Quando Fê Lemos admitiu que Capital Inicial virou “produto do Dinho Ouro Preto”

Declaração do baterista da banda foi concedida em entrevista de 2018 ao canal “Minha Brasília”, no YouTube

No fim de janeiro, a conta do “Minha Brasília” no Instagram resgatou um corte de uma fala de Fê Lemos, concedida durante entrevista ao canal do projeto no YouTube em 2018. Nela, o baterista do Capital Inicial é questionado pelo apresentador Daniel Zukko sobre a falta da pegada do rock nacional atualmente.

O entrevistador enfatizou se referir não apenas à música, mas à filosofia e atitude. Ele estabelece um comparativo com os tempos atuais e as prioridades dos grupos hoje em dia, dizendo que os artistas de agora “estão pensando muito mais em lançar clipe no YouTube e em fazer um hit do que fazer música e ter uma banda”.

- Advertisement -

Lemos concordou e respondeu, conforme transcrição do site:

“No que eu posso dizer em relação à minha banda, ela não é mais como era. Quando a gente formou, nos anos 80 e os primeiros discos, a gente tava junto, criando uma sonoridade que era produto de todos. Hoje o Capital Inicial não tem mais nada a ver com isso.”

Para o baterista, o trabalho mais recente do grupo é focado na figura do seu frontman.

Leia também:  Pete Townshend recua e diz que The Who não fará turnê de despedida

“Hoje o Capital Inicial é o produto do que o Dinho (Ouro Preto) quer fazer. É uma pena, mas é o jeito em que as coisas se transformaram.”

Evitando brigas e criando projeto paralelo

Fê prosseguiu deixando claro que a opção de não discutir o assunto é consciente.

“Você pensa: ‘vou brigar e acabar com a banda ou vou encarar isso como um trabalho’. Eu optei pela segunda opção. Resolvi que preferia manter a banda junto e aceitar as canções que o Dinho ia trazer a partir para o confronto e falar: ‘se você não gravar a música de que eu também sou compositor, tô fora’.”

Para suprir essa necessidade, Lemos resolveu aderir a algo que não é muito incomum em grupos com lideranças destacadas: fazer um projeto paralelo.

“No meu caso, eu comecei um projeto paralelo chamado Hotel Básico e já lancei dois discos.”

Hotel Básico e Capital Inicial

Os dois álbuns do Hotel Básico são “Hotel Básico” (2005) e “Amor Vagabundo” (2015). Ainda saíram os singles “Substitutos” (2018), “Quanto Mais Eu Vejo” (2020) e “Tudo Anda Tão Complicado” (2021).

No mesmo ano da declaração, o Capital Inicial lançou “Sonora”, seu trabalho de inéditas mais recente. Em 2022 saiu o ao vivo “Capital Inicial 4.0”.

Além de Dinho e Fê, a formação atual conta com o baixista Flávio Lemos e o guitarrista Yves Passarell, ex-Viper. O tecladista Nei Medeiros e o guitarrista Fabiano Carelli completam o lineup de shows.

A primeira parte da entrevista pode ser conferida clicando aqui. Já a segunda, que conta com a fala repercutida, está aqui.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesQuando Fê Lemos admitiu que Capital Inicial virou “produto do Dinho Ouro...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades