Como os filmes de Quentin Tarantino estão todos conectados

Próprio cineasta já confirmou que seus longas fazem parte de um mesmo universo — que ainda está dividido em dois

Os universos cinematográficos estão em alta nas telonas, mas há anos, existe um que quase ninguém possui conhecimento: o “Tarantinoverso”. Sim, os filmes de Quentin Tarantino – incluindo os que foram apenas escritos por ele – se passam no mesmo universo.

Não é especulação, mas algo que o próprio cineasta já confirmou. O diretor fez a revelação em 2017.

- Advertisement -

Ele explicou que dentro neste universo cinematográfico suas obras, existem duas realidades distintas. São elas: os longas que se passam no mundo real e aqueles que são, na verdade, filmes que existem dentro da primeira opção.

A divisão é a seguinte (como a revelação foi feita em 2017, não é possível precisar onde “Era Uma Vez em… Hollywood”, de 2019, se encontra, ainda que aborde uma versão fictícia de uma história real):

  • Universo real: “Cães de Aluguel” (1992), “Amor à Queima Roupa” (1993), “Pulp Fiction” (1994), “Jackie Brown” (1997) “À Prova de Morte” (2007) “Bastardos Inglórios” (2009), “Django Livre” (2012) e “Os Oito Odiados” (2015);
  • Universo de filmes (que foram exibidos no real): “Assassinos por Natureza” (1994), “Um Drink no Inferno” (1996) e “Kill Bill” (2003).

As pistas de que os longas fazem parte de um mesmo universo são poucas e muito sutis, mas elas existem. A seguir, confira as principais delas.

Irmãos Vega

Em “Cães de Aluguel”, vimos que a maior parte personagens ganhou apenas apelidos, mas em determinado momento, descobrimos que Mr. Blonde se chama Vic Vega. É justamente o mesmo sobrenome de Vincent Vega, um dos protagonistas de “Pulp Fiction”. O próprio personagem do primeiro filme afirma em uma cena que possui um irmão.

Quentin Tarantino já afirmou que os dois personagens são, de fato, irmãos. O cineasta até chegou a revelar que queria fazer um filme com a dupla que se passasse antes dos dois longas, mas até hoje, a ideia nem saiu do papel – e pelo visto, nem irá.

Mais possíveis parentes

O exemplo dos irmãos Vega está longe de ser o único dentro desse universo de filmes de Quentin Tarantino. São vários os personagens nos trabalhos do cineasta que compartilham o mesmo sobrenome.

Como o próprio cineasta confirmou que seus longas fazem parte de um mesmo universo, não é nenhum absurdo afirmar que este personagens podem ser parentes – mesmo que se tratem de gerações bem distantes.

Leia também:  O grande diferencial de Jon Lord nos teclados, segundo Lars Ulrich

Outros exemplos incluem:

  • Mr. White/Larry Dimmick (“Cães de Aluguel”) e Jimmie Dimmick (“Pulp Fiction”);
  • Oswaldo Mobray/Peter Hicox (“Os Oito Odiados”) e Archie Hicox (“Bastardos Inglórios”);
  • Donny Donowitz (“Bastardos Inglórios”) e Lee Donowitz “Amor à Queima-Roupa);
  • Capitão Koons (“Pulp Fiction”) e Crazy Craig Koons (“Django Livre”, o personagem é apenas mencionado em um jornal).

“Fox Force Five” e “Kill Bill”

Mia Wallace pouco apareceu em “Pulp Fiction”, mas a personagem de Uma Thurman conseguiu ter seus momentos de protagonismo no longa. Em uma cena, ela revela para Vincent Vega que participou do episódio piloto de “Fox Force Five”, um show de TV sobre um time de agentes secretas.

O que chama a atenção nesse caso é a descrição dessas personagens. Uma é “a mulher mais mortífera do mundo com um faca”, enquanto também há uma mestre japonesa de kung fu, uma mulher afrodescendente que é especialista em armas e uma francesa considerada “especializada em sexo”.

São personagens que lembram as assassinas vistas nos dois filmes de “Kill Bill” – que foi estrelado justamente por Uma Thurman, intérprete de Mia Wallace. Teria os eventos do filme inspirado a criação dessa série de TV – ou vice-versa? Ou será que “Fox Force Five”, mais tarde, se transformou em “Kill Bill”?

A lápide de Paula Schultz

Em “Kill Bill: Volume 2”, há um momento em que a protagonista Noiva/Beatrix Kiddo é enterrada viva. O capítulo em questão se chama “A Lápide Solitária de Paula Schultz”, em referência ao nome presente na lápide do cemitério em que a personagem de Uma Thurman está.

Muitos fãs acreditam que Paula Schultz foi a provável esposa — ou uma parente próxima — de King Schultz, personagem importante de “Django Livre”. Tudo graças ao período em que ela viveu, que está registrado na lápide.

Bonnie e Alabama

O terceiro capítulo de “Pulp Fiction” retrata os protagonistas Vincent Vega e Jules Winnfield tentando se livrar de um cadáver na casa de Jimmie, amigo do personagem de Samuel L. Jackson, antes que sua esposa, Bonnie, chegue.

Já em “Cães de Aluguel”, o personagem Eddie, após descobrir que Mr. Orange foi baleado, menciona que conhece um enfermeira que pode ajudá-lo e que se chama justamente Bonnie – que pode se tratar da Bonnie mencionada acima.

Leia também:  Marvel pedirá que público não use celular no cinema durante “Deadpool & Wolverine”

No mesmo longa, Mr. White revela que já trabalhou com uma mulher chamada Alabama. Esse é o mesmo nome da personagem vivida por Patricia Arquette em “Amor à Queima-Roupa” e também podem ser a mesma pessoa.

Final de “Bastardos Inglórios” inspirou filme de “Era Uma Vez”?

Não sabemos exatamente em qual desses universos “Era Uma Vez em… Hollywood” se encontra. Contudo, podemos dizer que ele pode estar no real por conta de uma provável influência do final de “Bastardos Inglórios”.

Dentro do primeiro longa, há um filme chamado “The 14 Fists of McCluskey”, estrelado pelo protagonista Rick Dalton. Seu enredo se passa justamente durante a Segunda Guerra Mundial e nele, há uma cena em que o personagem do ator sai de trás de uma cortina e queima diversos nazistas com um lança-chamas.

Já o final de “Bastardos Inglórios” mostra o cinema em que diversos oficiais nazistas estão – incluindo o próprio Adolf Hitler – pegando fogo. É bem provável que o acontecimento (que botou um fim no conflito neste universo) tenha servido de inspiração para esta cena de “The 14 Fists of McCluskey”.

Cigarros Red Apple e Big Kahuna Burger

Por fim, Quentin Tarantino já revelou que não é fã de merchandising em seus filmes. Assim, dificilmente veremos uma marca famosa em um trabalho do diretor.

Como consequência, ele prefere criar marcas fictícias para seus filmes e duas delas se destacam: os cigarros Red Apple e rede de fast food Big Kahuna Burger.

A marca de cigarros já apareceu em diversos filmes do diretor. Inclusive, no final de “Era Uma Vez em… Hollywood”, o protagonista Rick Dalton surge, já nos créditos, gravando uma propaganda da Red Apple para, longe das câmeras, dizer que eles têm um gosto horrível.

O mesmo vale para a rede de fast food, que apareceu em vários trabalhos. O destaque fica por conta de “Pulp Fiction”, na famosa cena em que Jules Winnfield aparece comendo um hambúrguer da empresa.

*Texto com informações de Esquire, Screen Rant, Cinema Blend e Quentin Tarantino Fan Club.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesComo os filmes de Quentin Tarantino estão todos conectados
Augusto Ikeda
Augusto Ikedahttp://www.igormiranda.com.br
Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atua no mercado desde 2013 e já realizou trabalhos como assessor de imprensa, redator, repórter web e analista de marketing. É fã de esportes, tecnologia, música e cultura pop, mas sempre aberto a adquirir qualquer tipo de conhecimento.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades