Os guitarristas mais subestimados da história do hair metal segundo a VH1

Site do canal musical americano elaborou a lista em 2015, citando nomes altamente gabaritados das seis cordas

O hard rock oitentista – também conhecido popularmente como glam metal ou hair metal, além da denominação brazuca rock farofa – sempre foi visto com certo desdém pelos assim chamados “roqueiros sérios”. O visual era o principal obstáculo, mesmo que esse componente tenha sido fator importante em qualquer subgênero desde que a música é música.

Porém, uma coisa não dá para negar: nenhuma geração teve tantos guitar heroes. Não que eles fossem melhores ou piores, mas sabiam vender sua imagem enquanto empunhavam o instrumento como ninguém antes ou depois. Em 2015 a VH1, tradicional canal musical, elaborou uma lista com os 10 nomes mais subestimados do período na arte dos riffs e solos.

- Advertisement -

As escolhas e descrições podem ser vistas abaixo, transcritas de um texto no site da emissora. Reparem que os textos focam no período a que o ranking se propõe, o que explica a ausência de citações a projetos posteriores em alguns casos.

Os guitarristas mais subestimados do hair metal para a VH1

Akira Takasaki (Loudness): “Enquanto a Nova Onda do Heavy Metal Britânico surgia na Europa e o hard rock americano mudava para o glam por meio da Sunset Strip de Los Angeles, o Loudness explodiu em Osaka, Japão em 1981, liderado pelo fundador Akira Takasaki.

Pelo restante dos anos 1980, o Loudness governou como a principal besta do mainstream do metal no Oriente; com Takasaki liderando o ataque com trabalho de trastes na velocidade da luz e riffs estrondosos.

Confira o maior sucesso mundial do Loudness, ‘Crazy Nights’, de 1985. É um hino clássico do metal na veia de tantas outras canções de sua época, mas aquele lead, aqueles licks e o tsunami absoluto de um solo só poderiam ser obra de Akira Takasaki.”

Jake E. Lee (Ozzy Osbourne): “Jake E. Lee é um dos melhores e mais admiráveis guitarristas dos anais do heavy metal. Infelizmente, seu auge veio entre os esforços de gigantes. Sim, Jake E. Lee é o cara que tocou guitarra para Ozzy Osbourne entre os mandatos de Randy Rhoads e Zakk Wylde.

O fato de o nome de Jake muitas vezes cair no esquecimento é uma farsa, especialmente considerando que ele, mais do que qualquer outro músico, construiu e intensificou a importância de Ozzy nos anos seguintes à terrível queda do avião de Randy Rhoads em 1982.

Apoiado por um ás menor na guitarra, Ozzy poderia muito bem ter sucumbido a demônios pessoais e material inferior durante os dias loucos da decadência do hair metal dos anos 80. Jake E. Lee, em vez disso, desempenhou um papel fundamental nos clássicos LPs ‘Bark at the Moon’ (1983) e ‘The Ultimate Sin’ (1986). Até escreveu a música para a faixa-título de ‘Bark’, que continua sendo o segundo hino solo de Ozzy, perdendo apenas para ‘Crazy Train’.”

Reb Beach (Winger): “Liderada por cabelos longos, macios e traços cinzelados de Kip Winger, a banda de Nova York que compartilhou o sobrenome do frontman marcou um punhado saudável de sucessos de rádio e MTV (‘Seventeen’, ‘Headed for a Heartbreak’), mas também foi muito atacada por se enquadrar no rótulo de ‘meninos bonitos’. Especialmente da parte de Beavis e Butt-head.

A vergonha de todo esse julgamento superficial é que o fantástico guitarrista do Winger, Reb Beach, acabou menosprezado. A música é pop metal, com certeza, e o lado metal vem predominantemente de Reb. Ele é um shredder genuíno com coração de aço.

No lado positivo, Beach ganhou algum mérito em sua época, tendo sido nomeado Melhor Novo Talento pela revista Guitar World e projetando uma linha signature para a Ibanez.

Depois que o Winger foi afundado em meados dos anos 1990, Reb seguiu em frente fazendo uma turnê com Alice Cooper e substituindo George Lynch no Dokken. Ele também se juntou permanentemente ao Whitesnake em 2002 e ainda toca com as lendas britânicas enquanto a banda lança novos materiais.”

Vito Bratta (White Lion): “Diga White Lion e a maioria das pessoas pensa em duas canções, a animada e pop ‘Wait’ ou a balada chorosa ‘When the Children Cry’. Elas também, muito provavelmente, imaginam automaticamente o vocalista Mike Tramp. Mas há mais na banda do que apenas isso. Há o maestro Vito Bratta, sinfonicamente arrebatador e com dedos voadores.

Assim, enquanto adolescentes se entusiasmavam com os singles nas paradas nos anos 1980, músicos sérios ouviam com respeito impressionante as estruturas intrincadas e inteligentes de Vito nessas canções, superadas apenas pela maravilha em cascata que emanava de seu instrumento assim que ele fazia um solo.

Zakk Wylde uma vez disse ao Guitar World: ‘Vito Bratta é o único guitarrista que já ouvi que soa legal fazendo tapping. O solo de Vito em ‘Wait’ é excelente!’.”

Tracii Guns (L.A. Guns): “O L.A. Guns explodiu na cena da Sunset Strip dos anos 80 com uma seriedade complexa e guiada por guitarras que se aprofundou mais no lado obscuro do que a maior parte de seus contemporâneos agitados. Conduzindo o grupo em seu maior período estava o guitarrista líder da força do furacão, Tracii Guns.

Leia também:  “Tokyo Tapes”, do Scorpions, é 100% ao vivo? Uli Jon Roth responde

Tracii criou o L.A. Guns durante um acúmulo de talentos em 1983 com a banda Hollywood Rose, que também gerou o Guns N ‘Roses. Por um breve período em 84, Tracii foi na verdade o guitarrista principal do GNR até que se separou para se concentrar na banda original (ele foi substituído por um cabeludo promissor chamado Saul Hudson, mas você pode conhecê-lo por um nome diferente).

Apesar de todo esse embaralhamento, o L.A. Guns não lançou oficialmente o vinil de estreia até 1988. Mas quando aconteceu, Tracii fez valer a pena. O melhor esforço da banda, ‘Cocked and Loaded’, veio um ano depois. É um ciclo de celebrações retorcidas e desagradáveis ​​de sleaze subindo em direção às estrelas das sarjetas do lado de fora do clube de rock Gazzarri e de vários empórios do condado de Los Angeles apenas para adultos. O lamento rico, evocativo, mas sempre sujo de Tracii, infunde a viagem assustadora e desagradável com poder, graça e beleza.

‘Hollywood Vampires’ em 1991 é a última explosão da formação clássica do L.A. Guns e, olhando para trás, pode ser a apresentação mais elegante tanto para a decadência quanto para o resto do momento glam metal dos anos 80.”

Warren DeMartini (Ratt): “O esforço árduo do nativo da área de Chicago, Warren DeMartini, diz muito sobre quem é o guitarrista que subiu ao topo das paradas com os deuses glam de Los Angeles, Ratt, durante a notável primeira década da banda.

Naturalmente imbuído de talento, Warren nunca parou de aumentar e expandir suas habilidades e expressividade. Até que finalmente encontrou uma abordagem enraizada na música clássica, combinada com os grooves e voos improvisados ​​do jazz pesado.

DeMartini achou a saída perfeita para o seu estilo em 1981, quando se juntou aos criadores de caos com apelidos de roedores, substituindo o extrovertido Jake E. Lee. Os riffs do Ratt que todos conhecem melhor – incluindo ‘Round and Round’ e ‘Lay It Down’ – surgiram da parceria criativamente explosiva com Robin Crosby, o outro guitarrista relativamente mais familiar do grupo.

Juntamente com o vocalista Stephen Pearcy, os terrores gêmeos de seis cordas formaram uma equipe de compositores praticamente inigualável no glamour dos anos 80.”

George Lynch (Dokken): “A divindade da guitarra nascida no noroeste do Pacífico definiu o rock dos anos 80 com o Dokken, começando com a estreia da banda em 1983, ‘Breaking the Chains’, passando pelos clássicos LPs ‘Tooth and Nail’ (1984), ‘Under Lock and Key’ (1985) e ‘Back for the Attack’ (1987).

Como acontece com tantas bandas desde tempos imemoriais, muitas das melhores músicas do Dokken resultaram de tensões criativas entre o intenso e introspectivo guitarrista e o exuberante vocalista do grupo, Don Dokken.

O álbum ao vivo de 1988, dominado por Lynch, ‘Beast from the East’, rendeu ao grupo uma indicação ao Grammy. Nesse mesmo ano, o Dokken tocou na versão americana do Monsters of Rock, saindo em turnê com Van Halen, Metallica e Scorpions.

Esses marcos, juntamente com,‘Dream Warriors’, da trilha de ‘A Hora do Pesadelo 3’, proporcionaram um momento triunfante para George Lynch e Don Dokken se separarem.

O próximo projeto de George, o Lynch Mob, saiu balançando, entregando bastante através dos LPs ‘Wicked Sensation’ (1990) e ‘Lynch Mob’ (1992). Cada um é uma vitrine brilhante para a grandeza da guitarra solo de Lynch, funcionando como uma ponte única entre o hair metal do Dokken e o caminho mais introspectivo que o rock tomaria à medida que os anos 90 avançavam.

Reverenciado entre seus pares, a Guitar World incluiu George Lynch em 47º lugar na sua lista dos 100 Maiores Guitarristas de Todos os Tempos, enquanto o site de guitarra Gibson o coloca em sua lista dos 10 Melhores Guitarristas de Metal de Todos os Tempos.”

Carlos Cavazo (Quiet Riot): “Quando Carlos Cavazo se juntou ao Quiet Riot em 1982, ele tinha alguns trastes enormes para preencher, já que o guitarrista original da banda partiu para apoiar um vocalista dos anos 70 que recentemente havia decidido seguir carreira solo. Para ser específico: Randy Rhoads saiu do Quiet Riot para liderar os dois primeiros álbuns de Ozzy Osbourne.

Para seu crédito notável, Carlos não teve que lidar com a longa sombra de Randy tão severamente quanto Jake E. Lee faria com Ozzy nos anos posteriores, mas a presença do guru da guitarra que se foi se impôs.

Carlos, ainda mais para seu crédito, disparou com um estilo próprio, catapultando o Quiet Riot para um sucesso comercial e cultural sem precedentes.

O LP de referência do grupo de 1983, ‘Metal Health’, foi o primeiro álbum de heavy metal a atingir o primeiro lugar nas paradas pop. Assim, por um feitiço alto, rápido e vertiginoso, eles se tornaram a maior banda de hard rock do planeta.

Esse momento, é claro, provou ser muito temporário. Pessoas de fora podem citar o Quiet Riot como um fogo de palha, mas o fato é que os riffs de Carlos Cavazo explodiram as paredes que separavam o heavy metal do público mainstream. Em grande parte foi seu som, reforçado pelo restante dos notáveis artistas do grupo, que tornou possível a revolução do hair metal.

Leia também:  Gene Simmons revela elogio de Jimmy Page a seu talento no baixo

Além do status de pioneiro, a musicalidade requintada e inovadora de Carlos permanece subestimada. Se você agora revisitar ‘Metal Health’, junto com os dois sucessores imediatos ‘Condition Critical’ (1984) e ‘QRIII’ (1986), ouvirá um trabalho de guitarra mais rico, profundo, substancial e ainda mais louco do que a maioria dos fãs casuais se lembra.”

Vinnie Vincent (Kiss, Vinnie Vincent Invasion): “Vinnie Vincent salvou o Kiss. Não há duas maneiras a se pensar sobre isso. Com as vendas de discos e shows diminuindo no início dos anos 80, John Cusano começou como músico de estúdio no álbum ‘Creatures of the Night’ de 1982, antes de calçar as botas de plataforma necessárias e pintar o rosto para se tornar o ‘Guerreiro Ankh’ como substituição oficial do senhor da guitarra Ace Frehley.

No ano seguinte a banda abandonou a maquiagem, encorajado não apenas pela ousada guitarra de Vinnie, mas também por suas habilidades absolutamente de primeira linha como compositor. Assim como o Kiss se adaptou à disco music do final dos anos 70 com “I Was Made for Loving You”, os múltiplos talentos de Vinnie Vincent lançariam a banda com mega sucesso no hair metal dos anos 80.

Vinnie coescreveu oito das dez canções do sucesso de transição ‘Lick It Up’, de 1983, incluindo a clássica faixa-título instantânea, que continua sendo um dos verdadeiros hinos característicos do Kiss, e a poderosa ‘All Hell’s Breakin’ Loose’.

Infelizmente, o mandato de Vinnie no Kiss durou pouco. As tensões nos negócios e algumas travessuras no palco, como um solo de guitarra inesperado e excêntrico em um show em Quebec em março de 1984, no final da turnê Lick It Up, levaram o Kiss a demiti-lo sumariamente. Ele formou o Vinnie Vincent Invasion, que lançou dois álbuns que se tornaram favoritos dos fãs: uma estreia autointitulada em 1986, e ‘All Systems Go’, dois anos depois.

Nos anos seguintes, Vinnie Vincent se tornou uma figura misteriosa e até mesmo objeto de devoção de culto. A Rolling Stone até publicou um artigo de 2014 intitulado ‘The Long Kiss Goodbye: The Search for Vinnie Vincent’. Ele certamente conquistou toda essa admiração e fascínio.”

C.C. DeVille (Poison): “Embora argumentos possam ser feitos a favor de outros candidatos à coroa (os mais altos provavelmente sendo para o Mötley Crüe), não é irracional proclamar que a melhor banda de hair metal dos anos 1980 é o singular Poison.

As estripulias do Poison eram as mais altas, sua mentalidade festeira era a mais insana, e seus riffs gigantescos e divertidos saíam da Sunset Strip para virar o planeta inteiro com a massividade de um filme de monstro japonês, acima e além do que qualquer outra pessoa provou ser capaz na época. Além disso, o Poison definitivamente usava a maquiagem mais bonita.

As virtudes musicais únicas do grupo irromperam do braço da guitarra e do trabalho de dedos brilhantemente inventivo de C.C. DeVille, um guitarrista de talento virtuoso com a personalidade irresistível de uma comédia de vaudeville vintage e o talento incandescente de um lutador profissional misturado com uma rainha da beleza dos anos 1950.

O próprio afirmou que a introdução para o hit ‘Talk Dirty to Me’, é o maior riff de punk rock já escrito. É difícil argumentar contra essa postura. Ele remete aos blocos de construção elementares da melodia chiclete dos Ramones e os amplifica em um ataque sônico que desaba como um Sex Pistols na proporção de King-Kong (Steve Jones perde apenas para Eddie Van Halen como o guitarrista dos anos 70 mais frequentemente copiado por músicos de hair metal).

O que é notável é que com “Talk Dirty to Me”, C.C. DeVille estava apenas começando. E ainda nem abordamos suas habilidades rítmicas e solos escaldantes. Os três primeiros álbuns – ‘Look What the Cat Dragged In’ (1986), ‘Open Up and Say … Ahh!’ (1988) e ‘Flesh & Blood’ (1990) – mantêm sua capacidade de inflamar a folia selvagem no minuto em que são tocadas em qualquer lugar.

Ouça mais de perto, porém, e o que você ouvirá é uma reinvenção e redefinição engenhosa e inspirada da história do rock após a outra por meio de C.C. A guitarra de DeVille – riffs, licks, solos, estruturas e momentos orgulhosos de exibição que remontam a Chuck Berry e Les Paul e depois avançam em direção ao speed metal, thrash, grunge e além. Ainda por cima, ele fazia tudo isso sem nunca estragar a maquiagem.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesOs guitarristas mais subestimados da história do hair metal segundo a VH1
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

2 COMENTÁRIOS

  1. Concordo com a maioria que foram escolhidos, ainda acrescentaria à lista:
    Brad Gillis (Night Ranger)
    Mathias Jabs (Scorpions)
    Dave Meniketti (Y&T)
    Adrian Vandenberg (Vandenberg)
    John Sykes (ex-Tygers of Pan Tang, Thin Lizzy, whitesnake e etc…)
    Eddie Ojeda (Twisted Sister)
    Chris Holmes (WASP)

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades