Nita Strauss queria ser criticada por Marty Friedman ao trabalhar com ele

Parceria com icônico guitarrista ocorreu em “Surfacing”, faixa que encerra o álbum “The Call of the Void”

Além de colaborar com uma série de vocalistas em faixas do seu novo álbum solo, “The Call of the Void”, Nita Strauss também gravou com Marty Friedman. O ex-Megadeth e Cacophony aparece em “Surfacing”, faixa que encerra o tracklist convencional do trabalho.

Em entrevista à mais recente edição da revista Guitar World (transcrita pelo Ultimate Guitar), a instrumentista falou um pouco mais sobre como se deu a parceria. E confessou que a ideia era quase como ter uma aula com uma de suas maiores influências.

“Ele é um grande contador de histórias! Aprendi muito com Marty ao longo dos anos. É um músico que sabe o que quer. Essa colaboração foi uma grande educação para mim, como uma jovem guitarrista sentada ao pé do mestre! A primeira música de metal que ouvi o tinha tocando guitarra. Desenvolvemos todo o conceito juntos.”

- Advertisement -

Nita ainda exaltou como se deu a troca que resultou na composição conjunta. E confessou que buscava ser julgada pelo ídolo.

“Enviei alguns riffs e ele me mandou de volta uma música maluca com suas próprias ideias. Curiosamente, li uma citação dele recentemente que dizia algo como, ‘Nita não tem medo de um pouco de trabalho duro!’ referindo-se a como essa música ia e voltava. Eu queria que ele me criticasse…”

Na hora de falar sobre conselhos que recebeu, Strauss se empolgou.

“Marty me dizia como eu poderia melhorar as melodias e quais notas deveria usar em vez das que havia escolhido inicialmente. Saí do outro lado uma guitarrista melhor. Ele enviou páginas de notas detalhadas e por meio dele aprendi que você tem que saber qual é a sua história e o que está tentando dizer ou transmitir. Escolha frases que ajudem a contar a história. Resista à tentação de usar suas músicas para mostrar seus licks mais rápidos.

É sobre a mensagem da música, em vez de um monte de notas que você pode tocar rapidamente uma após a outra. Eu tinha o DVD instrucional dele ‘Exotic Metal Guitar’ enquanto crescia. Honestamente, aprendi muito com isso – assim como com ‘Rock Discipline’ de John Petrucci, ‘Play Loud’ de Yngwie Malmsteen e ‘Modes: No More Mystery’ de Frank Gambale. Foi como aprendi que você pode ir de Lá menor natural para Sol mixolídio ou Dó iônio e se mover entre essas formas.

É apenas um caso de dar um pequeno passeio pelo braço através dos diferentes modos da mesma escala. Foi quando todo o corpo da guitarra se abriu para mim. Todos esses grandes moldaram o que nós fazemos agora!”

Nita Strauss e “The Call of the Void”

“The Call of the Void” foi lançado no último dia 7 de julho, através da Sumerian Records. “Dead Inside”, parceria com David Draiman (Disturbed) e primeiro single, transformou Nita na primeira mulher a alcançar o Top 10 do chart Mainstream Rock da Billboard em 26 anos. A anterior havia sido Melissa Etheridge com “Your Little Secret”, em dezembro de 1995.

Leia também:  História dos Beatles será contada em quatro filmes, um sobre cada integrante

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasNita Strauss queria ser criticada por Marty Friedman ao trabalhar com ele
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades