Destaque Resenhas

Fantastic Negrito lança Have You Lost Your Mind Yet?, o álbum que você deveria ouvir hoje


Fantastic Negrito lançou um novo álbum nesta sexta-feira (14). O cantor, vencedor de dois prêmios Grammy na categoria de blues contemporâneo, divulgou o disco ‘Have You Lost Your Mind Yet?’ pela Cooking Vinyl / Blackball Universe. É o quarto de sua carreira adotando o nome artístico em questão.

Ouça a seguir, via Spotify ou YouTube (playlist). O álbum será comentado nos parágrafos abaixo.

 

 

‘Have You Lost Your Mind Yet?’ é inspirado e remanescente dos álbuns sociopolíticos vindos da América negra no final dos anos 60 e 70. Das letras ácidas e necessárias às melodias recheadas de criatividade, este álbum berra referências à Motown e ao blues, além de trazer elementos de contemporaneidade, quase sempre oriundos do hip hop.

Em nota, Xavier Amin Dphrepaulezz – o homem por trás da alcunha Fantastic Negrito – explica o que influenciou o novo trabalho. “Nos dois primeiros álbuns, escrevi sobre tópicos amplos. A proliferação de violência armada, gentrificação e falta de moradia, empresas farmacêuticas que atacam o povo. Neste álbum, eu queria escrever sobre pessoas que eu conhecia, pessoas com quem cresci, pessoas cujas vidas eu poderia afetar pessoalmente e cujas vidas me impactaram. Foi o álbum mais difícil que eu já escrevi”, completa.

Dificuldades à parte, o esforço valeu a pena. Tudo funciona bem aqui. Rock, blues, hip hop, funk, soul, R&B… esse é um disco de música, não de um ou outro gênero, e retrata a expressão artística de um sujeito peculiar, que já se destacava com seus trabalhos anteriores, mas buscou ir além.

É importante lembrar que a temática e as letras já estavam prontas antes dos protestos contra o racismo nos Estados Unidos. A morte brutal de George Floyd reacendeu o debate, mas não foi necessária para que Fantastic Negrito tivesse alguma inspiração. Afinal de contas, ele sente o preconceito desde 1968 e acredita que nos últimos anos, desde que Donald Trump chegou ao poder nos Estados Unidos, essa situação piorou.

‘Chocolate Samurai’ abre o álbum com uma atmosfera ótima. É um rock retrô com um pé e meio no funk clássico. ‘I’m So Happy I Cry’ e ‘How Long?’ soam como músicas-irmãs – a primeira, mais contemporânea e com a participação do Tank and the Bangas; a segunda, embebida na melancolia que carrega a letra, tão pontual ao discutir sobre a “cultura do cancelamento”, nem sempre com os alvos bem determinados.

A vinheta ‘Shigamabu Blues’ introduz outra canção que não só dialoga com o hip hop como traz um rapper, E-40, para participar. Na sequência, o blues toma conta em ‘Your Sex Is Overrated’, com direito a um solo de guitarra matador de Masa Kohama. ‘These Are My Friends’, com sua veia soul e groove peculiar, soa como uma (boa) sobra do álbum anterior, ‘Please Don’t Be Dead’.

‘All Up In My Space’, mesmo com suas batidas eletrônicas incorporadas na primeira metade, soa climática e adequada na tracklist, além de ter um solo de órgão surpreendente. Outra vinheta, ‘Justice In America’, deixa um recado claro e encaminha o álbum para seu fim, com ‘King Frustration’ e ‘Platypus Dipster’, que se aproximam do rock de formas distintas, mas igualmente envolventes.

Não é exagero credenciar ‘Have You Lost Your Mind Yet?’ como um dos melhores álbuns de 2020. Tem todos os elementos que compõem um bom álbum, independentemente de gênero musical. Tem início, meio e fim. Tem contexto. Tem acidez, mas tem leveza. Passeia por muitas referências musicais de forma identitária.

O mais impressionante é que Fantastic Negrito poderia se acomodar com as conquistas dos trabalhos anteriores, que renderam dois Grammys a ele. Mas não seria honesto. Não retratraria quem é Xavier Amin Dphrepaulezz, ainda mais no momento desafiador que vivemos na atualidade.

O álbum está representado na playlist de lançamentos, atualizada semanalmente. Siga e dê o play:

Veja, abaixo, a capa e a tracklist de ‘Have You Lost Your Mind Yet?’:

1. Chocolate Samurai
2. I’m So Happy I Cry
3. How Long?
4. Shigamabu Blues
5. Searching For Captain Save A Hoe
6. Your Sex Is Overrated
7. These Are My Friends
8. All Up In My Space
9. Justice In America
10. King Frustration
11. Platypus Dipster

Sobre Fantastic Negrito

Embora seja considerado um fenômeno recente da música alternativa – misturando blues com rock, R&B e pitadas de sons mais contemporâneos -, não é de agora que Fantastic Negrito está na música. Nascido em 1968, veio de uma família muito religiosa e envolveu-se com o mundo do crime na adolescência. O refúgio foi a música: ele aprendeu a tocar “invadindo” aulas da faculdade de música da Universidade da Califórnia em Berkeley, mesmo não sendo estudante.

Na década de 1990, lançou-se como artista sob o nome Xavier e, sob muita expectativa, lançou seu primeiro álbum, ‘The X Factor’ (1996), pela gravadora Interscope. O disco não vingou e decepcionou nas vendas. Em 1999, sofreu um grave acidente de carro que o deixou em coma por três semanas e comprometeu parcialmente os movimentos de sua mão direita. Foi aí que surgiu a necessidade de repensar a vida.

Após afastar-se da música por anos e trabalhar como fazendeiro, cultivando maconha, Fantastic Negrito retornou à música e lançou três álbuns: ‘Fantastic Negrito’ (2014), ‘The Last Days of Oakland’ (2016) e ‘Please Don’t Be Dead’ (2018). Os dois últimos venceram prêmios Grammy na categoria Melhor Álbum de Blues Contemporâneo, em 2016 e 2019.

Também em 2019, Negrito esteve no Brasil para um show e concedeu uma entrevista exclusiva ao site. Clique aqui para acessar.


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *