Notícias

Max Cavalera critica Bolsonaro por falas sobre índios e negros



O vocalista e guitarrista Max Cavalera (Soulfly, Cavalera Conspiracy, ex-Sepultura) falou um pouco sobre o atual momento da política brasileira em entrevista ao site americano Reading Eagle. O músico fez críticas ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, mas demonstrou otimismo ao dizer que “tudo passa”, inclusive o mandato do político em questão.

O assunto veio à tona após Max Cavalera falar sobre a música “The Summoning”, presente no álbum mais recente do Soulfly, “Ritual”. A letra da canção aborda a exploração de povos nativos ao longo da história. “É um dos assuntos de maior tabu na humanidade. É uma idade das trevas o que aconteceu na América do Sul, América Central e América do Norte, com o estupro dos povos indígenas. E isso ainda continua”, afirmou.

Em seguida, Max falou sobre a situação atual de seu país. “O Brasil tem um histórico de líderes corruptos, (embora) tenhamos alguns bons presidentes que fizeram algumas coisas para o páis. Eu estava lá quando ele (Bolsonaro) foi eleito e era um clima muito estranho. Foi similar a quando (o presidente dos Estados Unidos, Donald) Trump foi eleito aqui. Metade do país votou nele; a outra metade, não”, disse.

– Max Cavalera revela o disco pelo qual ele gostaria de ser lembrado

O músico, então, pontuou suas críticas a Bolsonaro. “Eu me sinto muito negativo sobre as coisas que ele diz a respeito de índios e negros. Ele não liga para a comunidade indígena. É a coisa que mais me incomoda”, afirmou.

Por fim, Cavalera destacou sua esperança no futuro. “A política é tão suja. Todos eles são corruptos. (Mas) Tudo passa. Até esse cara vai passar e outra pessoa virá e esperamos que seja alguém melhor”, disse.

Em entrevista anterior ao UOL, concedida em novembro de 2018, Max e seu irmão, o baterista Iggor Cavalera, também falaram sobre política e deixaram suas posições um pouco mais evidentes. Max por exemplo, disse que sempre quis fazer música “para o pessoal oprimido”. “A nossa música vem da raiva, mas é um ódio contra a intolerância, contra o que a gente acha errado”, disse ele, que é crítico de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, mas falou com certa cautela sobre o Brasil.

– ‘Quem acompanha, sabe que nossas letras vão mais pra esquerda’, diz Iggor Cavalera

Iggor, por sua vez, foi mais pontual em seus comentários. “Acho que se um fã acaba sendo conservador, ele não está entendendo muito o que estamos falando, qual é a nossa mensagem. Mas, ao mesmo tempo, a gente tenta não ser uma banda totalmente politizada. São opiniões que a gente dá e colocamos alguns fatos para as pessoas analisarem”, disse.

“Ao mesmo tempo, vejo que essa subida do lado direito, da extrema-direita, no mundo inteiro, é uma coisa muito perigosa e é algo que sempre lutamos contra, desde o início, e vamos continuar”, completou Iggor.


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *