Por que Geezer Butler saiu do Black Sabbath logo após entrada de Dio

Baixista chegou a se retirar antes das gravações de “Heaven and Hell”, retornando a tempo de participar

Muitos fãs não sabem, mas a saída de Ozzy Osbourne não foi a única que o Black Sabbath precisou encarar na virada para os anos 1980. Após o vocalista, o baixista Geezer Butler também chegou a se retirar temporariamente. No período, já com Ronnie James Dio, o grupo chamou outro ex-Elf, Craig Gruber, para assumir a função.

Ele colaborou diretamente com a criação da música “Heaven and Hell” – e alegou ter tocado no disco. Porém, pouco tempo depois, o titular do posto reassumiu seu lugar e as coisas andaram até que o baterista Bill Ward pediu as contas em meio à turnê.

- Advertisement -

Em entrevista ao The Eddie Trunk Podcast em 2021, Geezer relembrou o conturbado período. Disse o músico, conforme transcrição do Ultimate Guitar:

“Após Ozzy sair, Tony Iommi conheceu Ronnie e o convidamos para se juntar a nós em Los Angeles, inicialmente só para ver se saía algo. Ele chegou e cantou em ideias que acabaram sendo ‘Children of the Sea’ e, se não me engano, ‘Walk Away’. Mas eu tive que sair por uns tempos. Estava me divorciando e passei por problemas na Inglaterra.”

Foi justamente nesse intervalo que a canção que viria a ser a faixa-título do disco seguinte teve origem – assim como outra que também se tornaria um clássico.

“Enquanto estive fora, eles escreveram as músicas ‘Heaven and Hell’ e ‘Die Young’. Voltei, ouvi ambas pela primeira vez, como um fã ouviria, e fiquei absolutamente impressionado. O resto é história.”

Geezer Butler deixa o Black Sabbath

A seguir, o apresentador Eddie Trunk questionou se Butler saiu com a intenção de voltar ou havia a possibilidade de a retirada ser em definitivo. Ele respondeu:

“Havia um ponto de interrogação. Eu estava tão mal na época, passando por um divórcio – estava com minha esposa desde os tempos de escola. E Ozzy indo embora, depois a separação, isso estava me matando. Só precisava sair de lá e lidar com meus problemas, apenas limpar minha cabeça. E quando consegui, vi as coisas sob uma luz totalmente diferente.

Mas segui em contato com Tony e Bill o tempo todo, todos os dias desde que eu tinha ido embora, porque eu queria saber como eles estavam. E eles também estavam preocupados comigo, com o divórcio. Eventualmente, me senti ótimo quando tirei tudo do caminho. Então Tony disse ‘Nós queremos que você volte, se estiver a fim.’ E eu voltei, e foi ótimo.”

Leia também:  Bruce Dickinson e Paul Di’Anno se encontram pela 1ª vez; veja foto e vídeo

Deste modo, foi necessário questionar se o disco havia sido gravado, na íntegra ou em partes, com outro baixista.

“Tudo estava gravado, exceto ‘Neon Knights’, que ainda não tinha sido escrita. Voltei e já conhecia três das músicas de qualquer maneira, já que foram escritas antes de eu ter ido embora. Então, era só ‘Heaven and Hell’ e ‘Die Young’ que eu realmente não tinha participado, apenas as ouvi sem nenhum baixo e coloquei meu baixo em todas elas. Fomos escrever ‘Neon Knights’ em Paris.”

A resposta pareceu um tanto confusa, o que fez Trunk insistir em busca de uma explicação mais detalhada.

“Outra pessoa tinha registrado o baixo. Mas quando eu ouvi, as faixas do instrumento estavam desligadas. Então, você sabe, tudo que eu tocava era mais o que eu fazia, e foi daí. Martin Birch, o produtor, realmente ajudou muito também.”

A versão de Craig Gruber

Em 2009, Craig Gruber falou à Classic Rock sobre o assunto. Conforme resgate do Poeira Blog, ele argumentou:

“Eu toquei todas as linhas de baixo naquele disco, inclusive participei nas letras de algumas composições e trouxe ‘Die Young’. Eles me encaixaram quando o Geezer Butler saiu, e eu passei seis meses trabalhando com o grupo no álbum. Mas, quando Geezer ligou para a banda e disse que ele gostaria de retornar ao posto, eu o incentivei – eu senti que o Sabbath estaria melhor com os três membros originais juntos novamente.”

Porém, uma queixa foi feita: a consideração não foi recíproca, de acordo com as alegações.

“No entanto, fiquei muito decepcionado quando ‘Heaven & Hell’ saiu sem meu nome ter aparecido em nenhum lugar do disco, apesar de eles terem mantido todas as partes de baixo e canções nas quais estive envolvido. Mas chegamos a um acordo financeiro adequado, e ficamos numa boa desde então. Eles eram, e ainda são, grandes pessoas e grandes músicos.”

Além do ELF, Craig também fez parte da primeira formação do Rainbow. Faleceu em 2015 aos 63 anos, vitimado por um câncer de próstata.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesPor que Geezer Butler saiu do Black Sabbath logo após entrada de...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades