Entrevista: Doro Pesch antecipa ano repleto de novidades e enaltece fãs brasileiros

Às vésperas de 5ª passagem pelo Brasil, para o Monsters of Rock, Rainha do Metal comenta também recém-lançado álbum ao vivo e histórias da “melhor época da vida”

“Faz um tempão, mas você não mudou nada”. Imagine como ficou este que vos fala ao ser reconhecido por Doro Pesch passados oito anos da primeira — e até recentemente única — vez em que a havia entrevistado.

Ao contrário de 2015, quando o bate-papo de 1h se deu presencialmente — no saguão do hotel onde ela estava hospedada, no dia seguinte à sua participação no show do Angra no Rock in Rio —, Doro e eu conversamos por 15 minutos via Zoom, mas foi como se dois velhos amigos estivessem sentados à mesa de um bar.

- Advertisement -

Uma entrevista com Doro Pesch

“Fazer o que estivesse ao alcance para não pirar”

A Rainha do Metal volta ao Brasil em breve, para única apresentação no festival Monsters of Rock, em São Paulo, no próximo dia 22 de abril. Kiss, Scorpions, Deep Purple, Helloween, Candlemass, Symphony X também estão no lineup.

Em sua quinta passagem por aqui, caberá a ela abrir os trabalhos no palco principal do evento, mas o horário que para muitos seria motivo de queixa ou desdém não parece abalá-la, pois:

“O Brasil é um dos países mais heavy metal de todo o mundo. Os brasileiros conhecem heavy metal, eles o têm correndo nas veias. Me fazem lembrar de quando comecei, nos anos 1980. Todos era tão heavy metal naquela época, sabe? Todos usavam coletes jeans com patches. Hoje, sobretudo nos Estados Unidos, isso é raro. Não se vê mais tantos headbangers vestindo o manto de batalha, se é que me entende. Então [apesar do horário vespertino], a minha expectativa é ver um montão de gente vestida a caráter. Mas olha, quem não quiser ou não puder ir a caráter, está tudo bem. Se o heavy metal mora no seu coração, não é preciso seguir um código de vestimenta.”

Será que tamanha empolgação se deve ao fato de ela, em razão da pandemia, ter tido shows cancelados por aqui? Doro confirma e aproveita para recordar o que provavelmente foram as apresentações mais singulares de sua carreira:

“Fizemos alguns shows únicos, em drive-ins, com telas tipo de cinema. Tocamos para pessoas sentadas dentro de seus veículos, mas dava para vê-las agitando, batendo cabeça e até buzinando como forma de aplauso. Algumas pessoas até saíam do carro e assistiam sentadas em cadeiras de praia. Dureza? Sim. Mas foi a maneira que encontramos de continuar tocando.”

A Alemanha, terra natal de Doro, foi um dos países com maior número de casos de Covid-19: mais de 38 milhões, com cerca de 170 mil óbitos. A título de comparação, no Brasil morreram quase quatro vezes mais pessoas. Mas uma tragédia é sempre uma tragédia, e ela comenta a respeito:

“Foi pesado. Muita gente morreu aqui [na Alemanha]. Mas eu tinha que tentar manter a cabeça ativa, sabe? Compor, gravar, fazer o que estivesse ao meu alcance para não pirar; inclusive tocar ao vivo. Fizemos alguns programas de TV, algumas lives. Veja o Wacken [Open Air], por exemplo, que liberou uma série de shows para pessoas do mundo todo assistirem. Hoje a coisa melhorou um pouco, as restrições não são mais as mesmas, mas ainda vejo pessoas usando máscaras nos shows. Mesmo suando em bicas elas não tiram a máscara por nada, mas ainda assim se divertem! Tive de cancelar alguns compromissos porque eu mesma peguei Covid. Depois, foi a vez do meu baixista ficar doente. Mas enfim, sobrevivemos!”

Supõe-se que devido ao tempo de palco reduzido de um show em festival, algumas adaptações sejam necessárias ao setlist. A artista afirma que a escolha das músicas cabe a ela e revela qual o seu critério para tal:

“Escolho as músicas de acordo com a vibe que sinto do público. Por mais que tenhamos um setlist base, faço mudanças nele o tempo todo. Os caras da banda ficam loucos! ‘O quê?! Vai mudar de novo?!’ Mas para mim, cada show é único. Então é a vibe do público que determina se tocaremos coisas mais pesadas, ou se incluiremos mais de uma balada, enfim.”

“A melhor época da minha vida”

O lançamento mais recente de Doro a ganhar edição nacional em CD + DVD foi o ao vivo “Triumph and Agony Live” (Hellion Records), no qual ela interpreta na íntegra, pela primeira vez, o clássico “Triumph and Agony” (1987), de sua antiga banda, o Warlock. Sabendo se tratar de uma homenagem ao álbum mais importante de sua carreira por incluir sucessos como “All We Are” e a balada “Für Immer”, Doro deita e rola ao comentar o projeto:

“Foi tudo. Foi tudo e mais um pouco. Não fazíamos ideia se todas as canções funcionariam ao vivo, pois algumas delas nunca haviam sido tocadas ao vivo, como ‘Kiss of Death’ e ‘Make Time for Love’. A primeira vez que elas foram tocadas como banda foram nos ensaios, e ambas soaram incríveis. Daí vieram os shows na Espanha e o Sweden Rock Festival, e foi mágico! Eu estava muito empolgada porque [o ‘Triumph and Agony’] é um baita disco e eu guardo muitas lembranças incríveis daquela época.”

Que lembranças, por exemplo? Ela destaca:

“O heavy metal estava no auge. Abrimos para o Dio na Europa. Eu era muito fã do Ronnie [James Dio], e a turnê foi muito bem-sucedida. Daí fomos para os Estados Unidos e pegamos a estrada com o Megadeth. Pudemos ver o disco [‘Triumph and Agony’] nos abrindo muitas portas. Nenhum de nós esperava que ele vendesse tão bem, mas acabou vendendo! O ‘Headbanger’s Ball’ [programa da MTV norte-americana] passava os clipes de ‘All We Are’ e ‘Für Immer’ sem parar. Bons tempos!”

O repertório de “Triumph and Agony” conta com dez faixas, todas excelentes na opinião deste repórter, mas Doro tem uma favorita — e sua escolha não poderia ser mais óbvia, diga-se:

“Pela resposta dos fãs ao vivo, pelo clima que se instaura no público sempre que a tocamos, não tem como não ser ‘All We Are’. Há vezes em que antes de subirmos ao palco os fãs já estão cantarolando o refrão. Teve uma vez em que os pedidos por ‘All We Are’ foram tão ruidosos que tivemos que tocá-la logo no começo do show, tipo quinta ou sexta música! No final, a tocamos mais uma vez, e então, no bis, os fãs pediram para que tocássemos uma terceira vez!”

“All We Are” possui um dos videoclipes mais icônicos de sua época — e é lógico que Doro abordou isso também:

“O clipe foi filmado na mesma localidade em Los Angeles de uma das cenas de ‘O Exterminador do Futuro 2’ (1991); aquela cena [do filme] em que o androide interpretado pelo Arnold Schwarzenegger está perseguindo o garotinho de moto para salvá-lo do outro androide. Eu mal podia acreditar quando vi! Realmente, aquela foi a melhor época da minha vida.”

“Natal? Ano-Novo? Domingos? Esqueça!”

Mulher pioneira do heavy metal, Doro até hoje é inspiração para meninas que decidem viver de música pesada nos quatro cantos do mundo. Mas ao contrário do que se imagina, ela não teve dificuldades de se inserir numa cena predominantemente masculina e frequentemente misógina.

“Sempre senti um grande apoio vindo de todas as bandas com as quais dividi o palco. Na [supracitada] turnê com o Dio, o Ronnie foi tão incrível comigo. Não só ele; os caras do Judas Priest, do Kiss… todos sempre me fizeram sentir em casa. Viver de música, ainda mais de heavy metal, é um desafio. Não fazia ideia se haveria aceitação por parte do público, mas a maior das lutas sem dúvida foi assinar um contrato de gravação. Uma vez contratada por uma gravadora, poucos foram os problemas; nenhum deles digno de menção. Fico feliz por inspirar tanta gente, seja mulheres ou homens. Gosto muito de ser portadora dessa mensagem de que o heavy metal, embora agressivo, sirva para elevar o astral e fazer todos se sentirem bem.”

Pesch é seu sobrenome, mas também poderia ser Dedicação, conforme deixa claro no complemento abaixo — um guia da Rainha do Metal para aqueles que visam a construir uma carreira na música:

“O segredo é fazer aquilo que se ama, sempre. Seguir o seu coração, não se deixar abater. Sempre haverá uns filhos da p#ta querendo botar você para baixo ou gente dizendo o que você poderia ou deveria fazer. Aí vai do seu instinto: se o conselho for bom, por que não segui-lo? Mas lembre-se: mantenha-se fiel àquilo em que você acredita e dê o máximo de si todos os dias. Nunca tire férias muito longas. Quando comecei, ensaiávamos até nos feriados. Natal? Ano-Novo? Domingos? Esqueça! Trabalho duro é a chave do sucesso. Se bem que é aquilo: ‘trabalhe com o que você ama e nunca mais precisará trabalhar na vida’. Também se cerque de pessoas boas, que te coloquem para cima. Encontre um bom empresário. Caso não encontre, seja você o seu empresário. Hoje em dia, com as redes sociais, isso é mais do que possível. [As redes sociais] também facilitam na hora de encontrar o seu público. Em suma: se você é apaixonado por música e planeja viver de música, dedique-se!”

“Batam cabeça como se não houvesse amanhã”

O ano de Doro Pesch, de certa forma, começará depois de bater ponto no palco do Monsters of Rock. Isso porque o show no festival será o primeiro compromisso de um 2023 que promete — e cujas principais novidades ela fez questão de antecipar:

“Este ano completo 40 anos de carreira e farei dois shows comemorativos; um na minha cidade natal, Düsseldorf, no dia 28 de outubro, que foi onde tudo começou, e outro dois meses antes, no Wacken, numa noite repleta de convidados especiais. Na véspera do show de Düsseldorf lançarei meu novo álbum, que está quase pronto; estamos mixando-o. É um disco incrível, que tem de tudo um pouco: músicas mais pesadas, baladas etc. A capa, mais uma vez, ficou a cargo do meu ilustrador favorito, Geoffrey Gillespie, o mesmo do ‘Triumph and Agony’. Ele novamente fez um ótimo trabalho e que tem tudo a ver com o álbum e com tudo aquilo que mais amo do meu passado. Será mágico!”

Então é bom que os fãs do Brasil deem o melhor pontapé inicial possível, certo?

“É bom mesmo, pois estamos a toda! Vamos tocar todas as melhores: ‘Burning the Witches’, ‘All We Are’, ‘I Rule the Ruins’… Espero que todos enlouqueçam pra valer e cantem junto! Que batam cabeça como se não houvesse amanhã e aproveitem cada minuto. Haverá uma surpresa no setlist que espero que todos gostem. Meu guitarrista é o brasileiro Bill Hudson, e para ele também será ótimo tocar em casa. E o lineup? Só coisa boa! Estou tão ansiosa para ver os outros shows como todos vocês!”

*O Monsters of Rock acontece no dia 22 de abril, no Allianz Parque, em São Paulo. Ingressos para alguns setores seguem disponíveis no site Eventim.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioEntrevistasEntrevista: Doro Pesch antecipa ano repleto de novidades e enaltece fãs brasileiros
Marcelo Vieira
Marcelo Vieirahttp://www.marcelovieiramusic.com.br
Marcelo Vieira é jornalista graduado pelas Faculdades Integradas Hélio Alonso (FACHA), com especialização em Produção Editorial pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Há mais de dez anos atua no mercado editorial como editor de livros e tradutor freelancer. Escreve sobre música desde 2006, com passagens por veículos como Collector's Room, Metal Na Lata e Rock Brigade Magazine, para os quais realizou entrevistas com artistas nacionais e internacionais, cobriu shows e festivais, e resenhou centenas de álbuns, tanto clássicos como lançamentos, do rock e do metal.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades