Por que Kate Bush recusou abrir para o Fleetwood Mac em 1978

No auge da popularidade, banda queria cantora inglesa na última parte da turnê do megaplatinado “Rumours”

Apesar de todas as tensões internas – algumas delas públicas, inclusive –, o Fleetwood Mac estava no auge em 1978. Lançado no ano anterior, “Rumours” marcou a transição definitiva para a sonoridade pop/soft rock, após o início carregado no blues. Até hoje, mais de 45 milhões de cópias foram comercializadas, fazendo dele um dos discos mais bem-sucedidos da história da indústria fonográfica.

O quinteto já havia concluído as gravações de seu sucessor, “Tusk”. Porém, ainda tinha uma turnê norte-americana a cumprir até o lançamento.

- Advertisement -

Foi quando surgiu a ideia de convidar Kate Bush para ser a atração de abertura. A cantora britânica já experimentava o sucesso com o single “Wuthering Heights”, que impulsionaria seu disco de estreia, “The Kick Inside” (1978). Foi a primeira composição de uma artista feminina a alcançar o topo da parada do Reino Unido.

No período, conforme observado pelo site Far Out Magazine, Bush também planejava uma turnê própria: a “The Tour of Life” a levou pela Europa em 24 datas na primavera de 1979. A produção incluía dançarinos, mímica, mágica, projeções, troca de figurinos e leituras.

Leia também:  As músicas dos Beatles em “Sgt. Peppers” que John Lennon não gostava

Kate Bush recusa turnê

Por estar preocupada com o planejamento de turnê própria, Kate Bush não aceitou a oferta de dividir o palco com o Fleetwood Mac. As ambições eram bem maiores. O formato de atração de abertura limitaria seu espetáculo.

A aposta em uma excursão como headliner deu certo. A “The Tour of Life” esgotou ingressos para a maior parte de suas datas, adicionando outras devido à demanda.

Porém, também ficaria marcada como a única turnê de Bush. Entre os motivos especulados, estão uma suposta indisposição para viagens, priorização da família ou até mesmo a morte de seu diretor de iluminação, Bill Duffield, posteriormente homenageado na música “Blow Away”.

Leia também:  O melhor álbum para começar a ouvir Beatles, segundo Serj Tankian

Fleetwood Mac e “Tusk”

O Fleetwood Mac acabaria lançando “Tusk” também em 1979. O play trazia a banda em um momento mais experimental, flertando com sonoridades da new wave. A produção custou US$ 1 milhão à época, chegando a quase quatro na conversão de valores atual, tornando-o o disco de rock mais caro de todos os tempos.

O trabalho vendeu 4 milhões de cópias. Apesar do número representativo quando analisado individualmente, foi um retrocesso considerando que se tratava do sucessor de “Rumours”, um dos discos mais vendidos da história.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesPor que Kate Bush recusou abrir para o Fleetwood Mac em 1978
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades