A valiosa lição que, sem querer, Layne Staley ensinou para Nuno Bettencourt

Guitarrista do Extreme ficou impressionado com a maneira com que o saudoso frontman do Alice in Chains lidava com as apresentações ao vivo

Enquanto o Extreme excursionava pelos Estados Unidos em 1990, o Alice in Chains ficou responsável pela abertura das apresentações. A turnê não foi necessariamente agradável para os artistas convidados, já que, de acordo com o guitarrista Jerry Cantrell, precisaram lidar com o ego da atração principal, além da imposição de inúmeras regras e plateias pequenas.

Fato é que, apesar da experiência negativa, ao menos Nuno Bettencourt levou uma importante lição do giro em divulgação ao álbum “Extreme II: Pornograffitti” (1990). O guitarrista do Extreme ficou impressionado com a maneira com que o vocalista Layne Staley lidava com as performances e, até hoje, lembra do que sentiu ao vê-lo ao vivo pela primeira vez.

- Advertisement -

O assunto surgiu durante recente participação no podcast The Jay Jay French Connection, transcrita pela Guitar World. Primeiramente, o músico português revelou que, logo de cara, teve uma boa impressão do grupo grunge, que ainda começava sua carreira.

Ele disse:

“Quando o Extreme começou a fazer turnês, o Alice in Chains abria para nós, tocando para quase ninguém na plateia. Lembro de, durante o soundcheck, ver o Alice in Chains ao vivo pela primeira vez. Quando Layne Staley subiu ao palco e eles começaram a tocar ‘Man in the Box’ pensei ‘uau, isso que é uma passagem de som, é uma banda muito interessante, legal, grandes caras’.”

À época, não demorou para que também percebesse a paixão de Layne pela música. Em suas palavras, o saudoso frontman não precisava de público para cantar de maneira genuína. Era algo intrínseco, que não dependia do ambiente exterior.

Constatar tal fato mudou a maneira com que Bettencourt passou a encarar os shows e a si próprio como performer.

“Vi o show deles e quando acabou, lá estava Layne de novo, parado, de olhos fechados, apenas cantando. Lembro que um fã depois do show apareceu e falou: ‘cara, eu não entendo, Layne Staley simplesmente está parado lá, como se estivesse com sapatos de concreto’. Eu não conseguia tirar os olhos dele. Não conseguia. Pensava: ‘por que estou admirado?’. Percebi naquele dia que você não se apresenta para as pessoas. Você não prova nada para o público que te assiste. Você o leva contigo. Você o leva contigo em sua jornada.”

Leia também:  Por que Lindsey Buckingham odeia a capa de “Rumours”, do Fleetwood Mac

Por fim, mencionou como as apresentações são capazes de gerar conexões com a plateia a partir da confiança dos músicos em cima do palco:

“Quando eu estava assistindo Layne, pensei: ‘meu Deus, todo mundo acha que tocar é como estar competindo, como uma ginástica em você precisa medir seu desempenho’. Mas não é assim. É por isso que você volta para casa tendo vivido uma experiência. Como fã, você pensa ‘fod#-se, cara, eu estava lá naquele show’. Isso é o que músicos, guitarristas, qualquer um, precisa saber, só existe uma única versão de você. Ninguém mais pode fazer o que você faz.”

Layne Staley e Alice in Chains

Layne Staley morreu com apenas 34 anos de idade, em 5 de abril de 2002, devido a uma overdose de heroína com cocaína. O cantor sofreu com o vício e a depressão por anos até perder a própria vida.

À época, o Alice in Chains, que estava em hiato, encerrou atividades de imediato. Porém, os integrantes remanescentes resolveram retomar os trabalhos em 2005, anunciando William DuVall para a vaga no ano seguinte.

Lançado em 24 de agosto de 2018, “Rainier Fog” é o sexto e mais recente disco de inéditas do Alice in Chains. Chegou ao 12º lugar na Billboard 200, além de ter entrado no Top 10 de seis paradas europeias. O título é uma homenagem ao Monte Rainier, estratovulcão que pode ser visto de qualquer parte da área metropolitana de Seattle.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA valiosa lição que, sem querer, Layne Staley ensinou para Nuno Bettencourt
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades