“Ozzy era ótimo, mas Dio era diferente”, diz Tony Iommi

Guitarrista e único integrante de todas as formações do Black Sabbath analisa diferenças entre seus dois vocalistas mais populares

Apesar de Ian Gillan, Glenn Hughes e Tony Martin terem gravado álbuns com o Black Sabbath – além de Ray Gillen, cujos registros foram resgatados posteriormente –, a base de fãs da banda se divide basicamente entre os que preferem Ozzy Osbourne ou Ronnie James Dio.

A formação original entregou sonoridade única, se tornando a principal referência na invenção de um subgênero. Quando tudo parecia perdido, o cantor americano assumiu a linha de frente, promoveu algumas mudanças e ofereceu algo tão empolgante quanto.

- Advertisement -

Em novo artigo à revista Kerrang!, o guitarrista Tony Iommi, único presente em todas as formações, analisou os dois frontmen, com ênfase no segundo.

“Quando Ronnie se envolveu, a escrita se tornou diferente por conta da maneira como ele abordava a música. Foi um período muito empolgante, desafiador, mas nós gostamos.”

Curiosamente, quem promoveu a aproximação foi justamente a esposa e empresária de Ozzy.

“Conheci Dio em uma festa. Quem nos apresentou foi Sharon Osbourne, à época ainda Sharon Arden. Inicialmente conversamos sobre fazer um projeto nós dois, sem envolvimento com a banda. Ele aprovou. Mas quando Ozzy saiu, sugeri aos outros caras que experimentássemos Ronnie. Mostramos o riff de ‘Children of the Sea’ e ele logo cantou uma melodia em cima. Foi incrível, algo diferente do que estávamos acostumados.”

“Ozzy era ótimo, mas Ronnie era diferente”

Em relação ao estilo de cada um, Iommi destacou que Dio permitia à banda expandir horizontes musicais.

“Ozzy era ótimo, mas Ronnie era um cantor completamente diferente. Queríamos isso, não dava para colocar alguém que soaria parecido. Conseguimos abordar as músicas de uma maneira diferente do que tínhamos feito antes. Abriu muito mais variedade para nós, realmente.”

Black Sabbath e Ronnie James Dio

Ronnie James Dio gravou três álbuns de estúdio com o Black Sabbath em duas passagens: “Heaven and Hell” (1980), “Mob Rules” (1981) e “Dehumanizer” (1992).

Leia também:  Peter Gabriel, Richie Sambora e outros criticam pena de morte a rapper iraniano

Ainda registrou “The Devil You Know” (2009), com o grupo usando o nome Heaven & Hell, já que àquela altura, a formação original da banda estava na ativa. No ano seguinte, faleceu em decorrência de um câncer.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidades“Ozzy era ótimo, mas Dio era diferente”, diz Tony Iommi
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades