5 motivos para ouvir “Raw”, o novo álbum ao vivo do ZZ Top

Trilha sonora do documentário “That Little Ol’ Band From Texas” é um lançamento da Shelter Records/BMG

O lançamento mais recente do ZZ Top, uma das bandas de rock mais longevas e admiradas do planeta, é um álbum ao vivo. “Raw” já está disponível em CD e nas plataformas digitais via Shelter Records / BMG e reúne a trilha sonora do documentário “That Little Ol’ Band From Texas” (2019), indicado ao Grammy de Melhor Filme Musical em 2021.

Só pelo fato de ser um novo trabalho do ZZ Top, não precisaria de qualquer razão adicional para você ouvi-lo. Mas se ainda assim precisa de razões, a gente te ajuda: aí vão 5 motivos para dar o play em “Raw”!

- Advertisement -

É uma homenagem a Dusty Hill

Os remanescentes Billy Gibbons (voz e guitarra) e Frank Beard (bateria) têm dito abertamente que “Raw” é uma homenagem a Dusty Hill. O baixista nos deixou tragicamente aos 72 anos de idade, em julho de 2021.

Em entrevista ao site, Billy define Dusty como “musicalmente brilhante e um músico verdadeiramente intuitivo”. Além do baixo, ele também assumia os vocais e teclados em determinadas ocasiões.

É um gigante que fará falta, mas que deixou dezenas de obras gravadas – como é o caso deste disco ao vivo.

Promove volta às raízes

A gravação de “Raw” se deu no Gruene Hall, uma das casas mais icônicas e tradicionais do Texas, sua terra natal. Nada de plateia: apenas Billy, Dusty e Frank fazendo o que sabem fazer de melhor, sem distrações, sem nada para tirar a crueza do som dos caras.

Em entrevista ao site, Gibbons comentou que a ideia era mesmo fazer uma jam e deixar a música levá-los adiante. Tocando juntos há tantos anos, os caras não decepcionam nem mesmo em uma situação como essa.

“Estamos nisso há tanto tempo que meio que antecipamos os movimentos internos, deixando rolar com o fluxo.”

Faz justiça ao título

“Raw”, em inglês, significa “cru”. O título não foi escolhido à toa: se era para ser como uma jam, a sonoridade almejada era justamente a mais visceral possível.

Colocar esse disco nos fones de ouvido é como entrar em um ensaio do ZZ Top. Uma oportunidade única.

Clássicos são aliados a raridades

A lista de faixas de “Raw” é um presente e tanto para os fãs de longa data do ZZ Top.

Clássicos como “La Grange”, “Tush” e “Tube Snake Boogie” dividem espaço com músicas que nem sempre entram nos shows, mas são adoradas pelos fãs, como “Certified Blues” e “Thunderbird”.

Um dos momentos mais legais da tracklist é “Gimme All Your Lovin’”. A música faz parte da era oitentista da banda e foi gravada originalmente com forte presença de sintetizadores. Aqui, ganhou uma versão… crua. Eu avisei que o título do disco não foi escolhido à toa!

É o ZZ Top!

Além de ser o primeiro lançamento desde a trágica perda de Dusty Hill, “Raw” apresenta uma das últimas performances do trio que amamos. Todos em ótima forma, tocando muito e desfilando vários clássicos.

No fim das contas, é o ZZ Top. Clique aqui para ouvir “Raw” em sua plataforma de streaming favorita ou comprar sua edição em CD!

ZZ Top – “Raw”

  1. Brown Sugar
  2. Just Got Paid
  3. Heard it on the X
  4. La Grange
  5. Tush
  6. Thunderbird
  7. I’m Bad, I’m Nationwide
  8. Gimme All Your Lovin’
  9. Blue Jean Blues
  10. Certified Blues
  11. Tube Snake Boogie

*Este artigo é um publieditorial.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioConteúdos5 motivos para ouvir “Raw”, o novo álbum ao vivo do ZZ...

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades