Rock morreu e Ghost não é banda para estádios, diz guitarrista do Rammstein

“A geração mais jovem pode até estar ouvindo rock, mas também está interessada em outros tipos de música”, refletiu Richard Z. Kruspe em entrevista

Em entrevistas anteriores, Richard Z. Kruspe disse acreditar que o rock estaria morto. O guitarrista do Rammstein, que também comanda o projeto paralelo Emigrate, não vê renovação no gênero, o que causou seu “falecimento”.

A opinião foi reafirmada em entrevista ao canal Summa Inferno, transcrita pelo Ultimate Guitar. O músico elaborou:

“Bem, as coisas são o que são. Se algo está morto ou não tão popular, não significa que eu ainda não ame. O rock costumava ser uma música que motivava a rebeldia contra o que nossos pais representavam. Lembro quando pequeno, eles chegavam e diziam: ‘você pode abaixar isso?’. Hoje em dia, quando meus filhos tocam rock, eu digo: ‘você pode aumentar o volume?’ Então, o sentimento de rebelião ligado ao estilo acabou.”

Kruspe destacou ainda que o hip hop tem ocupado o papel do rock nesse sentido.

“Hoje em dia isso está mais nas letras. Por isso que acho que o hip hop é tão popular com a geração mais jovem. Mas também vai passar quando vier a próxima, eles vão precisar de outra coisa. Não sei se o rock vai voltar. Mas no momento, obviamente, mudou, não é uma alta prioridade na indústria.”

Ghost, Metallica e bandas de estádio

Quando o entrevistador argumentou que bandas como o Metallica e o próprio Rammstein seguem lotando estádios mundo afora, Richard Z. Kruspe apontou para o fato de se tratar de atrações com décadas de história.

“Sim, sim, mas são todos dinossauros. Pense nisso, todas aquelas bandas de dinossauros são antigas, nós somos velhos. A geração mais jovem pode até estar ouvindo rock, mas também está interessada em outros tipos de música.

E o outro problema é que esses nomes grandes estão quase acabando. Qual é a banda de estádio mais nova que você conhece? Talvez o Muse tenha conseguido alcançar esse patamar e só.”

E o Ghost? Ele responde:

“Sim, mas não é uma banda de estádio. Refiro-me a nomes que realmente conseguiriam encher lugares grandes. Há cada vez menos e os que sobraram certamente morrerão logo.”

O Emigrate lançou o álbum “The Persistence of Memory” nas últimas semanas. É o quarto trabalho de estúdio da carreira do grupo.

Já o Rammstein promete novidades para o primeiro semestre de 2022, antes de sair em turnê novamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados
Total
82
Share