Em Goiânia, Paul Di’Anno sóbrio e à vontade entrega o melhor show da turnê até agora

Ex-vocalista do Iron Maiden se beneficia de vários fatores, sobretudo da própria conduta, e apresentação no Bolshoi Pub chega perto do ideal possível

Após um início de turnê claudicante, marcado pela desconfiança e uma enxurrada de críticas logo na primeira data, em Fortaleza, Paul Di’Anno está conseguindo virar o jogo. Em Goiânia, na noite de quarta-feira (1º), essa percepção foi construída ao longo de toda a apresentação e se confirmou como unanimidade entre os integrantes da banda e gente da produção: o ex-vocalista do Iron Maiden entregou no Bolshoi Pub o melhor show da tour “The Beast is Back” até agora. “Hoje ele realmente cantou”, avaliou um dos músicos.

Em sua quinta aparição em Goiânia (2005, 2010, 2011, 2013 e agora) e a quarta no Bolshoi, Di’Anno se beneficiou de um conjunto de fatores que lhe possibilitou ter bom desempenho. Além de já conhecer a casa, o vocalista contou com horários cumpridos à risca, som impecável, um melhor entrosamento da banda e ótima resposta do público. Até o clima ameno na cidade, não tão abafado no dia, ajudou.

- Advertisement -

Para um senhor de 64 anos, diabético, com sobrepeso e fumante inveterado, esses são fatores que minimizam contratempos como os dos primeiros shows, que chegaram a atrasar três horas. Segundo relatos, no entanto, o grande diferencial em Goiânia foi a conduta do próprio Paul.

*Fotos e vídeos de Vitor Santana @vitor_vsr

Sóbrio e à vontade

Pessoas ouvidas pela reportagem contam que, ao contrário de Brasília, por exemplo, ele não bebeu antes do show, seja no hotel ou no camarim. Sóbrio, se mostrou mais confiante e à vontade no palco. Longe do Paul irritadiço de outros momentos dessa mesma turnê. Entre um gole e outro na água de coco posicionada estrategicamente ao lado de sua cadeira de rodas, o único “excesso” em Goiânia foi um cigarrinho aceso durante a instrumental “Genghis Khan”.

Antes dela, o vocalista já havia ganhado o público com clássicos como “Wrathchild” e “Sanctuary”, que abriram a apresentação, e a cultuada “Purgatory”, sempre muito bem recebida pelos fãs mais antenados no, digamos, “lado B” do Iron Maiden. “Drifter”, por sua vez, teve uma recepção morna.

Leia também:  Turnstile promove sessão de descarrego com show em SP

Prevista no setlist inicial da turnê, “Strange World” foi limada a pedido do próprio Paul e já nem consta mais entre as músicas que vêm sendo ensaiadas pela banda. Coube a “Remember Tomorrow” ser a única “balada” e o primeiro momento mais tenso do show: “será que ele vai conseguir cantar essa?” Como bom malandro, o vocalista joga pra galera nas partes em que sabe que não. Mas, no geral, o resultado é aceitável.

Acompanhado de perto por fisioterapeuta, enfermeira e outros cuidadores, Paul é constantemente amparado no palco. Seja para se acomodar melhor na cadeira de rodas ou alcançar qualquer sorte de objeto. Todo esse aparato, porém, não elimina sua condição debilitada e é nítido que o vocalista convive com dores, especialmente na perna. Em um dado momento, soltou um “f#ck you” para uma delas e balbuciou algo como: “melhor cortar logo essa m#rda”.

Escorregão no fim

Ao anunciar “Transylvania”, a segunda instrumental da noite, Paul Di’Anno brincou: “sempre me falam que eu canto muito bem nessa”. Depois vieram os dois pontos altos da apresentação, “Phantom of the Opera” e “Running Free”, e uma espécie de presente aos fãs de Goiânia: “Prowler”, executada pela primeira vez na turnê.

Até por esse ineditismo, acabaram errando na parte intermediária da música, o que tirou o vocalista do sério. Ele esbravejou de forma veemente contra o guitarrista Nolas, do Electric Gypsy. Mas foi o único atrito ao longo de todo o set e vale ressaltar que os músicos parecem cada vez mais entrosados, mesmo ensaiando só na estrada (e sem Paul, que tem se recusado). Além de Nolas, a formação conta com Leo Mancini (guitarrra), Saulo Xakol (baixo) e Henrique Pucci (bateria), os três do Noturnall, banda de abertura que levou um bom número de fãs ao Bolshoi.

Leia também:  Em SP, festival Mulheres n@ Punk traz shows gratuitos e feira de economia criativa

Prevista para encerrar o show, “Iron Maiden” não foi executada. Até agora ela não deu as caras na turnê, mas os músicos apostam que ainda irão “convencer” Paul a tocá-la. Ao menos se tudo continuar dando certo como em Goiânia, que chegou perto do possível ideal, considerando as circunstâncias. Um dos integrantes da banda declarou:

“Foi o melhor show da turnê até agora. Só que o Paul tem recaídas. Às vezes, bate uma deprê, e ele mesmo se questiona muito pra gente: ‘eu sou um m#rda’. Mas hoje ele estava feliz.”

*Fotos e vídeos de Vitor Santana @vitor_vsr

Paul Di’Anno – ao vivo em Goiânia

  • Local: Bolshoi Pub
  • Data: 1º de fevereiro de 2023
  • Turnê: The Beast is Back

Repertório – Paul Di’Anno:

  1. The Ides of March (gravação)
  2. Wrathchild
  3. Sanctuary
  4. Purgatory
  5. Drifter
  6. Murders in the Rue Morgue
  7. Remember Tomorrow
  8. Genghis Khan
  9. Killers
  10. Charlotte the Harlot
  11. Transylvania
  12. Phantom of the Opera
  13. Running Free
  14. Prowler

Repertório – Noturnall:

  1. Try Harder
  2. No Turn at All
  3. Fight the System
  4. Wake Up
  5. Thunderstruck (AC/DC cover)
  6. Reset the Game
  7. Scream for Me
  8. O Tempo Não Para (Cazuza cover)
  9. Nocturnal Human Side

Repertório – Electric Gypsy:

  1. Hit and Run
  2. Nine Live
  3. More Than Meets the Eye
  4. Hot for Teacher (Van Halen Cover)
  5. Heads or Tails
  6. The Devil Made Me Do It
  7. Shoot ‘em Down
  8. Heaven and Hell (Black Sabbath cover)

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasEm Goiânia, Paul Di’Anno sóbrio e à vontade entrega o melhor show...
Guilherme Gonçalves
Guilherme Gonçalves
Guilherme Gonçalves é jornalista formado pela Universidade Federal de Goiás (UFG). É repórter do Globo Esporte e atua no jornalismo esportivo desde 2008. Colecionador de discos e melômano, também escreve sobre música e já colaborou para veículos como Collectors Room e Rock Brigade. Atualmente revisa livros da editora Estética Torta e é editor do Morbus Zine, dedicado ao death metal e grindcore.

5 COMENTÁRIOS

  1. Que bacana! Torço pra que corra tudo bem no restante da turnê. Motörhead no peito pra dar aquela força rs não tão afrontoso como da primeira vez aqui quando usou uma The Exploited, deixando os “metalerin” chateados rsrs
    Resenha massa! Te transporta pra dentro do show, parabéns!

  2. Cara! não sei pq escolheram essa banda de apoio!! só ouço que os caras erraram essa, erraram aquela e por aí vai! que furada! Tanta banda e músicos talentosos e o cara caiu aí!

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades