Músicas machistas fazem ouvinte ser mais agressivo contra mulher, diz estudo

Um estudo feito pela Universidade de Innsbruck, na Áustria, aponta que músicas machistas podem despertar a agressividade de homens contra mulheres. A pesquisa foi comandada por Tobias Greitemeyer, doutor em Psicologia Social e professor da instituição de ensino austríaca.

Os resultados dos estudos de Greitemeyer foram publicados entre 2006 e 2015. Nas ocasiões, músicas com letras consideradas misóginas, como “Superman”, do Eminem, e “Self Esteem”, do Offspring, foram reproduzidas para voluntários do sexo masculino.

- Advertisement -

Sem saber que a pesquisa era sobre machismo e/ou misoginia, os voluntários desenvolviam algumas atividades enquanto ouviam as canções. Ao serem questionados sobre o sexo feminino, os homens deram respostas mais negativas e expressaram maior desejo de vingança.

Em outro momento do estudo, foi proposto que os voluntários fizessem lanches para uma mulher. Os homens foram avisados de que a moça não gostava de comida muito apimentada, mas, mesmo assim, os rapazes colocavam mais molho de pimenta enquanto ouviam músicas consideradas machistas.

Leia também:  Jon Bon Jovi diz que volta aos shows “depende de Deus”

Inverso também ocorre

O inverso também ocorreu em outra etapa do estudo. Mulheres demonstravam ser mais agressivas com relação a homens enquanto ouviam músicas com mensagens negativas relacionadas a eles. Um exemplo utilizado na pesquisa foi “You Oughta Know”, de Alanis Morissette.

No entanto, o comportamento por parte das mulheres não foi realmente considerado por não representar um problema real na sociedade. “Este tipo de agressão [homens machistas contra mulheres] é um problema muito mais sério e frequente na sociedade do que de mulheres contra homens”, afirma o estudo.

Efeito prolongado

Os pesquisadores acreditam, ainda, que não há um efeito meramente imediato quando homens ficam mais agressivos ao ouvirem músicas com letras consideradas misóginas. A sensação machista é progressiva, tendo em vista que as pessoas foram submetidas a essas canções ao longo de toda a vida.

Leia também:  Paul McCartney toca “Let It Be” com os Eagles em tributo a Jimmy Buffett

“O que se pode dizer sobre o feito na vida real, onde homens provavelmente ouvem a centenas de canções misóginas ao longo da vida? O efeito pode ser ainda mais forte e pode levar a um comportamento agressivo ainda mais severo contra a mulher, como estupro e outras formas de violência”, afirma a pesquisa.

Polêmicas com músicas machistas

Músicas machistas geram polêmicas há muito tempo. Em alguns casos, o rebuliço vai parar na justiça.

Nos Estados Unidos, o caso mais recente foi o da música “Blurred Lines”, de Robin Thicke e Pharrell Williams. A canção tem teor claramente machista e o clipe reforça o ponto de vista ao transformar mulheres em meros objetos de desejo masculino.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasMúsicas machistas fazem ouvinte ser mais agressivo contra mulher, diz estudo
Igor Miranda
Igor Miranda
Igor Miranda é jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital. Escreve sobre música desde 2007. Além de editar este site, é colaborador da Rolling Stone Brasil. Trabalhou para veículos como Whiplash.Net, portal Cifras, revista Guitarload, jornal Correio de Uberlândia, entre outros. Instagram, Twitter e Facebook: @igormirandasite.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades