Versão do Metallica para “Whiskey in the Jar” influenciou até Scott Gorham

Guitarrista do Thin Lizzy elogiou performance de James Hetfield, mas nunca pôde encontrá-lo, apesar de conhecer os demais integrantes

“Whiskey in the Jar” é uma canção popular irlandesa que ganhou destaque primeiro com a versão do Thin Lizzy, na década de 1970, e já nos anos 1990 com o Metallica. Mas para Scott Gorham, um dos guitarristas do grupo mais antigo, a versão feita pelos colegas do thrsah metal é superior — a ponto de influenciar a forma como ele toca a música ao vivo até os dias atuais.

O guitarrista revelou que “roubou” a versão do Metallica em conversa com o Ultimate Classic Rock. Para ele, Hetfield adicionou o “drive” que a canção pedia desde sempre, superando assim a versão do Thin Lizzy.

- Advertisement -

Gorham disse:

“Eles fazem uma versão matadora de ‘Whiskey in the Jar’. Tanto que… não conta para o James, mas eu meio que uso a versão deles quando toco ao vivo. Tem muito mais sensação de distorção com a guitarra rítmica. Acho que eles acertaram em cheio. É exatamente o que a música precisava, mais drive – sabe, menos violões e mais base elétrica. Então sim, eu roubei isso de James na hora quando ouvi. Não tenho vergonha nenhuma disso. Obrigado, James, Lars e todo mundo.”

Curiosamente, Gorham conta que James Hetfield, o responsável pela guitarra base que tanto o encantou, é o único membro do Metallica que ele jamais encontrou pessoalmente. O máximo de contato foi um vídeo de aniversário, onde várias pessoas mandaram suas felicitações ao guitarrista do Thin Lizzy, entre eles, o frontman do Metallica.

“Eu entreguei um prêmio ao Metallica em um desses grandes eventos. Foi Lars que apareceu para receber. Ele me agradeceu muito e ao Thin Lizzy, falou sobre como sempre foram fãs e todas essas coisas. Na festa depois, eu conheci Jason Newsted e Kirk Hammett. Então conheci três dos caras, mas James não estava lá.”

Thin Lizzy e “Whiskey in the Jar”

Um dos grupos de rock mais relevantes da Irlanda, o Thin Lizzy pavimentou seu sucesso na década de 1970 com uma série de álbuns de sucesso, com destaque ao período com os guitarristas Brian Robertson e Scott Gorham. Porém, foi com “Whiskey in the Jar” — canção folclórica irlandesa de origem desconhecida e regravada ainda com Eric Bell nas seis cordas — que a banda conquistou notoriedade inicialmente.

Leia também:  Os músicos que Flea escolheria para sua banda dos sonhos

Em 1972 o grupo liderado pelo vocalista e baixista Phil Lynott enfrentava um momento decisivo na carreira. Após dois discos fracassados, o grupo precisava de um sucesso para não ser descartado pela gravadora Decca. Convencidos pelo empresário da banda, os executivos do selo cederam uma última chance na forma de um compacto. 

“Black Boys On The Corner” foi pensada como single principal. Para preencher o lado B, fizeram uma versão hard rock de “Whiskey in the Jar”.

Porém, pensando no potencial para se tornar um hit, a gravadora colocou a cantiga no lado A sem o consentimento da banda, que não se via representada na sonoridade da faixa. 

Com o sucesso inesperado de “Whiskey in the Jar”, o descontentamento do grupo aumentou. A canção se tornou alvo do rancor dos músicos, que ficaram reféns do hit assim como relatado por Lynott (via Classic Rock).

“Por anos eu odiei que essa fosse a única música pela qual éramos conhecidos. Era tipo uma música cômica. Tipo ‘Yellow Submarine’. Os Beatles teriam tocado isso ao vivo?”

Ted Carroll, empresário da banda, se aprofundou na relação conflituosa com a música. 

Leia também:  A única banda de nu metal que Serj Tankian gostava antes da fama com o SOAD

“Nenhum deles gostava. Mas ‘Whiskey’ foi um hit enorme. O maior que a Lizzy fez, vendendo mais cópias que ‘The Boys are Back in Town’ [1976]. Foi um ponto de virada para a banda. Eles deixaram as pequenas casas noturnas com 50 pessoas por noite para tocar em salões com mil pessoas por noite.”

Cortando o hit dos shows

Scott Gorham, guitarrista que se juntou ao Thin Lizzy dois anos após o sucesso do single, relatou como abordou Phil Lynott para que “Whiskey” fosse retirada dos repertórios dos shows — e ainda comparou a relação com “The Boys are Back in Town”. 

“Depois de cerca de seis meses tocando essa maldita música, eu fui no Phil e disse: ‘sabe, ‘Whiskey in the Jar’ é incrível, mas temos uma nova banda agora’. Ele disse: ‘sim, eu entendo, vamos nos livrar de ‘Whiskey in the Jar’.’ Foi fácil assim. Agora, se eu invertesse a situação e disse que o novato chegou anos depois e disse: ‘sabe, Scott, é uma banda nova, eu acho que devemos cortar ‘The Boys are Back in Town’’. Deus do céu! Eu diria: ‘está demitido!’.”

Origens de “Whiskey in the Jar”

A cantiga, sobre um salteador de estrada que é traído pela amante, tem origens desconhecidas. Dentre as várias especulações está a do historiador Alan Lomax que sugere que a música surgiu no século 17 em homenagem aos salteadores de estrada que eram considerados heróis nacionais na Grã-Bretanha. 

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesVersão do Metallica para “Whiskey in the Jar” influenciou até Scott Gorham
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes
André Luiz Fernandes é jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Interessado em música desde a infância, teve um blog sobre discos de hard rock/metal antes da graduação e é considerado o melhor baixista do prédio onde mora. Tem passagens por Ei Nerd e Estadão.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Curiosidades