Por que computador deveria ser visto como instrumento musical, segundo Mike Shinoda

Membro do Linkin Park se valeu de uma equivalência com o teclado para justificar sua posição

O simples fato de alguns artistas se valerem do computador para criar suas obras já causa desgosto em parte dos fãs de música. Até mesmo entre os profissionais a situação não é um consenso – vide a recente briga pública de Sebastian Bach com Ronnie Radke, após o Falling in Reverse ter cancelado show por conta do roubo de um laptop.

Mike Shinoda é um defensor das novas tecnologias. Não apenas isso. O músico do Linkin Park defende que o computador possa ser considerado um instrumento como qualquer outro. Para tal, estabeleceu uma comparação com o teclado, que conserva características de ambas as definições.

- Advertisement -

Disse o membro do Linkin Park em 2021 à rádio ALT 98.7 FM, conforme transcrição do Ultimate Guitar:

“Sim, eu acho que o computador é um instrumento musical. O teclado não é um instrumento, antes de tudo? A maioria das pessoas diria que sim. E ele é apenas uma interface MIDI, com uma série de receptores de entrada MIDI que alimentam informações para um computador interno. Então, não há realmente nenhuma diferença, teoricamente, entre pressionar notas em um teclado ou bater em um pad de bateria e isso ir para uma coisa que faz barulhos, em comparação com seu computador.”

Leia também:  Foo Fighters toca a inédita “Unconditional” em show na Inglaterra

Indo além na explicação, o músico usa o próprio trabalho como exemplo de uma dedicação incessante na descoberta do que um hardware pode proporcionar à arte.

“Além disso, desde o início da nossa banda, eu realmente tratei o Pro Tools ou o Ableton como um instrumento onde você pode cortar o áudio e fazer novos sons a partir do áudio.”

Sobre o Linkin Park

Fundado em 1996 – inicialmente se chamando Xero, depois Hybrid Theory, até chegar ao nome definitivo – em Agoura Hills, Califórnia, o Linkin Park se tornou uma das bandas de rock mais bem-sucedidas do século atual.

Seus 7 álbuns de estúdio venderam mais de 100 milhões de cópias em todo o planeta até hoje. Desde a morte do vocalista Chester Bennington, ocorrida em 2017, o grupo suspendeu atividades sem previsão de retorno.

Recentemente, rumores sobre um retorno começaram a pipocar, mas nada foi confirmado até o momento. As especulações apontam para uma reunião envolvendo apenas alguns membros e tendo uma cantora assumindo o microfone principal.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesPor que computador deveria ser visto como instrumento musical, segundo Mike Shinoda
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades