Os 11 melhores guitarristas na opinião de Nita Strauss

Sobrou espaço até mesmo para dar uma “roubada” quando o assunto foi Metallica e Iron Maiden

Nita Strauss já é uma realidade do mundo das guitarras há certo tempo. Mesmo assim, a instrumentista não deixa de ser uma fã de grandes nomes do passado.

Em artigo à revista Revolver, ela citou 11 nomes que a influenciaram. Na verdade, são 14, partindo do princípio que os membros do Metallica e do Iron Maiden aparecem como uma só entidade em suas menções.

- Advertisement -

Dimebag Darrell: “Eu acho que Dime simplesmente tinha essa energia – seja na composição, nos solos, nos riffs, apenas no pacote completo. Ótimo desempenho, tudo o que você deseja em um guitar hero de metal. Simples, direto ao ponto. E o mais louco é que meu noivo, Josh [Villalta], assiste muito YouTube. Ele assiste muitos vídeos de shows ao vivo e muito Pantera em casa. É uma loucura pensar que aqueles caras festejavam muito, ficavam acordados, bebiam, todo o estilo de vida, e eram tão bons. Os solos de Dime eram limpos, é uma loucura pensar nisso. Estou sóbria e não consigo tocar tão bem. A maneira como ele acertava cada curva, cada nuance, cada grito. Sem mergulhos fracassados, sem curvas desafinadas. Ele era firme, preciso e limpo enquanto batia cabeça e corria. Simplesmente incrível.”

Zakk Wylde: “Sou uma grande fã do Zakk. Tive a chance de abrir para ele com minha banda solo no ano passado. E, novamente, ele é apenas um ótimo exemplo de alguém que é consistente e enérgico. Acho que poderíamos dizer a mesma coisa sobre todos na minha lista: eles parecem estar se divertindo. E para mim, é o que ressoa como guitarrista. Quando é tipo, ‘Cara, isso parece divertido. Eu quero fazer isso.’
Há tantos guitarristas por aí que fazem tudo parecer difícil e complicado que você pensa ‘Ah, eu nunca conseguiria fazer isso. Nem quero tentar.’ Quando vejo alguém como Zakk tocando, é o contrário. E os lendários harmônicos são algo que adoro. Eu sei que isso é uma espécie de ponto de discórdia entre diferentes guitarristas. Pessoalmente, não acho que exista uso excessivo de uma pitada harmônica. Sou grande fã.”

James Hetfield e Kirk Hammett: “Eu meio que penso em James Hetfield e Kirk Hammett como dois lados da mesma moeda. Um é obviamente mais conhecido por tocar ritmo e o outro pelos solos. Realmente acho que James é um herói pouco reconhecido. Quando você ouve os solos que ele faz durante o show, eles são imaculados, firmes, saborosos e legais. Mesma coisa com o ritmo de Kirk. Então, os dois são muito bons naquilo pelo que o outro é conhecido, mas juntos, essa dupla dinâmica compõe algumas das músicas de guitarra mais lendárias de todos os tempos.”

Adrian Smith, Dave Murray e Janick Gers: “Obviamente, tenho um conhecimento bastante íntimo de como tocar músicas do Iron Maiden. Passei alguns anos tocando em uma banda tributo, a The Iron Maidens. Mas também sou grande fã do ataque triplo e passei 10 anos em uma banda de três guitarras com Ryan Roxie e Tommy Henriksen no Alice Cooper. Amo o que o Maiden faz com Adrian Smith, Janick Gers e Dave Murray. Eu acho que é tão legal. Assim como fazemos na banda de Alice, todos os três trazem suas nuances particulares.
Eles são três guitarristas muito diferentes e o que fazem combina muito bem. Eu fiz o papel de Dave Murray quando estava na The Iron Maidens, o que foi uma educação muito legal para mim, porque acho que naturalmente sou muito mais no estilo de Adrian Smith. Minhas tendências naturais são me afastar desse tipo de estilo blues-rock e ir mais para o reino neoclássico de tocar. Então foi legal tocar os solos de Dave Murray e realmente me inclinar mais para aquele tipo de vibração pentatônica baseada no blues.”

Marty Friedman: “A primeira vez que ouvi uma música de heavy metal, eu tinha 13 anos e estava começando a tocar guitarra. Tinha acabado de ver o filme ‘Crossroads’, então sabia sobre Steve Vai e Joe Satriani e outras coisas, mas estava começando a gostar de metal. E na época, a Pizza Hut ou uma dessas pizzarias tinha uma promoção onde se você pedisse uma certa quantidade de pizzas, poderia preencher esse formulário e ganhar um CD de amostra de músicas novas. Foi a promoção mais legal da época. Eram os primórdios da internet, você podia entrar na internet e escolher cinco músicas ou algo assim e eles te mandavam o CD.
Então, meu pai estava olhando por cima do meu ombro e disse: ‘Oh, pegue essa música do Al Green’. Acho que tenho ‘Tired of Being Alone’ e algumas outras coisas. E então eu tinha uma música sobrando das cinco, e vi esse nome na lista e era Megadeth. Eu não sabia quem era nem nada, mas pensei, ‘Megadeth, isso é legal’. Então escolhi uma música chamada ‘Trust’. Quando o CD chegou, eu o coloquei e ouvi a música do Al Green e tudo o mais que estava lá.
E então eu me lembro tão claramente do trovão – agora eu sei que é Nick Menza – com essa introdução estrondosa do tom, a linha de guitarra muito lânguida chegando, esses swells característicos de Marty Friedman. Quando aquele riff começou, eu fiquei impressionada. Fui jogada para o fundo da sala. Veio o solo, o riff e tudo mais. É a isso que credito o meu amor pelo heavy metal até hoje.”

Jeff Loomis: “As primeiras coisas que gostei da forma de tocar de Jeff Loomis foram, na verdade, seus trabalhos solo. Eu sei que a maioria das pessoas ouviu falar dele pela primeira vez através do Nevermore, mas eu o conheci através de ‘Plains of Oblivion’. E foi realmente uma base pesada para o que eu queria fazer com meu primeiro disco, ‘Controlled Chaos’, que era todo instrumental. Pensei, ‘Bem, eu quero fazer algo parecido com o que Jeff fez’. Era tão legal, tão pesado. Tem músicas de metal simples, mas não de um jeito direto.
Como muita música solo instrumental, é estranho, é fora do horário, não tem verso específico, pré-chorus ou refrão. Senti que ele realmente criava músicas que poderiam ter um vocalista e apenas usou sua guitarra na função. Achei isso muito legal. E, claro, adorei o que ele fez com o Nevermore. Amo o que está fazendo agora com o Arch Enemy. Mas para mim, a música solo de Jeff Loomis é onde ele simplesmente brilha.”

Andy James: “Falando de guitarristas mais novos na mesma linha, eu amo o trabalho solo de Andy James. Acompanho sua carreira há muitos anos. É incrível ver alguém assim entrar no Five Finger Death Punch e ter um lugar grande para ocupar. Acho que ele encaixou perfeitamente e está fazendo um trabalho incrível. É ótimo ver um guitarrista que acompanho e admiro há tantos anos chegar aos holofotes.”

John 5: “Estamos em turnê agora e acabei de ver John 5 tocar com o Mötley Crüe pela primeira vez. Vi-o pela primeira vez com Rob Zombie, é claro. Minha banda solo abriu alguns shows para ele também, e eu pude vê-lo tocar, o que foi um prazer. É o sonho de um guitarrista de ver o show do John 5 fazendo o que ele faz em uma boate, porque todo mundo sabe o quão bom ele é.
John 5 costumava ser o segredo mais bem guardado da guitarra quando tocava com Rob Zombie. E acho que agora todo mundo sabe e pensa: ‘Ah, aquele cara, é claro que John 5 pode brincar de círculos com qualquer pessoa’. Mas só de vê-lo com o Mötley, especialmente, foi um prazer. Porque fiz uma turnê com a formação original do Crüe por dois anos em 2014 e 2015, e pude ver Mick Mars. Ele era tão bom, impossível para todos nós imaginar quem poderia se colocar no lugar.
E John, posso dizer que como guitarrista, está fazendo isso com muita reverência e muito respeito. Quando tem seu próprio lugar solo, está fazendo aquela coisa do John 5, tocando e destruindo. Filmei seu solo de guitarra ontem à noite. São três minutos de derreter o rosto, incrível.
Mas quando ele toca os solos clássicos do Mötley Crüe, ele está realmente fazendo uma homenagem a Mick, tocando como se fosse o disco. Não enfeita muito, nem adiciona o que não cabe na música. E você pode ver que é um cara muito sério. Eu entendo perfeitamente porque me sinto assim no palco com Alice.”

The Great Kat: “Há tantas guitarristas incríveis surgindo, mas estou pensando no escalão superior, no topo do topo. Então, vamos voltar aos velhos tempos da grande Kat Thomas. Acho que numa época em que não havia muitas – e quando digo poucas mulheres, quero dizer realmente ninguém –  ela era a única que fazia metal. Jennifer Batten estava tocando com Michael Jackson, fazendo uma música solo incrível. Vixen, Heart e The Runaways, todo mundo estava fazendo um rock incrível, mas eu sinto que The Great Kat foi a primeiro realmente metal.
Ela fez as coisas do ‘Bloody Vivaldi’, pingando sangue e tocando Paganini. Acredito que ela era uma violinista clássica formada pela Juilliard. Então foi tão legal ver alguém pegar uma formação tão tradicional e clássica e levar ao metal, mostrando a língua e coberta de sangue e couro preto. Quando eu era uma jovem metaleira em busca de inspiração feminina para guitarra, ela era a garota mais metal que eu conhecia.”

Alexi Laiho: “Um fato pouco conhecido sobre mim é o quão grande fã de Children of Bodom eu sou, especialmente enquanto crescia. Tinha duas guitarras ESP Alexi Laiho: a AL 200 e a 600. Passei muitos anos debruçada sobre o estilo metal de Gotemburgo, ouvindo Soilwork, In Flames e Children of Bodom, realmente tentando imitar. Acho que você ouve muito dessa influência no que eu faço. Alexi, em particular, foi alguém que realmente levou isso adiante por ser não apenas um grande guitarrista, mas uma grande personalidade. Uma figura divertida de assistir no palco.
Eu vi muitos shows do Children of Bodom. E as músicas soam divertidas de uma forma que muitos outros metais não são. Eu gosto de diversão enquanto toco. É uma espécie de tema recorrente nos meus guitarristas favoritos. O Children of Bodom, por falta de uma palavra melhor, é quase como um metal animado e divertido. Você tem muitas músicas uptempo. Mesmo as mais lentas e de andamento médio têm esse tipo de balanço, aquele groove. E eu sempre gostei muito da forma de tocar de Alexi, de seus riffs e de suas composições. Então, descanse em paz como uma lenda.”

Synyster Gates: “Eu fiz alguns shows da Warped Tour quando era adolescente, e o Avenged Sevenfold estava promovendo ‘City of Evil’. Só me lembro de assistir Synyster Gates ainda jovem. E houve uma vez em que estávamos no palco, em um pequeno canto, e o Avenged estava no palco principal. Estava fazendo meu show e olhava para eles. Podia ouvi-los entre as músicas.
Lembro de ter pensado: ‘Um dia estarei no palco principal’. Eu podia vê-los correndo de um lado para o outro, se apresentando. Vi-os recentemente no Welcome to Rockville. Tão bons e divertidos quanto em 2005. Trazer esse tipo de harmonia neoclássica de guitarra dupla para as massas, do jeito que eles fizeram, foi simplesmente incrível.”

Nita Strauss atualmente

Atualmente, além da banda de Alice Cooper, Nita Strauss também comanda sua carreira solo e toca com Demi Lovato.

Leia também:  A curiosa razão que faz Liam Gallagher pensar que Noel topará reunir Oasis

Em 2023 ela lançou o álbum “The Call of the Void”. Ao contrário do primeiro, “Controlled Chaos” (2018), completamente instrumental, o segundo trazia metade do tracklist com faixas cantadas por vocalistas convidados.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioListasOs 11 melhores guitarristas na opinião de Nita Strauss
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades