Queensrÿche recebeu oferta “obscena” em dinheiro para reunir formação clássica

Integrantes responsáveis pelos álbuns mais conhecidos da banda não tocam juntos desde 1998

A formação clássica do Queensrÿche não existe desde 1998, quando o guitarrista Chris DeGarmo deixou o grupo por questões pessoais.

Em 2012, o vocalista Geoff Tate foi convidado a se retirar após uma série de desentendimentos, que teve seu auge na passagem de som antes de uma apresentação em São Paulo, quando teria cuspido e se atracado a socos com o baterista Scott Rockenfield. O próprio Scott se retirou em 2017, alegando precisar de tempo para cuidar do filho recém-nascido – e nunca mais voltando.

Durante aparição no programa “Trunk Nation With Eddie Trunk” da SiriusXM, Geoff revelou que o lineup clássico já recebeu boas propostas para uma reunião. Porém, a situação não seguiu adiante. Conforme transcrito pelo Blabbermouth, ele disse:

“Já nos ofereceram quantias obscenas por um reencontro. Seria uma turnê e nunca mais precisaríamos nos falar. Mas algumas pessoas da banda recusaram, não estão interessados ​​em fazer isso. Talvez a única motivação fosse o dinheiro, mas se nem isso funcionou, não vejo mais esperanças.

Um sonho artístico também não seria um motivador, então não há mais nada. Obviamente, todos estão felizes na posição em que se encontram, eu inclusive. Amo o que faço, adoro viajar e tocar para as pessoas. Estou com 63 anos, ainda feliz e saudável.”

O cantor prefere ver o lado positivo da história, exaltando o tempo que a banda durou, ao invés de pensar nos motivos de não estar mais junto dos antigos companheiros.

“Conseguimos nos manter por muitos anos. Era um navio muito, muito bem administrado e lucrativo. Fizemos discos ótimos, turnês mundiais e amizades. Sempre serei grato por isso. Não significa que esse tempo teria que durar para sempre. Há coisas novas para se viver, mais música a ser feita e mais público para nos ver.”

Queensrÿche e Geoff Tate

O Queensrÿche segue na ativa com o guitarrista Michael Wilton e o baixista Eddie Jackson como remanescentes do passado. O vocalista Todd La Torre completa o time, além do guitarrista Mike Stone e o baterista Casey Grillo como membros convidados. A banda prepara um novo trabalho neste momento. “The Verdict”, o mais recente, saiu em 2019.

Após ter usado o nome da banda em um projeto que coexistiu paralelamente, Geoff Tate comanda o Operation: Mindcrime, que leva o nome do álbum referencial de seu antigo conjunto, lançado em 1988.

O Queensrÿche teve seu auge comercial na segunda metade da década de 1980 e início dos anos 1990, vendendo mais de 20 milhões de discos em todo o mundo.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
13
Share