Aquiles Priester conta como o Dream Theater chegou a seu nome para audição

Baterista brasileiro foi um dos participantes da audição pública que resultou na contratação de Mike Mangini

Em 2011, o Dream Theater selecionou sete bateristas para testes em busca de um substituto para Mike Portnoy. O processo foi documentado em vídeo e divulgado posteriormente, em uma espécie de reality show, no canal oficial da banda no YouTube – algo ainda inovador para o período. Entre eles, estava o brasileiro Aquiles Priester, à época já conhecido internacionalmente pelo trabalho com o Angra.

Os outros concorrentes foram Mike Mangini, Marco Minnemann, Peter Wildoer, Thomas Lang, Virgil Donati e Derek Roddy. O primeiro citado acabou sendo escolhido.

- Advertisement -

Durante recente entrevista ao podcast BlahTera, o músico lembrou como a banda entrou em contato visando a participação no processo. Conforme transcrição do site (com adaptações para facilitar a compreensão sem caracterizar o conteúdo), ele contou:

“Quando cheguei, perguntei ao (guitarrista John) Petrucci como tinham chegado até mim, por eu ser um baterista de power metal. Ele disse que há anos não via o Portnoy prestando atenção em um músico de atração de abertura como quando o Angra abriu quatro vezes para o Dream Theater na Itália.”

Priester teve a chance de contar o ocorrido a Mike posteriormente.

“Em janeiro de 2020 eu tive a chance de contar isso ao Portnoy, quando estava excursionando com o Tony MacAlpine e abrimos para ele. O próprio admitiu que curtiu o jeito como eu tocava, uma explosão de energia e técnica com a musicalidade que só o brasileiro tem.”

Aquiles Priester e o efeito da audição no Dream Theater

A seguir, Aquiles admitiu que, embora não tenha sido o escolhido pelo Dream Theater, a audição lhe abriu muitas portas. Incluindo a colaboração com o já citado Tony MacAlpine.

“Em termos de realização musical, apenas tocar com o Iron Maiden seria maior do que com o Tony. Ele foi o cara que me moldou e o Iron Maiden foi a banda que me fez tocar metal. Ele e o empresário botaram pilha para eu me mudar pros Estados Unidos, porque eu era de nível internacional e facilitaria para bandas entrarem em contato.”

Concluindo, o instrumentista falou sobre o principal aspecto mercadológico que foi valorizado durante o período.

“O que me trouxe de melhor foi a visibilidade mundial como baterista que era mais regional no Brasil. Hoje em dia, olhando para trás, reflete muito no meu território geográfico. O Brasil continua sendo meu mercado número 1, mas os Estados Unidos já são o segundo.”

Leia também:  Como Gilby Clarke acabou parando em clipe de Michael Jackson

Atualmente, o baterista toca com o W.A.S.P., além de integrar a banda solo de Edu Falaschi, seu ex-colega de Angra.

Foto: Jeff Marques @jeffmaarques_

O desempenho no projeto

A participação de Priester no projeto gerou controvérsia na internet à época por conta de ele errou a execução da complexa instrumental “The Dance of Eternity”. Em entrevista de 2021 ao Heavy Talk, ele destacou que o processo de preparação para o teste foi um tanto tumultuado, com problemas para obter a liberação do visto, viajar e participar da audição.

“Nem que eu tentasse errar, eu não iria conseguir. […] O tempo todo, eles falaram: o Aquiles teve problemas com visto para chegar até aqui. No tempo que eu tive para praticar, ao mesmo tempo eu estava preocupando se conseguiria ir. Eu estava praticando em Tatuí, em um sítio isolado, e tinha de vir para São Paulo fazer entrevista que não dava certo. Tive que ir até Recife para fazer o visto lá. Perdi quatro ou cinco dias.”

O músico lembrou que seu teste não foi composto apenas de erros. O equívoco na performance de “The Dance of Eternity” foi, segundo ele, o único problema de seu teste – e justamente esse trecho foi incluído no vídeo.

“Nenhum baterista tocou as músicas inteiras bem. Eles me falaram isso. […] O erro no final daquela música, uma das ‘piores’ do metal progressivo de todos os tempos… eu errei no último compasso. Aquilo seria a cerejinha que faltava para minha audição ser perfeita até então. As outras duas músicas eu toquei inteiras.”

A volta de Mike Portnoy ao Dream Theater

Ano passado, Mike Portnoy reassumiu as baquetas do Dream Theater. A banda já trabalha em seu próximo álbum de estúdio. Uma vinda ao Brasil acontece em dezembro. Eis as datas e locais:

  • 13/12/2024 – Rio de Janeiro – Vivo Rio
  • 15/12/2024 – São Paulo – Vibra São Paulo
  • 16/12/2024 – Curitiba – Live Curitiba

Detalhes completos sobre ingressos podem ser conferidos clicando aqui.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesAquiles Priester conta como o Dream Theater chegou a seu nome para...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades