A opinião do intempestivo Ritchie Blackmore sobre o Queen

Nem sempre elogioso a outros artistas, ex-guitarrista do Deep Purple exaltou talento da banda e de seu colega de instrumento, Brian May

Em vídeo de 2018 postado pelo canal oficial do Deep Purple, o guitarrista Ritchie Blackmore lembrou de quando viu o Queen pela primeira vez, em 1974. E também aproveitou para elogiar o quarteto inglês por sua obra.

Conforme transcrito pelo Rock and Roll Garage, o músico declarou:

“Não lembro o nome da primeira música deles que escutei, mas falava sobre um trem. Fiquei muito impressionado, especialmente com as guitarras e vocais. Freddie Mercury era um cruzamento entre Ronnie James Dio e um cantor de ópera. Era uma verdadeira estrela, um grande músico e sabia comandar a plateia em um show. Eles faziam algumas harmonias vocais muito inteligentes.”

Quando o assunto foi o “companheiro de armas”, Blackmore não se furtou de elogiar.

“Brian May é um dos caras mais legais do meio, além de um brilhante guitarrista. Fiquei surpreso de eles terem conseguido sucesso nos Estados Unidos, pois a música que faziam era muito complexa para os padrões do país. Normalmente, o público americano se interessa em canções com poucos acordes e estruturadas com base no blues. Mesmo assim, eles se sobressaíram.”

Brian May elogia Ritchie Blackmore

A recíproca de Brian em relação a Ritchie é verdadeira, como ficou claro em uma entrevista do membro do Queen à revista Guitar World em 2020.

“Blackmore é um de meus heróis. Era extraordinário vê-lo tocar, um dos guitarristas mais perigosos que já existiu. Meio louco, mas da melhor maneira possível. Estava muito à frente de todos nós.”

Colaboração em cover de Deep Purple

Brian May e Ritchie Blackmore gravaram juntos na versão para “Smoke on the Water” feita para o Rock Aid Armenia. O projeto beneficente de 1989 arrecadou fundos para as vítimas do terremoto que devastou o país no ano anterior. Outros guitarristas envolvidos foram David Gilmour (Pink Floyd), Tony Iommi (Black Sabbath), Alex Lifeson (Rush), Dave Murray e Adrian Smith (Iron Maiden).

Os vocais foram divididos entre Ian Gillan (Deep Purple), Bruce Dickinson (Iron Maiden), Paul Rodgers (Free, Bad Company), David Gilmour (Pink Floyd) e Bryan Adams. Chris Squire (Yes) gravou o baixo, Roger Taylor (Queen) a bateria, Geoff Downes (Yes, Asia) e Keith Emerson (ELP) os teclados.

1 comentário
  1. Esse cara é fera, um dos melhores guitarristas do mundo de uma banda lendária que fez sucesso numa época em que a concorrência era enorme. Décadas de 70,80,90,foram as que mais produziram talentos. Nos dias de atuais não encontramos mais músicos como antigamente, que estudavam música. Vida longa para o Ritchie.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados
Total
51
Share