Curiosidades

Como ‘Sgt. Pepper’s’, dos Beatles, mudou o rumo do Pink Floyd



Oitavo álbum de estúdio dos Beatles, ‘Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band’ provocou uma relevante mudança na indústria fonográfica e musical como um todo. O disco, de 1967, foi responsável por alterar os rumos até mesmo de outra banda gigante que nasceria logo após: o Pink Floyd.

O trabalho de estreia do Pink Floyd, à época ainda com Syd Barrett em sua liderança, foi gravado e lançado também no ano de 1967. Trata-se de ‘The Piper at the Gates of Dawn’, que soa diferente dos álbuns mais vendidos da banda, mas já indicava a proposta que seria melhor desenvolvida no futuro.

Em entrevista a uma rádio, transcrita pelo Ultimate Guitar, o baterista Nick Mason se recordou da importância de ‘Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band’ até mesmo para validar o que fazia o Pink Floyd naquela época. O álbum dos Beatles foi importante para dar atenção aos discos – antes de 1967, o mercado fonográfico era bem centrado nos singles.

– Leia também: As inovações sonoras de ‘Sgt. Pepper’s’, o grande trabalho dos Beatles

Por isso, para Mason, o Pink Floyd não poderia trabalhar da forma que atuou no futuro sem que sem ‘Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band’ abrisse portas e rompesse barreiras.

“Gravamos nosso primeiro álbum no Abbey Road Studios e, no final do corredor, os Beatles faziam ‘Sgt. Pepper’s’. Fomos convidados para visitar os ‘deuses’ e eles estavam gravando a música ‘Lovely Rita’. Foi um momento crucial, porque, sem os Beatles, nós talvez não existiríamos”, afirmou o baterista.

Além disso, os álbuns anteriores dos Beatles inspiraram a própria criação do Pink Floyd. O Fab Four era a maior influência daquela banda que, até então, era novata.

“‘Sgt. Pepper’s’ foi o álbum que mudou a cara da indústria fonográfica. Até então, o foco era nos singles. Esse foi o primeiro álbum que vendeu mais que singles e permitiu que bandas como nós tivessem mais tempo e liberdade em estúdio, para fazer o que queríamos”, comentou Nick Mason.

O baterista também refletiu sobre a magia de coexistir ao lado dos Beatles naquele momento. “‘Sgt. Pepper’s’ era extraordinário e havia a importância de se ter um álbum dos Beatles. Não se tem algo assim atualmente. A música era importante, pois havia menos competição naquela época. Não existiam videogames e só tinham alguns filmes e programas de TV. A música era importante, era notícia de primeira página”, afirmou.

Pink Floyd, The Who e… Toto!

Outra grande influência para o Pink Floyd foi o The Who, que “explodiu” naquela época com ‘My Generation’. “Essa música nos inspirou muito, especialmente a mim. Você muda depois de conhecer Keith Moon (baterista do The Who). Não o conhecia tão bem, mas passamos algum tempo juntos, fizemos alguns shows abrindo para o The Who e alguns programas de rádio juntos. Era um evento extraordinário ter Keith conosco. Era como ter o circo em um homem só”, disse.

– Leia também: The Who inventou o heavy metal e Led Zeppelin copiou, diz Pete Townshend

Por fim, Nick Mason fez elogios a outra banda bem inusitada, que surgiu após o Pink Floyd: o Toto. “Sempre gostei do Toto, das músicas deles, o que faziam. Jeff Porcaro era um grande baterista. Percebi isso quando meu neto me contou o que estava aprendendo em uma aula de bateria: uma música do Toto, ‘Rosanna’. Então, são três gerações de fãs por aqui”, afirmou.

– Leia também: Como vários músicos do Toto foram parar em Thriller, de Michael Jackson

Embora tenha uma sonoridade mais pop, o Toto era notável por trazer integrantes muito habilidosos. A maior parte dos membros trabalhou, por muito tempo, como músicos de estúdio para diversos artistas famosos, como Michael Jackson, Bee Gees, Ringo Starr e mais. O próprio Pink Floyd contou com o baterista Jeff Porcaro na música ‘Mother’, do álbum ‘The Wall’ (1979).


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *