Resenhas

Thin Lizzy: 35 anos de “Black Rose: A Rock Legend”


Thin Lizzy: “Black Rose: A Rock Legend”
Lançado em 13 de abril de 1979

Após a boa fase que o Thin Lizzy viveu com a formação que hoje é tida como a clássica, a banda sofreu sua primeira baixa. O guitarrista Brian Robertson decidiu deixar o grupo graças às divergências musicais e até pessoais com o líder Phil Lynott. Para assumir o posto, Gary Moore foi convocado. Ele já havia feito parte do grupo durante os quatro primeiros meses de 1974 e gravou a faixa “Still In Love With You”, bela balada do álbum “Nightlife”.

Mesmo sem Robertson e muitos os motivos para o Thin Lizzy fracassar – já que Lynott e o outro guitarrista, Scott Gorham, estavam mais do que afundados nas drogas –, o grupo gravou “Black Rose: A Rock Legend”, que pode ser considerado como um dos álbuns definitivos da banda. Os motivos são básicos: a quantidade de clássicos, o amadurecimento musical e a boa repercussão por todo o mundo – com uma segunda posição nas paradas inglesas, a mais alta que atingiram por lá.

A sonoridade de “Black Rose: A Rock Legend” é semelhante àquela dos álbuns gravados anteriormente. Estruturalmente, não há uma mudança substancial. Entre as características notáveis, estão as famosas guitarras “gêmeas”, destacadas e potentes linhas de baixo em contraponto à bateria básica e direta, ótimas composições e a peculiar voz de Phil Lynott.

O diferencial seriam as energias renovadas. Phil Lynott parece ter dado seu máximo nas composições. A inspiração é notável em todas as faixas, da sadomasoquista swingada “S&M” à balada que ele fez à própria filha, “Sarah”. Scott Gorham e o endiabrado Gary Moore (um dos melhores guitarristas da história) parecem competir de forma saudável, cada um com sua forma de tocar – e ambos se superaram com isso. E Brian Downey está um pouco mais técnico com as baquetas.

Vale mencionar, inclusive, que as temáticas tradicionais irlandesas voltam em “Black Rose: A Rock Legend”. Os elementos são perceptíveis principalmente na faixa título (nomeada também como “Róisín Dubh”). A canção contém uma espécie de medley de canções tradicionais da Irlanda ao decorrer dos 7 minutos de duração.

Não há destaques para um disco como “Black Rose: A Rock Legend”, isento de fillers e aproveitável do início ao fim. Da paulada inicial “Do Anything You Want To” à complexa e trabalhadíssima faixa título, que encerra o trabalho; das legitimamente hard rock “Waiting For An Alibi” e “Get Out Of Here” à melódica “With Love”, trata-se do melhor álbum do Thin Lizzy.

Phil Lynott (vocal, baixo, violão de 12 cordas)
Scott Gorham (guitarra)
Gary Moore (guitarra)
Brian Downey (bateria)

Músicos adicionais:
Huey Lewis (gaita em 5 e 8)
Jimmy Bain (baixo em 8)

01. Do Anything You Want To
02. Toughest Street In Town
03. S&M
04. Waiting For An Alibi
05. Sarah
06. Got To Give It Up
07. Get Out Of Here
08. With Love
09. Róisín Dubh (Black Rose): A Rock Legend
– Shenandoah
– Will You Go Lassie Go
– Danny Boy
– The Mason’s Apron


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Apaixonado por rock desde a pré-adolescência, começou a escrever sobre música na internet em 2007. Anos depois, co-fundou o site Van do Halen e trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia. Atualmente, é redator-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia sites como o Cifras, Ei Nerd e outros. Também é redator do Whiplash.Net, o maior site de rock e heavy metal do Brasil.
http://igormiranda.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *