Por que só bandas como Foo Fighters ganham grana hoje, segundo Carmine Appice

Baterista veterano enfatizou a importância da gestão financeira para os músicos profissionais

Um dos mais longevos músicos ainda na ativa, o baterista Carmine Appice não está nada animado com a atual situação da indústria.

­

- Advertisement -

Durante participação no Live from Nerdville, de Joe Bonamassa, o lendário músico traçou um panorama do mercado. E, conforme transcrito pelo Rock Celebrities, não se mostrou nada positivo.

“Está muito difícil hoje. Tudo o que posso dizer é para ficar de olho no dinheiro. Já fiz outras coisas na minha vida além de participar de bandas. Escrevi um livro de bateria que vendeu bem. Também mexo com imóveis. Tive bons contadores, pessoas e corporações cuidando de mim, então me organizei.”

Para o irmão mais velho de Vinny Appice, apenas artistas realmente gigantes ainda conseguem uma boa margem de lucro no show business.

“Tive sorte de tocar com todas essas bandas diferentes que ganharam dinheiro. Hoje é muito difícil, a menos que você esteja em uma atração grande como o Foo Fighters, que cai na estrada e ganha todo o dinheiro possível. Não existe mais o mercado fonográfico. O Spotify não paga quase nada e discos não vendem como antigamente.”

Leia também:  Homens que acusam Michael Jackson de abuso querem julgamento antes de filme

Sobre Carmine Appice

Nascido no Brooklyn, em Nova York, Carmine Appice se destacou como integrante do Vanilla Fudge, um dos precursores do hard rock. Junto do baixista Tim Bogert, saiu para formar o Cactus, outro grupo seminal de sua época. Ainda com o colega, se juntou a Jeff Beck no BBA.

Foi músico de apoio de nomes como Rod Stewart, Ozzy Osbourne e Michael Schenker. Também gravou com Paul Stanley, Pink Floyd e Marty Friedman, entre outros.

No auge do hard rock oitentista, fundou o King Kobra, que se reuniu na década passada e segue na ativa. Também participou do Blue Murder, power trio com John Sykes e Tony Franklin.

Leia também:  Paul McCartney solta palavrão ao apoiar Foreigner no Rock and Roll Hall of Fame

Também foi um dos primeiros bateristas a publicar livros metodológicos, com The Realistic Rock Drum Method, de 1972.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesPor que só bandas como Foo Fighters ganham grana hoje, segundo Carmine...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades