Notícias

Metallica quis ser mais resumido em “Hardwired…To Self-Destruct”



O baterista Lars Ulrich disse, em entrevista ao radialista japonês Masa Ito, que o Metallica quis ser mais resumido em “Hardwired…To Self-Destruct”. Ele faz menção ao processo de produção do álbum anterior, “Death Magnetic” (2008).

Ulrich citou que “Death Magnetic” foi o sucessor de “St. Anger” (2003). “Acho que ‘St. Anger’ foi um disco de conexão. Fizemos quatro álbuns em quatro anos – ‘Load’ (1996), ‘Reload’ (1997), ‘Garage Inc.’ (1998) and ‘S&M’ (1999) – e tivemos problemas. ‘St. Anger’ foi um experimento, estávamos voltando a tocar juntos e descobrindo quem éramos”, afirmou.

Veja também:
Novo disco do Metallica tem bons momentos, mas passa longe do excepcional
James Hetfield fala sobre relação com Lars Ulrich

O músico, então, citou a chegada de Rick Rubin, produtor de “Death Magnetic”. “Sentamos naquela em uma sala por meses e falamos muito sobre para onde gostaríamos de ir. Ele nos encorajou a nos deixar mais loucos e longos e… ele sempre dizia ‘deixe isso mais ridículo’. Foi a proposta de ‘Death Magnetic’. Foi como o grito de guerra”, disse.

Lars justificou a proposta de “Hardwired…To Self-Destruct”. “Nesse disco, queríamos ser mais resumidos, fazer o processo de composição ser menos ridículo, mais conciso. Diria mais ‘econômico'”, afirmou.

Por fim, ele comparou “Death Magnetic” e “Hardwired…To Self-Destruct”. “Em ‘Death Magnetic’, fizemos vários encontros, tivemos várias reuniões. Em ‘Hardwired…’, não houve reunião. Apenas chegamos e tocamos. Só falamos sobre isso depois de 3/4 do disco estar pronto. Amo Rick, não mudaria nada em ‘Death Magnetic’, mas o álbum de agora nos beneficiou no que diz respeito a apenas tocar e pronto. Foi tudo mais orgânico e com o coração”, disse.


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *