Os grandes diferenciais de Keith Richards como músico, segundo Jimmy Page

Guitarrista do Led Zeppelin afirma que habilidades do colega de profissão aparecem tanto nas gravações em estúdio, quanto na maneira de compor

Jimmy Page conheceu Keith Richards em 1962. Ao longo daquela década, o guitarrista do Led Zeppelin viu os Rolling Stones tocando em Londres, na Inglaterra, por diversas vezes e logo criou uma relação de respeito pelo músico da banda. 

Não demorou para que, inclusive, percebesse quais eram os grandes diferenciais do colega de profissão como instrumentista. Por isso, para a revista Uncut — que, em sua edição de janeiro de 2024, celebra os recém-completados 80 anos de Richards —, Page elencou cada uma das características mais marcantes. 

- Advertisement -

A primeira delas envolve o jeito que o membro dos Stones se comporta em estúdio. Quando o grupo em questão estava trabalhando na faixa “Yesterday’s Papers”, lançada em 1967, Jimmy teve a oportunidade de acompanhar as sessões, já que Chris Farlowe, responsável pela gravação, colaborava com ele ao mesmo tempo.

Durante a ocasião, ele ficou admirado pela maneira que Richards lidou com tudo, como contou: 

“Estávamos sentados um ao lado do outro e eu me dei muito bem com Keith porque havia um grande respeito mútuo. Você podia perceber que ele era realmente disciplinado no estúdio. Essas sessões costumavam durar três horas ou mais, para que conseguissem fazer o máximo possível. E ele seguiu sem pestanejar até o fim.”

Outros pontos de destaque, na opinião do eterno integrante do Led Zeppelin, englobam versatilidade, timing e criatividade do guitarrista. Sendo assim, afirma:

“A coisa sobre Keith é que seu timing é muito bom e ele tem imaginação para poder criar riffs maravilhosos, que são grande parte do motor por trás dos discos dos Stones. Não só isso, mas ele também consegue tocar um violão de 12 cordas, onde ele fez ‘Angie’ e outras coisas. Então ele é extremamente versátil. E super criativo. Se você tem alguém que pode continuar criando riffs realmente bons década após década, isso é muito sério. E deve ser respeitado.”

Jimmy Page e Rolling Stones

Jimmy Page já trabalhou com os Rolling Stones em algumas ocasiões no passado. Em uma delas, o guitarrista do Led Zeppelin apareceu na música “Scarlet”, produzida em 1974 e disponibilizada oficialmente em 2020, com o relançamento do disco “Goats Head Soup” (1973).

Leia também:  O lado do Led Zeppelin que Bruce Dickinson não gostava

Conversando com o jornal The Times (via Whiplash), o músico relembrou os detalhes da gravação. Tudo aconteceu na casa do guitarrista Ronnie Wood (que ainda não fazia parte da banda), em Richmond, nos Estados Unidos, como descreveu.

“Ele tinha um estúdio no porão e nos chamou para gravar. Keith estava lá e Ian Stewart [road manager da banda e tecladista em estúdio] também estaria. Então, eu pensei: ‘isso será ótimo, vamos em frente’. Ronnie, na verdade, não toca nela. Keith chegou com um riff que soava como um contrafluxo. Foi ótimo trabalhar com ele em um processo iniciado do zero.”

Antes disso, Page havia gravado guitarras para uma versão demo de “Heart of Stone”, em 1964. A faixa foi disponibilizada na coletânea “Metamorphosis”, de 1975. Já na década de 80, Jimmy registrou o solo de “One Hit (To the Body)”, canção presente no álbum “Dirty Work” (1986).

Leia também:  O Rage Against the Machine acabou? Tim Commerford responde

Sobre Keith Richards

Nascido em 18 de dezembro de 1943, em Dartford, Inglaterra, Keith Richards pode ser creditado como um dos grandes responsáveis pela existência e continuidade dos Rolling Stones.

Dividiu o comando da parte criativa da banda durante a maior parte de sua existência com Mick Jagger. Ao mesmo tempo, ambos travaram, ironicamente, uma das maiores rivalidades do rock – felizmente superada nos anos finais de carreira.

Antes de se juntar ao grupo, estudou arte e design em duas escolas. Foi expulso da primeira, mas se formou na segunda.

Além de se dedicar integralmente aos Stones, lançou álbuns solo, com mais liberdade para fazer o que bem entendesse. Sua banda de apoio recebeu o nome de The X-Pensive Winos e trouxe na bateria Steve Jordan, que substituiria Charlie Watts nos Stones após seu falecimento, em 2021.

A imagem de Keith Richards veio a se tornar um ícone da cultura pop e uma influência para muitos músicos e também outros artistas. Um bom exemplo disso está no ator Johnny Depp, que se inspirou no guitarrista ao criar o personagem Jack Sparrow, da série de filmes Piratas do Caribe – onde o próprio Keith aparece no papel do Capitão Teague, pai do protagonista.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesOs grandes diferenciais de Keith Richards como músico, segundo Jimmy Page
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades