Curiosidades Notícias

Andreas Kisser afirma que show do Kiss no Brasil em 1983 mudou a vida dele



A primeira passagem do Kiss pelo Brasil, com a turnê ‘Creatures of the Night’, em 1983, mudou a vida de Andreas Kisser, então com 14 anos. O guitarrista do Sepultura falou sobre a influência da banda em entrevista ao site dos amplificadores Orange.

“Minhas duas bandas principais são Kiss e Queen. O Queen veio ao Brasil em 1981, mas minha mãe não deixou eu ir ao show porque eu era novo demais. Daí, o Kiss veio em 1983 e foi meu primeiro show”, afirmou.

O músico comenta que a experiência estabeleceu um novo padrão em sua vida. “Poder ver o Kiss ao vivo na turnê ‘Creatures of the Night’ foi insano, mudou minha vida. É por causa disso que estou aqui. Vê-los na minha cidade, no estádio do meu time de futebol (Morumbi, do São Paulo), como eu disse, mudou tudo”, disse.

– Veja: 10 músicas do Kiss que têm proximidade com o metal

Naturalmente, outras influências apareceram na vida de Andreas. “Quando comecei a tocar, minha meta era aprender ‘Stairway to Heaven’ (Led Zeppelin). Minha professora me ensinou o básico e um bom terreno para aprender gradualmente. Comecei com música brasileira acústica antes de seguir em frente. Expandi para bandas como Iron Maiden, Judas Priest, Black Sabbath, Deep Purple, Jimi Hendrix e Cream. Também sou inspirado pela música brasileira e quando fui ficando mais velho, peguei muita coisa antiga do Brasil que influenciou o Sepultura”, afirmou.

Curiosamente, as influências iniciais de Andreas Kisser fogem um pouco da música pesada. Além de Beatles, ele gostava de ouvir Roberto Carlos e Tonico e Tinoco.

Resenha: Sepultura volta a surpreender com o novo álbum Quadra

Kiss no Brasil em 1983

A primeira turnê do Kiss pelo Brasil, certamente, influenciou muita gente a gostar de música pesada. Na época, a banda estava promovendo um de seus álbuns mais pesados, o já citado ‘Creatures of the Night’ (1982), além de ter cenografia e performance musical semelhantes às bandas de heavy metal daquele período.

O show realizado no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, quebrou o recorde de público para uma apresentação solo: aproximadamente 250 mil pessoas presenciaram a apresentação. Outras 30 mil e 60 mil assistiram às performances em Belo Horizonte e São Paulo, respectivamente.

O cenário não era o mesmo em outros locais do mundo. Em baixa, o Kiss tocou para locais vazios pela América do Norte, recusando-se a migrar para teatros e casas menores. O público girava, em média, entre 3 a 6 mil pessoas, com exceção das datas no Brasil, único país da América do Sul pelo qual a tour passou.

– Vinnie Vincent revela as músicas que traria ao Kiss após ‘Lick It Up’


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *