Por que o metal deve ser underground, segundo Michael Amott

Guitarrista e líder do Arch Enemy defende que o gênero deve ser uma alternativa ao mainstream

O guitarrista sueco Michael Amott é um dos maiores entusiastas do cenário metálico em sua geração. Desde os anos 1980 na ativa, transitando entre vários subgêneros, o músico sempre se dedicou de corpo e alma, sem dar importância à busca por um estrelato que o tornasse um rockstar.

Tanto que, quando perguntado pela Silver Tiger Media (com transcrição do Blabbermouth) sobre o que o estilo poderia fazer para ser mais inserido na cultura popular, o líder e principal compositor do Arch Enemy simplesmente desdenhou da possibilidade.

“Eu não passo nenhum tempo pensando nesse tipo de coisa. Para mim, é tudo sobre o metal, a comunidade e a música. A gravação, a produção e os shows. Eu realmente não penso no aspecto de marketing.”

- Advertisement -

A seguir, ressalta de forma enfática:

“Eu acho que o metal deve ser sempre underground. Temos que servir como uma alternativa ao mainstream, com sua abordagem cínica e muito premeditada da música. Quero dizer, o que fazemos é algo que vem do coração e da alma. Deve permanecer assim.”

Leia também:  Atração do Rock in Rio, Christone “Kingfish” Ingram anuncia show em SP

Sobre Michael Amott

Michael Amott surgiu na cena com o Carnage, banda que formou em parceria com o vocalista Johan Liiva. Após duas demos de grande repercussão no underground, o grupo lançou seu único disco, “Dark Recollections”.

A seguir, foi recrutado pelo Carcass, com quem lançou dois discos: “Necroticism – Descanting The Insalubrious” (1991) e “Heartwork” (1993), maior sucesso comercial do grupo.

Após sair do grupo britânico, fundou o Spiritual Beggars, com sonoridade voltada ao hard/classic Rock. Até o momento, a banda lançou nove álbuns de estúdio.

Seu maior sucesso foi criado logo a seguir: o Arch Enemy, onde reencontrou Johan Liiva e recrutou seu irmão mais novo, Christopher Amott. A banda segue até hoje com outros músicos, enquanto os três originais integram o Black Earth, que toca sons do início da carreira.

Em 1998 ainda gravou o álbum “Dactylis Glomerata”, do Candlemass, como músico convidado.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesPor que o metal deve ser underground, segundo Michael Amott
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades