Venom queria ser mais pesado que Motörhead e mais satânico que Sabbath, diz Cronos

Banda sofreu muita resistência de público e gravadoras em seu começo, mas triunfou

O baixista e vocalista do Venom, Conrad “Cronos” Lant, completou 60 anos no último domingo (15). Em sua homenagem, a revista canadense Brave Words & Bloody Knuckles resgatou uma entrevista realizada em 2015, durante o cruzeiro 70,000 Tons of Metal.

Nela, o frontman fala sobre os objetivos que a tinha quando o grupo foi criado em 1978, na cidade inglesa de Newcastle Upon Tyne. Inicialmente, Cronos era apenas baixista, mas assumiu o microfone principal quando Clive “Jesus Christ” Archer saiu.

“Esta banda é e sempre foi sobre a música. Criamos algo naquela época que eu achava que era o melhor de todas as outras que eu amo e com as quais cresci. Eram todos os clichês: mais pesado que o KISS, mais pesado que o Motörhead, mais satânico que o Black Sabbath. Eles simplesmente não eram extremos o suficiente. Nossa intenção não era tornar esta banda especial e diferente de qualquer outra; era mais sobre criar algo que duraria, com qualidade, não apenas algo descartável. Tinha que ter qualidade.”

- Advertisement -

Conrad lembra que o momento não era o mais propício para o hard rock/heavy metal, que sofria baixa de popularidade com o levante punk.

“Todo mundo me dizia que o rock estava acabado. Eu estava ouvindo Deep Purple, Black Sabbath, Bad Company, Led Zeppelin – estava no auge da minha vida e tinha acabado de sair da escola. Também era um grande fã de punk e só queria criar a música que amava. As bandas que estavam por aí pareciam ser aquelas que faziam sucesso porque tocavam um estilo que já havia sido experimentado e testado.”

O músico lembra que foi difícil fazer com que as pessoas realmente prestassem atenção em uma proposta fora dos padrões como a do grupo.

“Não conseguiam entender o que estávamos tocando e cantando, sentiam medo porque era muito satânico. Foi difícil. As gravadoras não entenderam. Poderíamos facilmente ter terminado muito rapidamente. Felizmente, o estúdio em que trabalhei me deu a oportunidade de explicar que queríamos lançar alguns discos – que estávamos falando sério. Se não fosse por isso, acho que nenhuma gravadora teria assinado conosco.”

Sobre o Venom

Considerado um dos precursores do metal extremo, o Venom batizou um subgênero com o título de seu segundo disco, “Black Metal”, lançado em 1982. Atualmente, Cronos é o único membro da formação clássica ainda presente. “Storm the Gates”, 15º e mais recente álbum de estúdio da banda, saiu em 2018.

Leia também:  A música do Iron Maiden mais difícil de cantar, segundo Bruce Dickinson

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesVenom queria ser mais pesado que Motörhead e mais satânico que Sabbath,...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades