Serj Tankian critica Bolsonaro e diz que Brasil precisa de “adulto” no comando

Famoso por seu posicionamento político, o vocalista Serj Tankian, do System of a Down, criticou Jair Bolsonaro, presidente do Brasil. O comentário foi feito em entrevista à revista Veja.

Famoso por seu posicionamento político, o vocalista Serj Tankian, do System of a Down, criticou o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Defensor dos direitos humanos, especialmente em relação ao país em que seus pais nasceram, a Armênia, o cantor conversou recentemente com o repórter Felipe Branco Cruz, da revista Veja. O papo envolveu não apenas música, como, também, o ativismo de Serj e a a situação atual da pandemia.

Em dado momento da conversa, Tankian fez comentários sobre regimes de extrema-direita e comparou os governos de Donald Trump nos Estados Unidos e Bolsonaro no Brasil. Ele também traçou um paralelo entre as ações tomadas por esses líderes e o que foi feito na Nova Zelândia, país da Oceania que zerou os casos da doença e voltou à “vida normal”.

“Trump fez um trabalho horroroso na resposta ao Covid-19, e Bolsonaro também. Passei parte do ano passado na Nova Zelândia, e acho que eles fizeram um trabalho incrível. Foram bastante transparentes e responsáveis. Eles não foram guiados por informações falsas. Obviamente que lá é uma ilha, um país pequeno, sem fronteiras terrestres. Penso que o Brasil precisa de um adulto no comando, e não de uma pessoa que desafia a ciência. Eu espero que vocês consigam se vacinar o mais rápido possível. Eu mesmo já fui vacinado. Infelizmente, líderes ruins dificultam a superação da pandemia.”

Serj Tankian e a relação com John Dolmayan

Durante o bate-papo, Serj Tankian também comentou, ainda que brevemente, a respeito sua relação com John Dolmayan. O baterista do System of a Down que também é cunhado do vocalista, é apoiador de Donald Trump e costuma ser bem direto em suas manifestações a favor do ex-presidente.

Apesar das discordâncias políticas, a boa convivência entre eles não foi impedida, segundo Tankian. O cantor garante que tudo está bem nesse sentido.

“Somos colegas de banda e também cunhados. Nossos filhos são muito amigos. Eu sempre falo para as pessoas que não é incomum ter um cunhado com um pensamento político diferente, não é? Nós dois nos amamos, apesar de nossas diferenças na política americana. Nós nos respeitamos como pessoas e artistas e vamos continuar desse modo. Simples assim.”

A situação do System of a Down

No último dia 19 de março, Serj Tankian divulgou um EP chamado “Elasticity”, com músicas que seriam apresentadas inicialmente ao System of a Down. A banda não produz um álbum de estúdio desde 2005.

Mesmo com as recentes tentativas, eles não chegaram a um acordo sobre fazer um disco. No fim de 2020, porém, chegaram a gravar duas músicas, “Protect the Land” e “Genocidal Humanoidz”, que denunciam o conflito armado na Armênia, terra natal dos integrantes do grupo.

A opinião política não é um empecilho para que os membros do System of a Down, mas eles ainda não conseguem se entender em termos artísticos, optando por seguir caminhos diferentes na maioria das vezes.

“Originalmente, as músicas ‘Elasticity’ e ‘Electric Yerevan’ tinham a pegada do System of a Down. Conversei com o pessoal da banda sobre fazermos um novo álbum com elas, mas não conseguimos seguir filosoficamente no mesmo caminho. Eu tenho minhas ideias. Eles também têm as ideias deles. Tem que funcionar coletivamente. Por isso não rolou. Então, eu decidi finalizar sozinho.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
111
Share