Andy Latimer não liga que Camel tenha sido “menor” que Pink Floyd, Genesis e mais

Banda segue oficialmente na ativa até hoje, com o guitarrista e fundador no comando das ações

Fundado em 1971, o Camel é um das formações mais cultuadas entre os especialistas no rock progressivo. A banda segue na ativa até hoje, tendo o guitarrista Andrew “Andy” Latimer como único presente desde o começo. O baixista Colin Bass (sim, o baixista se chama Bass) o acompanha desde o final da primeira década, com Denis Clement (bateria) presente a partir de 2000 e Peter Jones (teclados e sintetizadores) desde 2016.

A longevidade garantiu status cult. A glória absoluta nunca veio. Apenas dois álbuns faturaram a premiação de disco de prata no Reino Unido: “The Snow Goose” (1975) e “Moonmadness” (1976), terceiro e quarto, respectivamente.

- Advertisement -

Mas o líder da empreitada garante que isso não o afeta. Ele declarou, em entrevista à revista Prog, após o repórter ressaltar que o grupo merecia mais:

“Isso é muito gentil da sua parte, mas é muito difícil para mim comentar de verdade! Eu nunca penso: ‘uau, nunca somos mencionados em revistas!’ ou qualquer coisa assim. Eu só acho que Genesis, Pink Floyd e ELP ganharam muito mais popularidade. Seus álbuns eram enormes.”

Ao invés de lamentar, Andrew prefere valorizar o que alcançou, mesmo sendo menos. O músico afirmou:

Leia também:  A música mais brega do Creed, segundo Scott Stapp

“Sempre aceitei quem éramos e de onde viemos. Realmente não penso sobre o motivo de não termos alcançado os mesmos patamares de outros. Isso não me ocorre. Fazemos o que fazemos e, se as pessoas gostarem, obviamente fiz algo certo e todos com quem toquei fizeram algo certo. Foi uma viagem interessante até hoje e sou um homem de sorte!”

Camel atualmente

O álbum de material inédito mais recente do Camel é “A Nod and a Wink”, de 2002. A banda está parada no momento devido a um problema de saúde de Andrew Latimer.

Há décadas ele enfrenta uma condição conhecida como policitemia, que causa produção excessiva de células sanguíneas. O diagnóstico resulta em sintomas como fraqueza, tonturas e falta de ar, além da formação de coágulos.

Leia também:  Entre a luz e as trevas: a história de “Headless Cross”, do Black Sabbath

O show mais recente aconteceu no dia 17 de setembro de 2018, no lendário Royal Albert Hall, em Londres. O evento foi registrado e lançado dois anos mais tarde em áudio e vídeo.

Oficialmente, o grupo ainda existe e pode retomar atividades caso seu líder esteja em condições.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesAndy Latimer não liga que Camel tenha sido “menor” que Pink Floyd,...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades