Como solo de Eloy Casagrande “salvou” o Gloria no Rock in Rio 2011

Abrindo para Motörhead, Slipknot e Metallica, banda brasileira era associada ao movimento "emo" — e bolou estratégias para encarar desafio

O cenário não era dos mais favoráveis: durante a “noite do metal” do Rock in Rio 2011, em 25 de setembro, o Gloria tocaria logo antes de Coheed and Cambria, Motörhead, Slipknot e Metallica. A vaia era quase certa, mas a banda paulista de metalcore foi salva pelo seu então baterista, um jovem chamado Eloy Casagrande.

Como o som do grupo paulistano na época era associado ao movimento “emo”, todos temiam por uma reação nada amistosa do público. Desde o anúncio inicial, fãs das bandas mais tradicionais não se manifestaram de forma tão positiva, especialmente porque o Sepultura ocupava o Palco Sunset, visto como secundário.

- Advertisement -

Dessa forma, o Gloria resolveu adotar algumas estratégias para minimizar o problema. Uma delas era aproveitar um de seus pontos fortes: ainda no início do show, Eloy faria um solo de bateria.

O vocalista Mi Vieira relembrou como foi a conversa com o baterista, à época com apenas 20 anos, sobre a ideia. Em entrevista ao Uol, o cantor contou como foi o diálogo:

“Eloy: ‘Não vou fazer solo nem f*dendo!’
Mi: ‘Vai, sim, e a galera vai amar, você é o maior baterista do mundo.’
Eloy: ‘De quanto tempo?’
Mi: ‘Três minutos.’
Eloy: ‘Pu*a que pariu!’
Ele chiou, mas aceitou. A gente sabia que era jogo ganho, apostava no moleque, um monstro.”

O plano era exibir a técnica de Casagrande além de dois covers do Pantera – “Domination” e “Walk” – para ganhar o público. Deu certo, mas o baterista afirmou que não foi um solo fácil de ser executado. Por isso, naquele contexto, optou por não improvisar muito. Ele disse:

Leia também:  Após boicotes, Barclays rompe patrocínios com Download Festival, Latitude e Isle of Wight

“Foi um solo muito bem ensaiado. Com tanto nervosismo, não ia dar chance para o improviso, na hora podia dar tela branca. Passei umas 400 vezes. Foi um alívio.”

Gloria, Rock in Rio 2011 e Sepultura

No fim das contas, até rolaram algumas vaias dos mais fanáticos, mas nada que inviabilizasse a apresentação do Gloria no Rock in Rio 2011. A reação geral foi positiva. Para muitos, a situação serviu como uma vitrine, onde Eloy Casagrande exibiu seu talento ao mundo.

O baterista estava com a banda paulista há poucos meses e no final do mesmo ano a deixou para entrar no Sepultura. No último mês de abril, foi anunciado como novo membro do Slipknot. Curiosamente, ambas as bandas tocaram no festival naquele mesmo dia 25 de setembro de 2011.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesComo solo de Eloy Casagrande “salvou” o Gloria no Rock in Rio...
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes é jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Interessado em música desde a infância, teve um blog sobre discos de hard rock/metal antes da graduação e é considerado o melhor baixista do prédio onde mora. Tem passagens por Ei Nerd e Estadão.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades