Como foi compilada a lendária trilha sonora do filme Pulp Fiction

Da surf music ao soul, passando pelos clássicos de Ennio Morricone, tudo é rock and roll para o diretor Quentin Tarantino

O trabalho de Quentin Tarantino no cinema é muito marcado pelas trilhas sonoras escolhidas para seus filmes. Um ótimo exemplo disso é “Pulp Fiction”, clássico longa de 1994.

A identidade do filme, aliás, parece girar em torno da trilha, que aposta alto em clássicos retrô e especialmente na surf music, gênero que teve um revival após o sucesso do longa.

Nenhuma trilha inédita foi composta especialmente para “Pulp Fiction”. Em sua tarefa como diretor, Quentin Tarantino apenas realizou uma seleção de músicas já criadas para o filme. Para essa tarefa, ele contou com a ajuda de Chuck Kelley e Laura Lovelace, creditados como consultores musicais.

Embora o foco seja na surf music – especialmente com a famosa “Misirlou”, de Dick Dale –, o longa traz ainda hits do pop, da soul music e de diferentes gêneros do rock.

Para o próprio Tarantino, segundo entrevista concedida em 1995, tudo se resumia a rock and roll, de certa maneira.

“Para mim, tudo apenas soa como rock and roll, até a música de (Ennio) Morricone. Soa como rock and roll de faroeste.”

Todas as músicas tocadas em Pulp Fiction

De acordo com o site WhatSong, a lista completa de músicas tocadas em “Pulp Fiction” é:

  • “It’s Country” • Henrik Nielsen
  • “Misirlou” • Dick Dale & His Del-Tone
  • “Jungle Boogie” • Kool & The Gang
  • “Strawberry Letter #23” • Brothers Johnson
  • “Let’s Stay Together” • Al Green
  • “Bustin’ Surfboards” • The Tornadoes
  • “Son of a Preacher Man” • Dusty Springfield
  • “Bullwinkle, Pt. II” • The Centurians
  • “Waitin’ In School” • Gary Shorelle
  • “Lonesome Town” • Ricky Nelson
  • “Ace of Spades” • Link Wray
  • “Rumble” • Link Wray
  • “Since I First Met You” • The Robins
  • “Teenagers In Love” • Woody Thorne
  • “You Can Never Tell” • Chuck Berry
  • “Girl, You’ll Be A Woman Soon” • Urge Overkill
  • “Flowers On The Wall” • The Statler Brothers
  • “If Love Is a Red Dress (Hang Me In Rags)” • Maria McKee
  • “Comanche” • The Revels
  • “Out of Limits” • The Marketts
  • “Surf Rider” • The Lively Ones

O álbum com a trilha

Praticamente ao mesmo tempo em que “Pulp Fiction” foi lançado, saiu também um álbum com a trilha sonora, com Tarantino assinando como produtor executivo. A lista de faixas foi organizada para que a sequência das músicas fosse a mesma na qual elas aparecem no filme, algo que ajudou a identificar certos momentos do longa com canções específicas.

O principal exemplo é a já citada “Misirlou”, maior sucesso da carreira do guitarrista Dick Dale, gravada em 1962. Trata-se de uma versão de um clássico da música mediterrânea que ganhou os toques de Dale na guitarra, transformando-se em um dos maiores clássicos da surf music. A faixa toca ainda nos créditos de abertura, dando início ao filme de forma épica.

Além desse, outros sucessos presentes no filme e no álbum são “Jungle Boogie”, do Kool & The Gang; “Let’s Stay Together”, de Al Green; “Lonesome Town” de Rick Nelson; “Son of a Preacher Man”, de Dusty Springfield; e “Girl, You’ll Be a Woman Soon”, de Neil Diamond, em versão do Urge Overkill.

O álbum da trilha sonora foi um sucesso de vendas: mais de 3,5 milhões de cópias foram comercializadas só nos Estados Unidos, rendendo um disco de platina tripla.

O revival da surf music

O sucesso do filme e das músicas acabou servindo como alavanca para um revival do estilo que dá o tom da trilha sonora de “Pulp Fiction”: a surf music.

A trilha do longa ressuscitou o gênero de forma intensa na década de 1990. “Misirlou” foi só o começo: dois artistas que fizeram parte do projeto (The Centurions e The Lively Ones) eram da modesta Del-Fi Records, que aproveitou o sucesso e passou a lançar coletâneas desses e de outros artistas do estilo – incluindo “Pump Surfin’” (1995), inspirada no longa.

De repente, clássicos da surf music passaram a figurar em outros filmes séries e até comerciais, no que se tornou uma espécie de moda do final dos anos 90.

“Pulp Fiction”, dessa forma, acabou fazendo história não só no cinema, mas influenciando a cultura pop de toda uma época.

* Texto desenvolvido em parceria por André Luiz Fernandes e Igor Miranda. Pauta e edição geral por Igor Miranda; redação e apuração adicional por André Luiz Fernandes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados
Total
47
Share