Notícias

Steve Perry abre o jogo sobre sua saída do Journey: ‘esponja torcida’



O vocalista Steve Perry sacramentou seu retorno ao anunciar um novo disco, intitulado “Traces”, para 5 de outubro. O cantor também liberou o clipe do single “No Erasin'”. É o primeiro trabalho musical do artista desde sua saída do Journey, há duas décadas.

Em entrevista ao jornalista Eddie Trunk (transcrição via Blabbermouth), Steve Perry abriu o jogo sobre a sua saída do Journey, sobre a qual ele praticamente não comentava, já que concedia raríssimas entrevistas. O cantor destacou que estava se sentindo desgastado pelo ritmo da banda e precisava de tempo para se restruturar.

“Saí porque estava realmente esgotado. Meu amor pela música estava ficando realmente questionável em meu coração e eu tive que parar. Não há forma fácil de parar, deixar a nave-mãe que tanto amei e para a qual tanto trabalhei com os caras. Não contei a ninguém, apenas segui trabalhando. De repente, me bateu e eu disse: ‘não posso mais fazer isso’. A banda me olhou e disse: ‘o quê?'”, contou.

– Leia: Steve Perry revela que ‘desapareceu’ porque deixou de amar a música

Perry entendia que não dava para “jogar tão facilmente uma bomba desse tamanho” nos fãs, mas que era necessário. “Assim que parei, percebi que precisaria estar bem por mim, em meus termos, sem o amor, a adoração e o aplauso. Quis que as rodas tocassem o chão. Precisava descomprimir”, afirmou.

Ao sair do Journey, Steve Perry voltou para a sua cidade natal – Hanford, Califórnia, nos Estados Unidos – e tentou se reconectar às suas origens visitando seus amigos e locais que fizeram parte de sua história. “Eu tinha uma moto Harley-Davidson que deixava guardada e usei-a para ir nessas estradas do interior. Na época, você não precisava de um capacete. Eu só dirigia aquela Harley naquelas estradas antigas, deixando o vento bater e pensando nas coisas”, disse.

Para o vocalista, foi necessário esperar a convicção de que se a música voltasse ao coração dele, daria para retomar a carreira. “Se não, eu já havia vivido o sonho dos sonhos. Conquistamos tanto como um grupo. Eu precisava ver o que aconteceria. Eu estava como uma esponja torcida. Não havia mais nada em mim. Quando criança, a música salvou minha vida. Quando ouvia aqueles ritmos antigos, as vozes e as composições, era o lugar para onde eu poderia ir quando minha família estava se despedaçando”, afirmou o cantor, que é filho único e teve que lidar com o divórcio dos pais na infância.

Por fim, Steve Perry pontuou que não está reclamando de suas conquistas, mas que está consciente de que muitas pessoas não sobreviveram no negócio da música. “Havia alguns comportamentos ‘extraestimulativos’ na época. Eu poderia continuar nisso, mas não preencheria o buraco que eu sabia que estava se abrindo. Então, tive que parar. Não há forma fácil de se fazer isso, eu só tive que fazer. Fui a jogos de beisebol, ia à feira, viajava de férias, ia ao cinema, fazia coisas que todos faziam. Só precisava ter uma vida normal”, afirmou.

* Siga IgorMiranda.com.br no InstagramFacebook e Twitter.


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *