“Só o Sepultura não pode trocar de membros”, diz Andreas Kisser

Músico acredita que mudanças de integrantes sejam "normais" e descreveu como injusta a reação de certa parcela do público à questão

Desde o seu surgimento na década de 1980, o Sepultura passou por algumas mudanças na formação. Para se ter ideia, o primeiro vocalista e guitarrista do grupo era Wagner “Antichrist” Lamounier, que sairia em 1985 e logo se juntaria ao Sarcófago.

­

- Advertisement -

Sem dúvida, a alteração mais expressiva aconteceu em 1996, quando o fundador, guitarrista e vocalista Max Cavalera deixou a banda por conflitos pessoais – sendo substituído por Derrick Green. Cerca de uma década depois, seu irmão e baterista Iggor Cavalera também saiu do grupo. 

Já mais recentemente, Eloy Casagrande, após quase treze anos, decidiu “se dedicar a outro projeto”. Greyson Nekrutman (Suicidal Tendencies) ficou com a função de empunhar as baquetas na turnê de despedida “Celebrating Life Through Death”, iniciada no último mês de março.

Para Andreas Kisser, a troca de integrantes é absolutamente normal dentro de uma banda, sobretudo no meio do metal, em que muitas alterações acabaram bem-sucedidas. Por isso, o guitarrista não entende a resistência de certa parcela do público quanto às mudanças no Sepultura.

Durante entrevista ao canal Rockast, transcrita pelo site, o músico refletiu a respeito da questão. Exemplificando, mencionou o Slipknot — curiosamente, grupo que seria especulado como o próximo trabalho de Casagrande. Ao seu ver, a banda mascarada continuou sua trajetória sem grandes críticas mesmo após inúmeras baixas na formação. 

Leia também:  Por que Peter Jackson aceitou fazer novos filmes de “O Senhor dos Anéis”

“Só a gente não pode trocar de membros. [Olha] a história do heavy metal. Slipknot acho que teve 18 membros e ninguém fala nada. O que é o Slipknot? O Número 1 [Joey Jordison] e o Número 2 [Paul Gray], que eram meus amigos, morreram. E tudo bem, ninguém fala nada [sobre mudanças de integrantes]. Muito injusto isso.”

Depois, citou outras bandas que mudaram de vocalista e que, ainda assim, permaneceram no auge. Aproveitou a oportunidade para destacar que quem “abandonou o barco” foram Max e Iggor e que coube aos membros remanescentes do Sepultura reerguer o que restou do grupo. 

Van Halen, AC/DC, Black Sabbath, olha o tanto de banda que continuou com trocas. Eu acho tão normal. Eu não sei porque a gente é acusado de continuar com o nome [indevidamente]. Primeiramente, eles [Max e Iggor] abandonaram o nome, as coisas boas e as coisas ruins, que a gente teve que consertar.”

Andreas Kisser e mudanças

Anteriormente, Andreas Kisser já havia manifestado o mesmo tipo de opinião. Ao Terra Entretê em 2011, declarou:

“Parece que somos a única banda que mudou de membro. A gente escuta muito: ‘Cavalera isso, Cavalera aquilo’, que não somos mais o Sepultura. Mas, cara, o Sepultura é o que é.”

Já no ano passado, em entrevista ao podcast “Prática na Prática”, apresentado pelo ex-integrante do Sepultura Jean Dolabella, o músico explicou que, em seu ponto de vista, ainda há um temor muito grande quanto a mudanças – não só na música, mas no geral. No entanto, em cutucada ao ex-colega Max, afirmou que as trocas fazem parte da vida e que é preciso aceitá-las.

Leia também:  A opinião que Raul Seixas tinha sobre os Paralamas do Sucesso

“Tem que ter o respeito ao presente. No caso do Sepultura, precisamos sempre dar chance para o crescimento e não ficar preso em uma época da sua vida e ficar lá para sempre. É um erro o que o Max faz até hoje de tentar buscar isso ainda, sabe? Ficar no ‘Roots’, falando a mesma coisa. Toda entrevista que ele dá, fala sobre o mesmo assunto. O cara tem tanta chance de fazer coisas diferentes com uma galera. É preciso aceitação e não ter medo da mudança. As pessoas têm pavor da mudança, mas como você chegou aqui? Com várias mudanças. Não existe isso. A mudança faz parte, tudo muda.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotícias“Só o Sepultura não pode trocar de membros”, diz Andreas Kisser
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades