guitarrista regularmente faz acompanhado de sua esposa, a cantora Toyah Wilcox. A série de vídeos apelidada Sunday Lunch frequentemente traz o casal fantasiado executando versões de músicas famosas na cozinha de casa. Como o nome indica, as filmagens são publicadas sempre aos domingos — e com o tempo, se tornou uma atração antecipada semanalmente por internautas.

- Advertisement -

Além disso, trabalhar em músicas de outros artistas fez com que as habilidades musicais dos colegas fossem reconhecidas por ele. Em entrevista à Guitar World, Fripp citou o Megadeth como um caso particular em que isso ocorreu:

“Explorando ‘Holy Wars… The Punishment Due’, dava pra ver que Dave Mustaine é um músico sério. Ele pensa diferentemente de mim musicalmente, mas há semelhanças também. Posso notar isso de pesquisar sobre seu estilo: ele parece trabalhar em padrões — desenvolvendo e introduzindo variações dentro desses padrões, algo que eu também faço.”

Mesmo com essas similaridades, Fripp disse que aprender o clássico do thrash metal foi complicado.

“Aquela canção do Megadeth foi um desafio pra mim. Tocar ela direito levaria uns três meses pra mim, com mais ou menos quatro a oito horas por dia de treino. Precisaria de muita concentração. Se você está fazendo 90 segundos, você ainda precisa trabalhar tão duro quanto é preciso. Ele é definitivamente alguém com quem eu não estava familiarizado antes, mas acabei respeitando muito.”

Robert Fripp, Dave Mustaine e Megadeth

Apesar disso, Robert Fripp ainda não teve a oportunidade de conhecer Dave Mustaine pessoalmente. Houve até uma possibilidade em 2022, mas acabou não dando certo.

“Eu não o conheço pessoalmente. O mais perto que cheguei de encontrá-lo foi estar no mesmo hotel que ele em Albany [capital do estado de Nova York] em novembro do ano passado. Eu ouvi que o Megadeth estava lá porque foram vistos malhando na academia, mas como eu estava em isolamento, não pude me apresentar e dar meu respeito a ele.”

Leia também:  A trágica história por trás do filme “Ferrari”, com Adam Driver

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesComo Robert Fripp passou a admirar Dave Mustaine após covers na cozinha
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda é jornalista formado pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso e cursou Direção Cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Apaixonado por música, já editou blogs de resenhas musicais e contribuiu para sites como Rock'n'Beats e Scream & Yell.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades