A opinião de Nasi (Ira) sobre roqueiros de direita, como Lobão e Roger Moreira

Vocalista acredita que maior parte dos músicos de rock de sua geração “são caras de centro-esquerda, no mínimo, e de uma visão humanista”

Nasi, vocalista do Ira!, deixa clara sua opinião quanto ao conservadorismo. No single solo “Na América do Sul”, lançado em 2021, o cantor criticou esse tipo de posicionamento e a “guinada reacionária que vivemos dentro e fora do país”. Anteriormente, já havia dito que a extrema direita “não combina com a arte, com a música, com o rock”

­

- Advertisement -

Durante recente entrevista com o Estadão, o assunto surgiu novamente. O repórter Gabriel Zorzetto cita ter perguntado sobre os “colegas roqueiros, em especial Lobão e Roger Moreira, que se associaram a um posicionamento político que ele condena”. Em resposta, o artista de 62 anos declarou estar acostumado a falar sobre o tema e afirmou que músicos do tipo são a minoria, ainda mais diante de sua geração.

Ele declarou:

“Ouvi coisas abomináveis, mas cada um é dono da sua própria biografia. Eles são minoria. Os roqueiros da minha geração são caras de centro-esquerda, no mínimo, e de uma visão humanista.”

Em seguida, aproveitou para citar uma de suas maiores preocupações políticas atuais: Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos, que novamente pretende concorrer ao cargo máximo do Executivo americano pelo Partido Republicano.

“O fenômeno Trump me preocupa muito, porque este homem representa o que existe de pior na América misógina e racista.”

Nasi e o conservadorismo

Nasi já havia mostrado o mesmo ponto de vista no passado. Conversando com a Central Única dos Trabalhadores em agosto de 2023, ele descreveu o conservadorismo propagado por alguns roqueiros como decepcionante.

Leia também:  Ouça “Feel Like That”, primeira música do Sublime em 28 anos

“Vejo com muita tristeza, mas não fico julgando biografia alheia. A história já está contando a verdade sobre como foram esses anos terríveis e como estivemos próximos de um rompimento democrático, uma ditadura. Fardada, inclusive. Foi muito triste e espero que o Brasil caminhe na direção oposta, como já está fazendo. Foi por pouco, mas conseguimos realinhar o Brasil com a democracia e a justiça.”

Nasi, Lobão e Roger Moreira

Apesar das discordâncias, Nasi, Lobão e Roger Moreira concederam uma entrevista conjunta em 2018, como forma de divulgar um show no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Na ocasião, o vocalista do Ira! elogiou não só a obra dos outros dois colegas de profissão, como também suas personalidades.

“Com relação ao Roger, eu gosto muito da irreverência das letras do Ultraje a Rigor, principalmente nos dois primeiros álbuns. Apesar de isso ser uma coisa bem diferente do que eu fazia e faço com o Ira!, eu acompanhei toda a história da banda dele. A primeira demo do Ultraje a Rigor eu cantei uma versão dos Beatles com eles, o Edgard (Scandurra, guitarrista) deu o nome de Ultraje a Rigor. Faço uma música muito diferente da proposta deles, mas, ao mesmo tempo, gosto muito do som que eles fazem. Quanto ao Lobão, sou muito fã, o Ira! já gravou músicas do Lobão no álbum ‘Isso É Amor’, acho ele um roqueiro nato, no sentido de ser polêmico, contraditório, mudar a vida dele e as opiniões dele a todo instante.”

Nos últimos anos, Lobão rompeu com algumas ideias inclinadas à direita, especialmente o apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista de 2021 à BBC Brasil, ele disse que o agora inelegível político “não fez nada de bom desde que entrou”.

Leia também:  Klaus Meine faz 76 anos; veja outros fatos da música em 25 de maio

“O simples fato de esse cara andar na rua sem máscara, tirando máscara de criança, já é motivo (para impeachment). Ele é o presidente da República de um país com 500 mil mortos na pandemia, e ele dá esse exemplo todos os dias na televisão. Isso já é criminoso por si só, é genocida por si só.”

Ao ser relembrado de seu apoio a Bolsonaro, o músico relatou que “não havia alternativa” a não ser “retirar o PT da presidência”.

“O Brasil queria se ver livre do PT, não tinha mais alternância de poder. Ele se aliou com o que há de pior na política, inúmeros casos de corrupção. Ele foi corresponsável pelo chavismo na Venezuela, e iria dar um golpe. A gente sabia que o Bolsonaro era o que ele é. Mas achava que uma facção liberal e o Exército, que tinha um prestígio de 30 anos depois da ditadura e pessoas esclarecidas, poderiam segurar o cara. Mas não deu.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasA opinião de Nasi (Ira) sobre roqueiros de direita, como Lobão e...
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades