As melhores capas de discos do Rush, segundo Hugh Syme

Autor de quase todas as ilustrações de álbuns do trio canadense selecionou suas 11 preferidas

Hugh Syme é um nome extremamente relevante na carreira do Rush. O artista assinou todas as capas de álbuns do trio canadense a partir do terceiro, “Caress of Steel” (1975). A parceria hesitosa acabou não apenas consolidando uma história de sucesso, como também abrindo portas para colaborações com outras bandas.

Em artigo à revista britânica Classic Rock, original de 2016, o próprio designer selecionou seus trabalhos preferidos com Geddy Lee, Alex Lifeson e Neil Peart, tecendo comentários sobre cada escolha. No fim das contas, o que seriam dez opções se tornaram onze.

- Advertisement -

São elas:

1. Moving Pictures (1981): “Apesar das limitações orçamentais da época e dos desafios que este conceito representava… esta foi uma peça bastante ambiciosa de empreender – desde a capa até a parte interior. Estou satisfeito que o resultado tenha sido tão próximo da minha visão inicial. E, como algumas músicas, tudo veio até mim em um instante. As criações de Neil são assim. Inspiram imagens e sempre fui mimado por ele ser o letrista consumado que é. Seus maravilhosos títulos sempre foram ansiosamente aguardados por esse diretor de arte. Eles foram o ponto de partida para cada álbum que fizemos. Também descobri e me deliciei com a percepção de que esses caras gostavam de trocadilhos. Simples, elaborado, profundo ou simplista. E eles sabiam como permitir que nossos visuais proporcionassem humor e mistério.”

2. Grace Under Pressure (1984): “A esta altura, havíamos realmente atingido nosso ritmo como banda e diretor de arte. Eu estava gostando muito do processo de como Neil e eu pudemos discutir e discutir ideias. Às vezes com rendimentos imediatos, às vezes apenas encontrando o primeiro de muitos. Minha inclinação inicial era me aventurar em uma sensação ultra minimalista, quase como as do selo de jazz ECM (eu estava ouvindo muito Keith Jarrett naquela época), e na moldura da capa, retratar um campo de tom pesado sobre um tom mais calmo, então teríamos uma pressão pesando sobre a graça. Céu e água. Foi quando me ocorreu que isso também poderia ser uma fração com p/g (literalmente “p” sobre “g”). Então, à medida que a noite e o Armagnac faziam efeito, nos encontramos caminhando para uma direção mais metafórica e surreal para os temas finais da pintura. Também gostei desse processo… pintar. Algo em que só nos aventuramos algumas vezes. Ainda tenho o esboço que fiz naquela noite em um guardanapo de papel.”

3. Power Windows (1985): “Mais uma vez, é bom pintar essa visão para a capa da banda. Além disso, foi um momento turbulento para mim, em muitos aspectos – perdi meu pai no meio desse projeto. Isso criou uma necessidade verdadeiramente catártica de me aprofundar em algo que não fosse eu mesmo. Então, aquela pintura foi meu santuário, durando quase oito semanas. Entre o meu trabalho e a camaradagem do meu bom amigo e mestre fotógrafo, Dimo Safari, estes podem agora ser recordados como os melhores dos tempos.”

4. Hold Your Fire (1987): “Gostei que a banda pudesse ousar entrar e sair do graficamente simplista para produções mais extravagantes. Este projeto teve ambos. A capa vermelha austera configurou o ícone de toda a campanha com a configuração de esferas vermelhas, cuja formação foi então retratada por meio de fotografia, ilustração e conjuntos de miniaturas na página interna. Um empreendimento divertido e ambicioso.”

5. Signals (1982): “O hidrante e o cão. Este resultado final aparentemente simples de uma ocorrência cotidiana no mundo canino foi o culminar de três meses de becos sem saída conceituais. Gosto de como as cores primárias e secundárias funcionavam graficamente, ao mesmo tempo que retratava o tema com alguns caprichos ainda perturbadores e inesperados. Um momento de ‘Twin Peaks’.”

6. Roll the Bones (1991): “Grande projeto. Grande produção. Sempre gostei do resultado de combinar nosso conjunto em escala real da água em primeiro plano, do menino e da plataforma do metrô… com a parede em miniatura de dados como as peças do metrô. E, esta foi a gênese de uma tecnologia digital onde pude afastar-me dos tradicionais retoques com descolorantes e corantes numa impressão de transferência de tinta, combinando imagens díspares que seriam compostas numa imagem final (e improvável) numa impressão singular… onde eu poderia conseguir tudo isso ‘na postagem’ com manipulação de fotos no Photoshop – tudo dentro do mundo digital. Command-Z significa nunca ter que pedir desculpas.”

Leia também:  Banda cover de Slipknot anuncia novo visual de baterista: “Eloy Kitnet”

7. Counterparts (1993): “Que banda de rock and roll permitiria que seu diretor de arte propusesse (com uma cara séria) um diagrama de porcas e parafusos para uma palavra potencialmente vasta como ‘contrapartes’? Uma palavra tão vasta que Neil e eu não conseguíamos parar de pensar grande. Então não fizemos isso… por semanas e semanas!”

8. Test For Echo (1996): “Esta foi a primeira vez que abordamos o ‘álbum’ pelo que o pacote do CD realmente oferecia e inspirava. Em vez de lamentar a diminuição da área de superfície do LP de 12 polegadas na capa do encarte do CD, sabíamos que deveria manter a arte mais iconográfica e adequada para o quadrado de 4,75. Também aproveitamos a oportunidade de preencher os painéis internos do encarte com novas artes para o tema específico de cada música. Capas dentro de capas. Um ajuste, certamente… mas formas de pensar mais novas e diferentes para melhorar a experiência do espectador.”

9. Vapor Trails (2002): “O culminar de anos de silêncio e cura. Mas foi maravilhoso colaborar novamente com Neil depois de cinco anos. Adorei como sua explicação sobre ‘Vapor Trails’ fala do flash de luz que conhecemos como nossa vida, como a vida é passageira como o cometa passando acima. Resisti a todas as fotografias da National Geographic ou da NASA e senti que deveríamos retratar o que é passageiro… com o que é passageiro. A pintura que fiz em um quadro quadrado de 18 polegadas foi feita entre o café da manhã e o almoço. Sempre foi concebido como um ‘esboço’ para a pintura real que eu havia planejado. Neil gostou da sensação do esboço, e foi com pouco ou nenhum convencimento que consegui acompanhar sua resposta imediata a ele. Tendo os retratos de Andrew como referência, trabalhei em um estilo mais urgente e gestual do que normalmente costumava fazer com (digamos) ‘Power Windows’ para completar os três retratos em menos de uma semana. Novamente, passageiro.”

10. Clockwork Angels (2012): “Aqui, pude desfrutar de um desvio considerável da nossa norma (embora, para crédito do Rush, ao contrário de tantos outros artistas, eles sempre planejaram com bastante antecedência – permitindo pelo menos seis meses para o desenvolvimento de cada projeto). Graças à extensão da turnê Time Machine para uma segunda etapa na Europa, e ao fato de eles terem apenas duas músicas concluídas para este ‘trabalho em andamento’, pude começar a trabalhar cedo e continuar por um período completo de 22 meses preparando a arte desta saga épica de Neil. À medida que as músicas eram concluídas e as letras lançadas, estávamos trabalhando praticamente em conjunto enquanto eles escreviam, ensaiavam e gravavam… Eu estava desenvolvendo cada ilustração para o álbum. Meu arquivo para este projeto permanece inalterado como o candidato ao título original ‘Steampunk Serenade’. Algumas coisas nunca mudam.”

11. A Farwell to Kings (1977): “Oh, e eu sempre gostei da de ‘A Farewell to Kings’ também…”

Hugh Syme além do Rush

Além da parceria com o Rush, Hugh Syme também assinou trabalhos para discos de bandas como Iron Maiden, Def Leppard, Stone Sour, Megadeth, Alice Cooper, Whitesnake, Queensrÿche, Aerosmith e Dream Theater, entre inúmeros outros.

Venceu 5 vezes o Juno Awards – o equivalente canadense do Grammy – em 18 indicações. Também colaborou musicalmente com Alice in Chains, Tiles e Ian Thomas Band.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioListasAs melhores capas de discos do Rush, segundo Hugh Syme
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades