O ingrediente que faz o AC/DC ser fenomenal, segundo Carlos Santana

Guitarrista exaltou a importância dos irmãos Angus e Malcolm Young para a fórmula sonora da banda

Você pode não estabelecer uma conexão direta entre os estilos do AC/DC e de Carlos Santana. Apesar disso, é possível encontrar uma homenagem do guitarrista mexicano aos australianos através de uma versão para “Back in Black”. O cover faz parte do álbum “Guitar Heaven: The Greatest Guitar Classics of All Time”, lançado em 2010 e conta com o rapper Nas, em um registro que vai assustar os mais radicais.

Ainda assim, o instrumentista nunca escondeu a admiração pelo grupo que tem o disco de rock mais vendido da história – justamente aquele cuja música mencionada empresta o título. Em entrevista ao Music Radar, ele fez questão de explicitar o respeito.

- Advertisement -

Conforme resgate do Far Out Magazine, Santana começa mencionando Angus Young.

“Eu sou um grande fã. Os grooves que eles colocam nas músicas são fenomenais. Você sabe, muito do que eles fazem vem de Chuck Berry. Angus dança quase como Chuck Berry!”

O saudoso irmão mais velho e ritmista também é mencionado com o mais alto dos louvores.

“Malcolm, o irmão de Angus, é o guitarrista base definitivo. Ele mantém tudo sob controle. Para mim, a guitarra rítmica é o verdadeiro músculo de qualquer banda. Para ser um guitarrista realmente bom, você precisa saber quando tocar o solo e quando manter o ritmo.”

Os guitarristas preferidos de Santana

Em artigo escrito para a Rolling Stone em 2010 – também resgatado pelo Far Out Magazine – Carlos mencionou alguns de seus guitarristas preferidos. O primeiro foi um colega de Woodstock: Jerry Garcia, do The Grateful Dead.

Leia também:  A curiosa razão que levou Jimi Hendrix a ser demitido da banda de Little Richard

“A maioria das pessoas que toca blues é muito conservadora. Jerry Garcia pintava fora do quadro. Misturava blues com bluegrass e Ravi Shankar. Ele tinha country e música espanhola. Havia muito de Chet Atkins nele – subindo e descendo os trastes. Mas você sempre pode ouvir um tema em sua execução. É como colocar contas em um cordão, em vez de jogá-las pela sala. Jerry tinha um tremendo senso de propósito. Quando fizer um solo, vá até onde for suficiente e passe a bola para o próximo cara. Foi assim que Jerry trabalhou. Ele era o sol do The Dead. Todos orbitavam ao seu redor.”

Em uma entrevista ao jornalista Steve Newton, resgatada pela mesma publicação, Carlos citou outros nomes.

Leia também:  O auge e o fim do Raimundos clássico em “Só no Forevis”

“Meu círculo inclui Wes Montgomery, Jimi Hendrix, B.B. King e Manitas de Plata – que é o meu favorito no flamenco, enquanto quase todo mundo cita Paco de Lucia. Também tenho que mencionar Otis Rush.”

Sobre Carlos Santana

Nascido em Autlán, México, Carlos Augusto Santana Alves aprendeu a tocar violino com 5 anos, passando para a guitarra aos 8. Foi influenciado e incentivado pelo pai, um músico mariachi. Destacou-se com a banda que leva seu primeiro sobrenome, sendo pioneiro na fusão do rock com a música latina.

Além da longa lista de convidados no Santana, também lançou discos em parceria com Buddy Miles, John McLaughlin, Alice Coltrane e seu irmão Jorge, entre outros. Ganhou 10 Grammy e 3 Grammy Latino até hoje. Foi induzido ao Rock and Roll Hall of Fame em 1998.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesO ingrediente que faz o AC/DC ser fenomenal, segundo Carlos Santana
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades