Notícias

Brian May nega alegações de Sacha Baron Cohen sobre Bohemian Rhapsody


Em 2016, o ator Sacha Baron Cohen chamou a atenção ao revelar, em entrevista a Howard Stern, que o projeto inicial do filme que se tornaria “Bohemian Rhapsody” era mostrar como o Queen seguiu sem Freddie Mercury, falecido em 1991. Cohen era, inclusive, cotado para assumir o papel do vocalista na produção. No entanto, o guitarrista Brian May desmentiu a declaração do intérprete, embora não o tenha citado, em recente bate-papo com a revista Classic Rock.

Na ocasião, Sacha Baron Cohen disse: “Não deveria ter ficado tanto tempo envolvido, pois na primeira reunião, anos atrás, um dos membros da banda disse: ‘esse filme será ótimo, porque o que acontece no meio é excelente’. Perguntei o que seria e ele respondeu: ‘Freddie morre, ué’. Deduzi que seria como ‘Pulp Fiction’, em que o meio é o fim, mas ele disse: ‘não, será normal’. Perguntei o que teria na segunda metade e ele explicou: ‘vamos mostrar como a banda seguiu em frente fazendo sucesso’. Eu falei: ‘cara, ninguém vai querer ver um filme em que o protagonista morre de Aids no meio e a carreira de seu grupo continua'”.

Brian May, por sua vez, destacou que as alegações sobre o projeto inicial do filme são “totalmente mentiras”. O guitarrista afirmou que o plano sempre foi encerrar o longa com o show do Live Aid, de 1985, visto por May como o auge do Queen.

“Há um ponto culminante ali. E sempre foi o caso, desde os primeiros roteiros. Sentimos que aquele era o auge, apesar do que algumas pessoas disseram à imprensa, que ‘sabem da p*rra toda’. Alguém cujo nome não será citado disse: ‘oh, eles vão mostrar Freddie morrendo no meio do filme e todo o resto será sobre a vida sem Freddie’. Totalmente mentira. É tudo sobre Freddie e acho que o Live Aid é um bom ponto para encerrar”, afirmou.

“Quem sabe, talvez o filme ganhe uma sequência”, concluiu May, aos risos e em tom de brincadeira.

– Cena do Live Aid em Bohemian Rhapsody foi filmada em um take só

O papel de Freddie Mercury em “Bohemian Rhapsody” acabou ficando com Rami Malek após Sacha Baron Cohen ter discordado do viés que o longa-metragem teria. Ele queria que a história mostrasse a vida pessoal de Mercury, com direito a classificação indicativa para maiores de 18 anos, enquanto que o roteiro indicava foco na trajetória profissional do cantor.

Durante a mesma entrevista à Classic Rock, Brian May disse que seria “um desastre” se Sacha Baron Cohen fosse escalado para o papel. “Acho que percebemos bem na hora o tamanho do desastre. E não era difícil perceber isso. Mas, sim, foi um dos problemas que quase tivemos. Acho que estávamos nervosos no começo, quando a seleção começou. É algo difícil de se pensar: alguém fazendo um papel sobre você”, disse.


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Apaixonado por rock desde a pré-adolescência, começou a escrever sobre música na internet em 2007. Anos depois, co-fundou o site Van do Halen e trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia. Atualmente, é redator-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia sites como o Cifras, Ei Nerd e outros. Também é redator do Whiplash.Net, o maior site de rock e heavy metal do Brasil.
http://igormiranda.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *