20 das piores capas de discos do rock, segundo o Ultimate Classic Rock

Porque, afinal de contas, nem todo produto de qualidade necessariamente tem uma boa embalagem

Capas feias de discos são um dos maiores atributos do rock. Não à toa, há várias páginas nas redes sociais destinadas apenas a reunir algumas pérolas do horror plástico fonográfico.

Quem também resolveu embarcar nessa foi o Ultimate Classic Rock. Um dos sites mais prestigiados do gênero reuniu sua equipe e escolheu 20 momentos de baixíssima inspiração na história de bandas consagradas.

- Advertisement -

Confira abaixo as escolhas e os comentários feitos pela equipe. E não esqueça, é a opinião DELES. Estamos apenas reproduzindo.

20 das piores capas de discos do rock, segundo o Ultimate Classic Rock

AC/DC, ‘Black Ice’ (2008): “É muito difícil fazer uma capa ruim para um álbum do AC/DC. A fórmula é simples: tire uma foto do guitarrista Angus Young fazendo algo selvagem, adicione um logotipo e um título. Mas, por alguma razão, ‘Black Ice’ de 2008 apresentava apenas uma pequena silhueta de Young cercada por cinza escuro em designs pretos que ficariam mais à vontade em uma camiseta da marca Affliction.”

Aerosmith, ‘Just Push Play’ (2001): “Às vezes você pode julgar um livro pela capa. A música do álbum ‘Just Push Play’ do Aerosmith, de 2001, costuma ser tão robótica e sem vida quanto a capa indica. Também não é muito original. Além de se assemelhar à do disco ‘That’s the Stuff’ do Autograph, de 1985, apresenta a mesma imagem usada na capa da compilação de sucessos pop argentinos Video Sound, também de 1985.”

Bon Jovi, ‘Slippery When Wet’ (1986): “Depois de decidir contra as fotos com tema de cowboy que originalmente planejavam usar como capa, o Bon Jovi teve sua segunda ideia – uma mulher vestindo uma camiseta molhada estampada com o título do álbum – rejeitada. Com o tempo esgotando, Jon Bon Jovi literalmente rabiscou o nome em um saco de lixo molhado. O disco vendeu mais de 12 milhões de cópias nos EUA, mas muito poucas dessas compras foram por causa de sua capa.”

Boston, ‘Corporate America’ (2002): “A nave espacial em forma de guitarra que causou uma impressão tão duradoura e grandiosa nas primeiras quatro capas de álbuns do Boston foi despojada de sua grandeza em seu quinto LP. A cidade em uma garrafa que costumava estar no topo da nave não está em lugar nenhum, deixando-nos apenas com uma guitarra minúscula e de aparência comum flutuando sem rumo acima da Terra.”

Bruce Springsteen, ‘Lucky Town’ (1992): “O início dos anos 90 foi uma época difícil para Bruce Springsteen, que irritou os fãs ao deixar sua amada E Street Band para trás e trabalhar com músicos de estúdio nos álbuns ‘Human Touch’ e ‘Lucky Town’, lançados simultaneamente. Embora ‘Human Touch’ apresentasse melhor layout e imagem, nenhuma das capas era ótima. O nome de Springsteen e os títulos dos álbuns apareciam em fontes vermelhas grandes, desagradáveis e estranhamente posicionadas que obscureciam a maioria das fotos.”

Crosby, Stills & Nash, ‘Live It Up’ (1990): “Crosby, Stills e Nash tomaram algumas decisões verdadeiramente terríveis ao fazer ‘Live It Up’. Tentar modernizar o som com os teclados brilhantes e baterias eletrônicas que dominavam as ondas de rádio na época foi o maior erro. Mas a arte da capa, apresentando salsichas gigantescas assadas na lua, ficou em segundo lugar.”

Bob Dylan, ‘Saved’ (1980): “Bob Dylan é um artista visual – suas pinturas e esculturas de ferro foram exibidas em todo o mundo – mas você não saberia disso pela capa de ‘Saved’. Para ser justo, o disco foi concebido durante a complicada era evangélica de Dylan, um período em que poucas pessoas, mesmo as mais próximas, pareciam entender por que ele se apoiava tanto em temas cristãos. O pintor Tony Wright foi contratado para a obra de arte e lembrou que lhe pediram para reconstruir ‘uma visão que Dylan teve’, uma imagem da mão ensanguentada de Jesus Cristo descendo para tocar os crentes. A Columbia Records, já lutando para promover seu material religioso, não gostou. O primeiro LP religioso de Dylan, ‘Slow Train Coming’, vendeu bem, mas a capa de ‘Saved’ tornou difícil para qualquer um querer comprar outro disco desse tipo.”

Foreigner, ‘Unusual Heat’ (1991): “Não temos certeza exatamente quem está na capa do primeiro álbum do Foreigner sem o vocalista cofundador Lou Gramm, mas parece que ele deveria mostrar exatamente de onde vem a dor em um daqueles cremes para dor nas costas dos comerciais televisivos de tarde da noite.”

Guns N’ Roses, ‘Chinese Democracy’ (2008): “Você sabe quem não gosta da capa do tão aguardado álbum de 2008 do Guns N’ Roses, ‘Chinese Democracy’? Axl Rose. Durante um bate-papo online com fãs logo após o lançamento, ele criticou sua gravadora por lançá-lo com uma arte final ‘não aprovada e não vista’. Segundo a Billboard, o álbum deveria ser lançado com três capas diferentes, mas a versão com a fotografia de uma bicicleta chegou primeiro às lojas. Eventualmente, uma ‘edição artística’ com uma pintura melhor foi lançada em quantidades limitadas, mas boa sorte em conseguir uma: elas são vendidas por mais de US$ 600.”

Heart, ‘Brigade’ (1990): “O renascimento pop rock dos anos 80 do Heart estava perdendo força no início dos anos 90. A sensação um tanto fria e clínica de ‘Brigade’ é refletida por sua arte de capa nada inspiradora, que consiste em uma letra H meio azul e meio vermelha intitulada na lateral.”

Leia também:  A curiosa epifania que fez Gene Simmons parar de enrolar esposa após 28 anos

Iron Maiden, ‘The X Factor’ (1995): “Com ‘No Prayer for the Dying’, de 1990, o Iron Maiden abandonou a arte icônica de suas primeiras capas. O então parceiro de longa data Derek Riggs foi substituído em ‘Fear of the Dark’, de 1992. Mas a banda atingiu um novo nível com a arte monótona, genérica e desnecessariamente sangrenta em estilo claymation de ‘The X Factor’, de 1995. A representação da vivissecção era muito gráfica para alguns varejistas, forçando a banda a lançar o trabalho com capa reversível apresentando uma imagem menos perturbadora.”

Journey, ‘Trial by Fire’ (1996): “Depois de desaparecer após sua onda de sucesso nos anos 80, o Journey retornou de um hiato de quase uma década com ‘Trial by Fire’, de 1996. A capa do álbum parece indicar um novo começo. O escaravelho, marca registrada da banda, aparece como um logotipo em um pequeno jarro de água, enquanto as fontes futurísticas e a cor azul elétrica de álbuns como ‘Escape’ e ‘Frontiers’ são deixadas para trás em favor de… bem, é difícil dizer. Há um bebê em um barco, uma mulher com cabeça de gato e traseiro de pássaro, uma águia se transformando em palmeira (ou vice-versa) e duas pessoas tentando encher uma Terra rachada com água de vasos antigos. Se há um significado mais profundo aqui, ele foi perdido por quase todos.”

Kiss, ‘Psycho Circus’ (1998): “Para ‘Psycho Circus’, de 1998, os membros originais do Kiss pintaram o rosto novamente e meio que se reuniram para fazer um álbum de estúdio juntos pela primeira vez em duas décadas. Mas então a arte da capa que eles escolheram esconde esses rostos famosos – o principal ponto de venda do álbum – em pequenos círculos do tamanho de uma moeda, ao mesmo tempo que dá a maior parte do espaço a um palhaço de aparência genérica.”

Metallica, ‘Metallica’ (1991): “O Metallica corajosamente reimaginou seu som no álbum autointitulado de 1991, lar de ‘Enter Sandman’, ‘Sad But True’ e vários outros sucessos de rádio. Mas a arte da capa é um fracasso, com um logotipo estranho e quase ilegível em um canto e uma cobra enrolada igualmente difícil de ver em outro. O resultado está mais próximo de ‘Smell the Glove’ (Spinal Tap) do que ‘Back in Black’ (AC/DC).”

Ozzy Osbourne, ‘Down to Earth’ (2001): “Ozzy Osbourne merece crédito por tentar algo diferente na capa de ‘Down to Earth’, posando para fotos de raios X que revelam sua coluna, esqueleto e crânio. Suas tatuagens foram adicionadas no topo da imagem, mas o efeito geral não é igual à soma das partes. A menos que você olhe de perto, os dois crânios gritando de cada lado de sua cabeça parecem mais uma peruca que um dos fundadores da América usou enquanto proclamava a Declaração da Independência.”

Poison, ‘Native Tongue’ (1993): “A explosão do grunge atingiu duramente muitas bandas de hair metal. Depois que Nirvana, Pearl Jam e Soundgarden reescreveram as regras sobre como as estrelas do rock deveriam soar e se vestir, o Poison deixou de lado seu habitual logotipo verde brilhante e brincou com penteados em favor de uma imagem mais natural para ‘Native Tongue’, de 1993. Mas eles foram longe demais na outra direção, resultando em uma capa de álbum obscura e incompreensível que desempenhou um papel no fim de sua sequência de vendas multiplatinadas.”

Ratt, ‘Reach for the Sky’ (1988): “‘Você já olhou para uma nota de um dólar, cara?’ Stoner Slater pergunta em Dazed and Confused. ‘Há alguma m*rda assustadora acontecendo lá.’ O mesmo poderia ser dito da expansiva e confusa arte da capa de ‘Reach for the Sky’, que apresenta uma estátua de estilo grego, uma cadeira de vime e uma mão estendida em uma engenhoca semelhante a uma camisa de força. O que isso tem a ver com músicas como ‘Way Cool Jr.’ e ‘I Want a Woman’ está além da nossa compreensão.”

Rolling Stones, ‘Dirty Work’ (1986): “Os Rolling Stones criaram algumas das capas de álbuns mais memoráveis da história do rock, incluindo ‘Let It Bleed’, ‘Sticky Fingers’ e ‘Exile on Main St.’ Mas eles deram uma guinada ruim para o néon e a busca por tendências com ‘Dirty Work’, de 1986, que apresenta a banda em ternos berrantes no estilo Miami Vice. Apenas Charlie Watts parece estar ciente do problema, vestindo uma roupa azul escura enquanto tenta sair de cena.”

Styx, ‘Cyclorama’ (2003): “Quatro anos depois de se separar do vocalista fundador Dennis DeYoung, o Styx retornou com o novo recruta Lawrence Gowan para ‘Cyclorama’ de 2003. Com o guitarrista Tommy Shaw no comando, a música da banda passou das baladas para uma direção de rock mais pesado. Mas, por alguma razão, a arte parecia mais um rejeitado do rock progressivo. A lenda da arte da capa do Pink Floyd e do Led Zeppelin, Storm Thorgenson, que havia trabalhado com o Styx em ‘Pieces of Eight’, teve uma ideia menos incrível desta vez: uma cenoura gigante flutuante, atraindo olhares admirados das pessoas na capa e confusão de todos os outros.”

Van Halen, ‘Van Halen III’ (1998): “A arte da capa do único álbum do Van Halen com o cantor Gary Cherone carece da inteligência e do gosto da capa anterior. O problema não é tanto com a foto de Frank ‘Cannonball’ Richards realizando sua façanha secundária, mas com a maneira perturbadora e estranha como o título do álbum foi colocado no canhão.”

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioListas20 das piores capas de discos do rock, segundo o Ultimate Classic...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades