Lucifer segue agradando os adeptos de seu occult rock em “Lucifer V”

Quinto álbum da banda comandada por Johanna Sadonis os mantém como um prato cheio para adoradores de riffs e melodias sombrios

A despeito de preferências pessoais, ninguém pode dizer que o Lucifer não possui regularidade em sua discografia – tanto em termos sonoros quanto de produtividades. Obviamente, alguns discos acabam se destacando em detrimento de outros. Mas não dá para contestar de forma veemente qualquer lançamento dos comandados pela cantora alemã Johanna Sadonis.

Sendo assim, é bem provável que os conhecedores da obra da banda já saibam mais ou menos o que esperar de “Lucifer V”. O occult rock cheio de contornos metálicos e de hard rock se mantém cheio de referências dos anos 1970, além de atrações mais obscuras da década seguinte.

- Advertisement -

A formação atual do grupo conta com quatro instrumentistas suecos: o baterista – e marido da cantora – Nicke Andersson (The Hellacopters, Entombed), o baixista Harald Göthblad e os guitarristas Martin Nordin e Linus Björklund. Desde a abertura, com a inspirada “Fallen Angel”, fica muito claro o entrosamento e a inventividade de todos os envolvidos, que fazem o arroz com feijão para o brilho da frontwoman.

Leia também:  Roger Waters diz que Bono é “um m#rda” por apoiar Israel

E é justamente em Johanna que reside o diferencial do trabalho. Ela se permite arriscar algumas variações vocais sem desvirtuar o que já foi feito. É possível afirmar que não causaria nenhuma estranheza se o conjunto fosse uma carreira solo. Não por falta de aptidão dos instrumentistas, mas pelo tamanho da capacidade da idealizadora em capturar as atenções.

Vale destacar a pegada certeira “Maculate Heart”, principal momento do tracklist. Também há inspirações da NWOBHM (que vão muito além de Iron Maiden, Saxon e Def Leppard) em “Riding Reaper” e “A Coffin Has No Silver Lining”, esta disponibilizada como primeiro single ainda na metade de 2023. E provavelmente você não encontrará um título de música que a descreve de forma tão definitiva quanto o de “Slow Dance in a Crypt”.

No mês seguinte à chegada do álbum ao mercado, a banda sairá em turnê pela Europa com o Angel Witch, lendária banda da NWOBHM. No final do ano passado, a excursão foi pela América do Norte com outro nome cult da história, o Coven – giro apropriadamente denominado “The Satanic Panic Tour”. As duas atrações dão uma boa referência do que o ouvinte deve procurar após escutar “Lucifer V”.

Leia também:  Andreas Kisser diz que metal é um dos estilos com maior representatividade feminina

De um ponto de vista estritamente pessoal, ainda considero “Lucifer II” imbatível. Mas isso não apaga o brilho do novo play, que prossegue a história de Johanna e seus asseclas com total competência, os estabelecendo como um dos principais nomes do underground ocultista mundial.

*“Lucifer V” será lançado nesta sexta-feira (26) pela Nuclear Blast Records. Clique aqui para fazer o pré-save.

Lucifer – “Lucifer V”

  1. Fallen Angel
  2. At the Mortuary
  3. Riding Reaper
  4. Slow Dance in a Crypt
  5. A Coffin Has No Silver Lining
  6. Maculate Heart
  7. The Dead Don’t Speak
  8. Strange Sister
  9. Nothing Left To Lose But My Life

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioResenhasResenhas de discosLucifer segue agradando os adeptos de seu occult rock em “Lucifer V”
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades