Foto: Clay Lancaster

David Ellefson se manifesta pela primeira vez desde demissão do Megadeth

Músico garante que irá processar responsável por vazamento de suas filmagens íntimas e deseja sorte a companheiros da banda

David Ellefson rompeu o silêncio. O baixista do Megadeth divulgou seu primeiro comunicado à imprensa desde sua demissão da banda, causada pelo vazamento de vídeos íntimos no início deste mês.

No texto, divulgado a veículos de imprensa no exterior, o músico fala sobre a divulgação de suas filmagens pessoais, garantindo que processará o responsável por tais publicações. A demissão não é comentada – apenas ao fim da nota, Ellefson diz desejar o melhor a seus “companheiros de banda em sua próxima turnê”.

Leia:

“Recentemente, um vídeo muito privado foi postado ilegalmente na internet e falsas alegações foram feitas contra mim. As ações no vídeo foram entre dois adultos em consentimento e foram gravadas sem meu conhecimento.

Estou trabalhando com o departamento de polícia de Scottsdale na investigação das acusações de pornografia de vingança contra a pessoa que postou este vídeo. Além disso, meus advogados estão preparando uma ação por difamação contra essa pessoa. Essa pessoa será processada em toda a extensão da lei.

Estou aproveitando este tempo para estar com minha família. Desejo aos meus companheiros de banda o melhor em sua próxima turnê.”

A demissão do Megadeth

Em um texto assinado pelo vocalista, guitarrista e líder Dave Mustaine, o Megadeth informou pelas redes sociais que David Ellefson não faria mais parte da banda.

“Informamos aos fãs que David Ellefson não tocará mais com o Megadeth e que estamos oficialmente rompendo com ele. Não tomamos essa decisão levianamente.

Embora não saibamos todos os detalhes do ocorrido, com uma relação já tensa, o que já foi revelado agora é suficiente para que o trabalho conjunto não possa ter sequência.

Estamos ansiosos para ver nossos fãs na estrada neste verão (inverno no Hemisfério Sul) e mal podemos esperar para compartilhar nossas novas músicas com o mundo. Estão quase completas.”

Ellefson é um dos membros fundadores do Megadeth, ao lado de Mustaine. O músico estava em sua segunda passagem pela banda, que havia encerrado atividades em 2002, mas voltou sem ele em 2004 – o baixista só retomou sua vaga em 2010.

O Megadeth está em processo de gravação de um novo álbum, sucedendo “Dystopia” (2016), que ainda não tem título ou data de lançamento confirmados. As sessões foram interrompidas, em 2019, após Mustaine ter sido diagnosticado com câncer.

Vazamentos de David Ellefson

A saída de David Ellefson está diretamente relacionada ao já mencionado vazamento de vídeos íntimos. Na ocasião, ele foi acusado de aparecer nu e manter contato sexual à distância com uma menor de idade.

Quando que o escândalo tomou as redes, no início do mês, o baixista havia se manifestado da seguinte forma:

“Algumas conversas e interações privadas e pessoais surgiram online, sendo divulgadas com má intenção por um terceiro que não estava autorizado a tê-las ou compartilhá-las. Embora seja constrangedor, quero abordar isso da forma mais aberta e honesta possível.

Por mais que não seja algo que me orgulhe, eram interações adultas, privadas, que foram tiradas do contexto e manipuladas para infligir o máximo de dano à minha reputação, à minha carreira e à minha família.”

David ainda compartilhou uma publicação que seria da mulher que teve as interações virtuais, de tom íntimo, com ele. O baixista completou:

“A outra parte envolvida divulgou um comunicado que você pode ver aqui. Eu a agradeço por ter feito isso e espero que isso esclareça que a situação não foi como apresentado.”

Na postagem divulgada por Ellefson, a mulher envolvida no caso declarou:

“Sou a garota que as pessoas estão falando nos posts sobre David Ellefson e quero contar meu lado da história, pois as pessoas estão compartilhando informações falsas e a situação está saindo do controle. Sim, aquelas videochamadas aconteceram, mas fui eu que as iniciei e eu não era menor de idade, sempre fui uma adulta que consentiu.

Nada inapropriado aconteceu antes disso. Foi tudo consensual, não sou vítima e não houve ‘grooming’ (corrupção de menores). Fui apenas inocente de gravar e mandar a uma pessoa sem a permissão dele. Foi tudo consensual e online. Não sei como chegou a esse ponto, mas muitas informações estão sendo omitidas por pessoas que querem afetá-lo. Peço a todos para que parem de compartilhar esses vídeos privados ou informações pessoais.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados
Total
0
Share