Grian Chatten (Fontaines D.C.) abraça romantismo em estreia solo “Chaos for the Fly”

Vocalista do quinteto irlandês se mostra capaz de ser crooner à moda antiga além de roqueiro intenso

Ao longo dos últimos quatro anos através de três discos acima da média, o Fontaines D.C. se estabeleceu como um dos nomes mais interessantes do indie rock. O quinteto irlandês tem evoluído seu som com cada lançamento, e o álbum mais recente da banda, “Skinty Fia”, foi um dos melhores de seu gênero em 2022.

Grande parte para o sucesso e a identidade sonora do grupo são os vocais e letras de Grian Chatten. O cantor aplica ao Fontaines uma vertente mais poética do que é descrito por alguns críticos ingleses como sprechensang – termo alemão para descrever o estilo de falar como se estivesse cantando.

- Advertisement -

Desde cedo, Chatten escreve sobre amores obsessivos, alienação e o senso de identidade inerente a ser irlandês vivendo no Reino Unido, o país responsável pela opressão e apagamento de sua cultura nativa. 

Leia também:  Kings of Leon anuncia novo álbum “Can We Please Have Fun” e lança single

Em “Chaos for the Fly”, contudo, Chatten se concentra mais no seu lado mais romântico, sendo capaz de adotar uma persona crooner. Seja em músicas como os singles “The Score” ou “Last Time Every Time Forever”, o cantor se mostra muito mais suave do que em sua banda.

“East Coast Bed”, por exemplo, lembra baladas oitentistas, com seus synths pronunciados. Em faixas como “Bob’s Casino”, o instrumental chega a soar como Burt Bacharach. É bem diferente do material do Fontaines.

Entretanto, o paralelo estabelecido pelo álbum é com outro grupo de rock, o Iceage. Entre os discos “Plowing Into the Fields of Love” (2014) e “Beyondless” (2018), o vocalista do grupo dinamarquês, Elias Bender Rønnenfelt, se dedicou ao projeto paralelo Marching Church.

Leia também:  Judas Priest evoca som dos anos 80 no single “The Serpent and the King”

Apesar desse disco solo de Grian Chatten não compartilhar de uma sonoridade semelhante – o Marching Church era mais glam e melodramático –, ainda assim apareceu esse paralelo porque ambos os projetos apresentam uma avenida por onde os frontmen são capazes de explorar interesses próprios e expandir como o público os vê.

Ao final de “Chaos for the Fly”, fica ao ouvinte tanto a vontade de escutar mais material solo do vocalista, além de ver como essa experiência influenciará trabalhos subsequentes do Fontaines.

Ouça a seguir, via Spotify.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioLançamentosGrian Chatten (Fontaines D.C.) abraça romantismo em estreia solo “Chaos for the...
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda
Pedro Hollanda é jornalista formado pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso e cursou Direção Cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Apaixonado por música, já editou blogs de resenhas musicais e contribuiu para sites como Rock'n'Beats e Scream & Yell.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades